Textus quaerens doctrinam: o discurso metalinguístico e suas relações com saberes atuais sobre as línguas e a linguagem

Autores

  • Dr. Marcos Aurelio Pereira professor da Unicamp

Palavras-chave:

discurso metalinguístico, gramática antiga, teorias linguísticas

Resumo

Embora se tenha feito de modo característico e por vezes bastante discrepante em diversas épocas consideradas, o estudo da linguagem data de muito antes do surgimento da moderna Linguística, ainda que muitos manuais modernos dessa área de pesquisa insistam em situar seu nascimento na Antiguidade greco- romana (cf Lyons, Robins, Weedwood etc). Para a ciência atual, na verdade, os textos antigos não apenas documentam sua origem, mas também servem amiúde como campo de prova de teorias modernas. Por outro lado, reconhecendo a importância de antigos textos gramaticais, por exemplo, a Linguística se mostra, às vezes, contra posições antigas, anacronisticamente tidas por equivocadas (cf Casevitz & Charpin etc). . Pretendemos, aqui, no âmbito dos estudos realizados por nosso grupo de pesquisa, pensar em modos possíveis de abordar, mantendo cabível distância entre formulações antigas e modernas, ainda que do ponto de vista de teorias mais recentes, fenômenos já tratados, mesmo diversamente, em textos antigos (cf Auroux, Baratin etc). 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, N. M. “O ensino da gramática entre os romanos”. O Estado de S. Paulo, 21/02/1981, p. 3[?]

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. Introd. Roberto O. Brandão; trad. Jaime Bruna. 15. ed. São Paulo: Cultrix/USP, 1997.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni Orlandi. Campinas: Unicamp, 1992

BARATIN, M. La naissance de la syntaxe à Rome. Paris: Minuit, 1989

CASEVITZ, M. & F. CHARPIN. “A herança greco-latina”. In: BAGNO, M. Norma lingüística. São Paulo: Loyola, 2001, p. 23-53

HAYES, B. A metrical theory of stress rules. Nova York/Londres: Garland, 1985

LYONS, J. Introdução à lingüística teórica. Trad. Rosa V. M. Silva e Hélio Pimentel. Sup. Isaac N. Salum. São Paulo: Nacional/EdUsp, 1979

MOUNIN, G. História da linguística: das origens ao século XX. Trad. F. J. H. Rêgo. Porto: Despertar, ca. 1970

PEREIRA, M. A. “A ‘estranheza’ dos antigos, ou: para que serve a Antigüidade? Sobre certa leitura de Quintiliano pelos ‘modernos’”. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antigüidade. Campinas: IFCH/UNICAMP, N.º 22/23, 2007, p. 175-199


PEREIRA, M. A. Quintiliano gramático: os capítulos gramaticais da Institutio oratoria e o papel do mestre de Gramática. 2. ed. São Paulo: Humanitas, 2006

ROBINS, R. H. Pequena história da lingüística. Trad. Luiz M. M. Barros. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1979

WEEDWOOD, B. História concisa da lingüística. São Paulo: Parábola, 2005

WINTERBOTTOM, M. (ed.) M. Fabi Quintiliani Institutionis oratoriae libri XII. Oxford: Clarendon, 1989, 2 vol.

Downloads

Publicado

2015-08-18

Como Citar

PEREIRA, D. M. A. Textus quaerens doctrinam: o discurso metalinguístico e suas relações com saberes atuais sobre as línguas e a linguagem. Rónai – Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1–10, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ronai/article/view/23088. Acesso em: 20 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.