Personagem em Libras

o trabalho com textos descritivos na formação do pedagogo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1984-5499.2020.v22.30624

Palavras-chave:

Formação de professores, Classe inclusiva, Libras

Resumo

A formação de professores para as práticas inclusivas e emancipatórias em sala de aula é um desafio para as instituições de ensino superior. Por isso, é relevante socializar as experiências realizadas nesse nível de ensino. Diante disso, objetivamos analisar a apresentação de personagem, uma atividade de produção textual do tipo descritivo, em Língua Brasileira de Sinais (Libras), desenvolvido junto à uma turma de Pedagogia do Centro de Formação de Professores, da Universidade Federal de Campina Grande, campus Cajazeiras - PB, no semestre 2016-2. A metodologia utilizada na pesquisa foi o relato de experiência. Os dados foram analisados em uma abordagem qualitativa. Concluímos que a atividade favoreceu a construção, junto aos licenciandos, de aprendizados que os permitem refletir sobre aspectos lexicais, semânticos e pragmáticos de uso da Libras, bem como na inserção desse sistema linguístico em atividades didáticas que podem ser propostas em classes inclusivas com surdos.

Biografia do Autor

Alanna Gadelha, Universidade Federal de Campina Grande

Pedagoga pela Universidade Federal de Campina Grande (2018). Especializanda em Neuropsicopedagogia. Colaboradora do Grupo de Estudos e Desenvolvimento de Objetos Virtuais de Aprendizagem (GEDOVA), UFCG. Tem interesse em temas relacionados à: Tecnologias na Educação; Objetos Virtuais de Apredizagem (OVA); Jogos Educativos Digitais; Formação de professores em Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC); Ensino Híbrido.

Egle Souza , Universidade Federal de Campina Grande

Mestre em Sistemas Agroindustriais pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG no, Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar. Licenciada em Química pela UFCG no Centro de Formação de Professores. Especialista em Química Tecnológica e Meio Ambiente pela Faculdade São Francisco da Paraíba e em Docência do Ensino Superior na Universidade Cândido Mendes. Gestora da ECIT Cristiano Cartaxo e colaboradora do Grupo de Estudos e Desenvolvimento de Objetos Virtuais de Aprendizagem.

Referências

ACESSIBILIDADE BRASIL. Dicionário da Língua Brasileira de Sinais. v. 3, 2011. Disponível em: http://www.acessibilidadebrasil.org.br/libras_3/ Acesso em: 17 abr. 2020.
BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 17 abr. 2020.
BRASIL. Lei nº 12.319, de 1 de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LÍBRAS. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/1025011/lei-12319-10. Acesso em: Acesso em: 17 abr. 2020.
CLÁUDIO, Janaína Pereira et al. Mini Dicionário. CAS/FADERS, Porto Alegre, 2010.
CORREIA, Anderson Tavares; LIMA, Rosângela Aparecida Ferreira; LIMA, Francisco José de. Datilologia, tradução ou “oralização sinalizada”? In: CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISAS EM TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE LIBRAS E LÍNGUA PORTUGUESA, 2., 2010, Santa Catarina. Anais [...]. Santa Catarina, UFSC, 2010. p. 1 - 6. Disponível em: http://www.congressotils.com.br/anais/anais2010/Anderson%20Tavares%20Correia.pdf Acesso em: 17 abr. 2020.
DALTRO, Mônica Ramos; FARIA, Anna Amélia de. Relato de experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 223-237, jan./abr. 2019. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view/43015 Acesso em: 25 mar. 2020.
DESCARDECI, Maria Alice Andrade de Souza. Ler o mundo: um olhar através da semiótica social. Educação Temática Digital. Campinas, v. 3, n. 2, p. 19 – 26, jun., 2002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/604. Acesso em: 17 abr. 2020.
EXTRALINGUÍSTICO. In: Michaelis Dicionário Brasileiro de Língua Portuguesa. Editora Melhoramentos, 2020. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/busca?id=db74 Acesso em: 17 abr. 2020.
MCCLEARY, Leland E.; VIOTTI, Evani. C.; LEITE, Tarcísio de Arantes. Descrição de línguas sinalizadas: a questão da transcrição dos dados. Alfa: Revista de Linguística (UNESP. São José do Rio Preto. Impresso). v. 54, n. 1, p. 265 –289, 2010. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/2880/2654 Acesso em: 17 abr. 2020.
OLIVEIRA, João Batista Araújo; CASTRO, Juliana Cabral Junqueira. Usando textos na sala de aula: tipos e gêneros textuais. 3a. ed. Brasília: Instituto Alfa e Beto, 2008.
ROGERS, Carl R. Tornar-se pessoa. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
STROBEL, Karin; FERNANDES, Sueli. Aspectos linguísticos da língua brasileira de sinais. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de educação. Departamento de Educação Especial. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 1998.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE. Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia. Cajazeiras: UFCG, 2009.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Edição

Seção

Relatos