Notícias

Call for papers / Chamada de trabalhos / Llamada de trabajos (2022)

2021-03-20

CHAMADA DE TRABALHOS

 

EDIÇÃO TEMÁTICA

Anais Brasileiros de Estudos Turísticos (ABET) - 2238-2925

(indexada no Emerging Sources Citation Index (ESCI) e ISI Web of Science)

https://periodicos.ufjf.br/index.php/abet/

 

“Turismo e Patrimônios da Unesco no Brasil”

 

Editor-chefe

 

Thiago Duarte Pimentel

Universidade Federal de Juiz de Fora/UFJF, Brasil

 

Editores convidados

 

Maria Amália Oliveira

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO, Brasil

 

Ricardo Fonseca

Universidade Federal de Ouro Preto/UFOP, Brasil

 

Solano de Souza Braga

Universidade Federal do Delta do Parnaíba/UFDPar, Brasil

Saiba mais sobre Call for papers / Chamada de trabalhos / Llamada de trabajos (2022)

Edição Atual

ABET, Vol. 11, Single Issue (2021): Current Topics in Tourism and Thematic Section: “Tourism in times of COVID-19”

Os recentes surtos de vírus ocorridos recentemente em Wu-Han (China) não apenas mostraram a vulnerabilidade da indústria do turismo, mas também impediram o mundo. Especialistas e colegas de todos os especialistas têm sido calorosamente debatidos sobre os efeitos da COVID-19 na indústria do turismo, assim como sobre o futuro da pesquisa turística. Para algumas vozes, a doença de Coronavirus deve ser considerada como uma oportunidade válida para um mundo mais sustentável (Gossling, Scott & Hall, 2020; Higgins-Desbiolles, 2020; Prideaux, Thompson & Pabel 2020) enquanto para outras representa um sério desafio para o futuro da indústria (Korstanje 2020). Além desta discrepância, a COVID19 tem sido ampla e rapidamente difundida através dos modernos meios de mobilização e transporte que conectaram áreas geográficas dispersas em horas. Basicamente, e em semanas, o vírus -originalmente disseminado na China- chegou à Europa e aos EUA. Em quase um mês, a doença se expandiu para o resto da América Latina e África, afetando todas as nações da Terra. A pandemia infelizmente deixou 665.231 mortes, infectando quase 17.040.985 (números atualizados em julho). Embora os governos adotassem táticas e estratégias diferentes, elas consistiram em várias restrições às mobilidades e ao turismo global, tais como o cancelamento de todos os vôos de entrada, das fronteiras nacionais, bem como do espaço aéreo, e a imposição de um bloqueio que impedia internamente o trânsito de pessoas. Um dos países mais castigados foram os EUA (152.945 vítimas), seguido pelo Brasil (88.792 vítimas), Reino Unido (45.961), México (44.876), Itália (35.129) e Espanha (28.441), para citar apenas alguns. O que é mais importante, a COVID-19 introduziu a indústria do turismo em uma crise sem paralelo, que hoje necessita de pesquisas interdisciplinares para encontrar estratégias de sucesso pós-pandêmicas para uma rápida recuperação. Por causa disso, esta seção temática reune trabalhos de pesquisadores profissionais, acadêmicos, estudantes de pós-graduação e formuladores de políticas, que apresentam seus avanços com um forte foco nos efeitos e conseqüências do Coronavírus no turismo e na hospitalidade.

Subhash Kizhakanveatil Bhaskaran Pillai, Sharad Kumar Kulshreshtha, Maximiliano E. Korstanje; Thiago Duarte Pimentel 

Publicado: 2021-01-31

Seção Temática "Turismo em Tempos de COVID-19"

Ver Todas as Edições

CHAMADA DE TRABALHOS

 

EDIÇÃO TEMÁTICA

Anais Brasileiros de Estudos Turísticos (ABET) - 2238-2925

(indexada no Emerging Sources Citation Index (ESCI) e ISI Web of Science)

https://periodicos.ufjf.br/index.php/abet/

 

“Turismo e Patrimônios da Unesco no Brasil”

 

Editor-chefe

 

Thiago Duarte Pimentel

Universidade Federal de Juiz de Fora/UFJF, Brasil

 

Editores convidados

 

Maria Amália Oliveira

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO, Brasil

 

Ricardo Fonseca

Universidade Federal de Ouro Preto/UFOP, Brasil

 

Solano de Souza Braga

Universidade Federal do Delta do Parnaíba/UFDPar, Brasil

 

Objetivo da edição temática

 

O patrimônio é uma herança da humanidade. Uma das formas de proteção deste legado se dá por meio do seu reconhecimento pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Desde 1978 já foram reconhecidos 1.121 sítios do patrimônio em 167 países, dentre eles o Brasil, que conta com 22, sendo [i]: 14 culturais, sete naturais e um misto. Além disso a Unesco reconhece outras formas de proteção das diversidades geológica, biológica e cultural, tais como 161 Geoparks[ii], 114 Paisagens Culturais [iii], 714 Reservas da Biosfera [iv], dentre outras ações, parte com a salvaguarda do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e instâncias correlatas a nível estadual e municipal. A maioria são destinos turísticos, de vários segmentos, em especial e sem se esgotar, turismo cultural, ecoturismo (MTUR, 2018; UNWTO, 2019) e geoturismo (Unesco, 2016). Porém, a relação entre visitação e proteção (Pedersen, 2002) nem sempre é sustentável (Hoyos, 2020) e acompanhada de pesquisas científicas consistentes (Yang, Xue & Jones, 2019). Soma-se que o turismo foi um dos setores mais impactados pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), colocando em risco a integridade do patrimônio protegido, conforme observações do Seminário sobre Patrimônio Mundial e turismo: Enfrentando os desafios da Crise Covid-19 [v], realizado em Paris em dezembro de 2020. Neste sentido é pertinente o olhar multidisciplinar de pesquisadores para a relação do patrimônio com o turismo, considerando-se a tutela da Unesco, trazendo-se novas abordagens com as especificidades do rico e diverso território brasileiro.  Por isso, a presente chamada de artigos convida pesquisadores, profissionais, acadêmicos e formuladores de políticas públicas a apresentar resultados de pesquisas com enfoque nos sítios do patrimônio da Unesco no Brasil. A chamada, também, aceita não apenas abordagens teóricas, mas também baseadas empiricamente. Os artigos podem ser escritos em português, inglês, francês ou espanhol, adaptados ao estilo de citação APA 6ª ed. e seguidos de resumo e cinco palavras-chave. Por último, mas não menos importante, são bem-vindos os diferentes tipos de comunicação:

  1. artigos completos –ensaios teóricos, conceptual papers, artigos de revisão teórica, estudos de caso, resultados de pesquisa original–, com extensão de 5.001 a 10.000 palavras; e
  2. e comunicações curtas –research notes, pensatas, relatos técnicos, resenhas–, com extensão máxima de 5.000 palavras.

 

As datas e prazos importantes são os seguintes:

 

Ação

Prazo

Submissão de resumos estendidos (entre 500 e 1.000 palavras)

Até 30-06-2021

Submissão de full papers (extensão segundo o tipo de contribuição)

até 31-08-2021

Processo de revisão

até 30-11-2021

Publicação final

Janeiro de 2022

 

Por favor, encaminhe os manuscritos aos cuidados de Ricardo Fonseca no e-mail ricardo.fonseca@ufop.edu.br ou Solano de Souza Braga solanobraga@yahoo.com.br  ou de Maria Amália Oliveira m_amali@hotmail.com

 

 Não hesite em nos contatar pelos endereços de e-mail acima mencionados.

 

Tema e questões relacionadas

Embora não se limitando aos seguintes tópicos, incentivamos os estudiosos a se concentrarem em:

 

  • Oferta e distribuição turística em patrimônios da Unesco no Brasil;
  • Demanda turística em patrimônios da Unesco no Brasil;
  • O impacto da Covid-19 na gestão dos patrimônios da Unesco no Brasil;
  • Novos segmentos/tipos de turismo em patrimônios da Unesco no Brasil;
  • Categorias de patrimônio (natural, cultural, museal, espeleológico, geológico, geográfico, ecológico, rural, paleontológico, arqueológico, literário, arquitetônico, religioso e outros) da Unesco no Brasil e o turismo;
  • O patrimônio em crise e a preservação do patrimônio da Unesco no Brasil; e
  • Políticas públicas voltadas para a preservação e promoção do turismo em patrimônios da Unesco no Brasil.

 

Os editores de edições especiais encorajam uma variedade de abordagens metodológicas, incluindo, mas não se limitando a: análise textual; pesquisas e entrevistas; abordagens mistas; e estudo de caso.

 

Nota de envio

Os artigos enviados não devem ter sido publicados anteriormente ou estar atualmente sob consideração para publicação em outro lugar.

 

Formatação e Publicação

 

Referencias relacionadas à temática

 

Bo, João Batista Lanari. (2003). Proteção do patrimônio na UNESCO: ações e significado. Brasília,  Unesco. Disponível em: <https://livros01.livrosgratis.com.br/ue000276.pdf>. Acesso em: 13 Fev. 2021.

Hoyos, Wilson. (2020). Turismo y sus efectos globales sobre el patrimonio. In: Rábago, Nora L. Bringas, García, Maribel Osorio & Ferreira, Ana Pricila Sosa (coord.). Casos de planeación y gestión turística. Comportamientos, problemas y avances. Tenerife (España), PASOS, Revista de Turismo y Patrimonio Cultural.

MTur. (2018). Glossário do Turismo. Brasília: Ministério do Turismo. Disponível em: <http://antigo.turismo.gov.br/images/pdf/Publica%C3%A7%C3%B5es/Glossario_do_Turismo_-_1%C2%AA_%20edi%C3%A7%C3%A3o.pdf>. Acesso em: 13 Fev. 2021.

Pedersen, Arthur. (2002). Managing Tourism at World Heritage Sites: a Practical Manual for World Heritage Site Managers. Paris: Unesco. Disponível em: <https://whc.unesco.org/uploads/activities/documents/activity-113-2.pdf>. Acesso em: 13 Fev. 2021.

Unesco. (2016). UNESCO Global Geoparks. Paris: United Nations World Tourism Organization. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000243650/PDF/243650eng.pdf.multi>. Acesso em: 13 Fev. 2021.

UNWTO. (2019). UNWTO Tourism Definition. Paris: United Nations World Tourism Organization. Disponível em: <https://www.e-unwto.org/doi/epdf/10.18111/9789284420858>. Acesso em: 13 Fev. 2021.

Yang, Y., Xue, L., & Jones, T. E. (2019). Tourism-enhancing effect of World Heritage Sites: Panacea or placebo? A meta-analysis. Annals of Tourism Research, 75, 29-41.

 

[i] Sítios do patrimônio da Unesco no Brasil: Brasília, Centro Histórico de Salvador de Bahia, Centro Histórico de São Luís, Centro Histórico da Vila de Diamantina, Centro Histórico da Vila de Goiás, Centro Histórico da Vila de Olinda, Vila Histórica de Ouro Preto, Missões Jesuítas dos Guaranis : San Ignacio Mini, Santa Ana, Nuestra Señora de Loreto e Santa Maria Mayor (Argentina), Ruínas de São Miguel das Missões (Brasil), Conjunto Moderno da Pampulha, Rio de Janeiro: Paisagens Cariocas entre a Serra e o Mar, Santuário do Bom Jesus do Congonhas, Praça de São Francisco na Vila de São Cristóvão, Parque Nacional da Serra da Capivara, Sítio Arqueológico Cais do Valongo, Reservas do Sudeste da Mata Atlântica, Ilhas Atlânticas Brasileiras: Reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas, Complexo de Conservação da Amazônia Central, Áreas Protegidas do Cerrado: Parques Nacionais da Chapada dos Veadeiros e Emas, Reservas da Costa do Descobrimento da Mata Atlântica, Parque Nacional do Iguaçu, Área de Conservação do Pantanal e Paraty e Ilha Grande - Cultura e Biodiversidade. Disponível em: <http://whc.unesco.org/en/statesparties/BR>. Acesso em: 19 Mar. 2021.

[ii] Um Geopark reconhecidos pela UNESCO no Brasil: Araripe. Disponível em: <http://www.unesco.org/new/en/natural-sciences/environment/earth-sciences/unesco-global-geoparks/list-of-unesco-global-geoparks/brazil/araripe/>. Acesso em: 19 Mar. 2021.

[iii] Sete Paisagens Culturais da UNESCO no Brasil: Complexo de Áreas Protegidas do Pantanal (MT/MS), Complexo de Conservação da Amazônia Central (AM), Ilhas Atlânticas: Fernando de Noronha e Atol das Rocas (PE/RN), Parque Nacional Serra da Capivara (PI), Parque Nacional do Iguaçu (PR), Reservas da Mata Atlântica (PR/SP) e Reservas do Cerrado: Parques Nacionais da Chapada dos Veadeiros e das Emas (GO). Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/899/>. Acesso em: 19 Mar. 2021.

[iv] Sete Reservas da Biosfera da UNESCO no Brasil: Mata Atlântica, Cinturão Verde da Cidade de São Paulo, Cerrado, Pantanal, Caatinga, Amazônia Central e Serra do Espinhaço. Disponível em: <https://pt.unesco.org/fieldoffice/brasilia/expertise/natural-world-heritage>. Acesso em: 19 Mar . 2021.

[v] Disponível em: <https://www.pantheonsorbonne.fr/fileadmin/IREST/chaire-unesco/plaquette_unesco_electronique_EN.pdf>. Acesso em: 19 Mar. 2021.