O turismo e a renda dos idosos: a experiência brasileira com o Programa “Viaja Mais Melhor Idade”

  • Fabíola Cristina Costa de Carvalho Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho - Fundação João Pinheiro
  • Cássia Carolina Borges da Silva Instituto Nacional de Seguro Social
Palavras-chave: aposentadoria, turismo, políticas públicas

Resumo

A população do Brasil está envelhecendo, assim preocupações com políticas e serviços públicos que até então não tinham terreno para se consolidar, como os serviços de lazer para a terceira idade, ganham espaço. Ressalta-se que o envelhecimento é marcado por um gradual declínio de aptidões físicas, que conduz a alterações nos hábitos de vida e na rotina pessoais, interferem no bem-estar dos idosos e pode resultar em apatia, insegurança ou isolamento social. Em contrapartida o turismo tem a capacidade de estimular a socialização e a vivencia de novas experiências inclusive no grupo que compõe essa faixa etária, contribuindo para melhor a qualidade de vida dos idosos. A partir desse cenário esse artigo propõe debater sobre os estímulos estatais para o desenvolvimento do turismo de terceira idade, associado as políticas de proteção social e de garantia de renda. Especificamente são examinadas as estratégias do Programa “Viaja Mais Melhor Idade”, o qual foi desenvolvido com o objetivo de motivar o lazer do público idoso. Como considerações se ressaltam os êxitos, assim como as falhas do primeiro ciclo do programa, executado entre os anos de 2007 e 2010, igualmente às oportunidades observadas para o segundo ciclo iniciado durante o segundo semestre de 2013.

Biografia do Autor

Fabíola Cristina Costa de Carvalho, Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho - Fundação João Pinheiro

Mestre em Administração Pública pela Escola de Governo da Fundação João Pinheiro/MG. Bacharel em Turismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora/MG (2011). É membro do Observatório Mineiro Ecoômico e Social do Turismo e dos grupos de pesquisa Conhecimento, Organização e Turismo - COGITO (CNPq/UFJF) e Modernização e Inovação na Gestão Pública (CNPq/FJP). Interessa-se e atua nas áreas de Turismo, Ciência Política e Administração Pública, com ênfase, nas seguintes linhas de pesquisa e campos temáticos: 1) Turismo: História e Modelos Explicativos do Turismo, Gestão e Planejamento do Destino Turístico, Elementos Intervenientes no Sistema Turístico; (2) Teoria Política: Formação de Agenda Pública, Articulação entre Atores e Grupos de Interesse, Institucionalismo Histórico; (3) Administração Pública: Paradigmas da Gestão Pública, Administração Pública Deliberativa, Transversalidade.

Cássia Carolina Borges da Silva, Instituto Nacional de Seguro Social
Analista do Instituto Nacional do Seguro Social. Mestre em Administração Pública – Escola de Governo da Fundação João Pinheiro. Especialista em Comunicação Interna para Relacionamentos Estratégicos – PUC Minas. Bacharel em Comunicação Social – UFJF.

Referências

AEPS. Base de dados históricos da Previdência Social. 2012. Disponível em . Acesso em 09 jul 2013.

ARRETCHE, M. O sistema de proteção social brasileiro: em direção a um modelo descentralizado. São Paulo em Perspectiva, n. 11, v.3, p. 20-31, 1997.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS OPERADORAS DE TURISMO – Braztoa. Viaja Mais Melhor Idade. 2012. Disponível em . Acesso em 01 nov. 2012.

BELTRÃO, K.; OLIVEIRA, F.; PINHEIRO, S.; PEYNEAU, F.; MENDONÇA, J. O idoso e a Previdência Social. In: CAMARANO, A. A. (org). Muito além dos 60: os novos idosos brasileiros. Rio de Janeiro, IPEA, p. 411-426, 2004. Disponível em . Acesso em 31 out. 2012.

BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 12. ed. São Paulo: Senac São Paulo., 2007.

CARVALHO e SILVA, R. F.; GADELHA, D. P. Turismo, desenvolvimento sustentável e direitos humanos: o caso do programa “Viaja Mais Melhor Idade”. VIII Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo. Anais ... Univali, SC, 2011

DI GIOVANNI, G. Sistema de proteção social: uma introdução conceitual. In: Oliveira, M. (org). Reforma do Estado e políticas de emprego no Brasil. Campinas, Unicamp, p. 9-29, 1998.

FERGUSON, C.E. Microeconomia. 16 ed. Rio de Janeiro: Editora Forense., 1992.

HINRICHS, K.; LYNCH, J. Old-age pensions. In: CASTLES, F.; LEIBFRIED, S.; LEWIS, J.; OBINGER, H.; PIERSON, C. The Oxford handbook of the welfare state. Oxford, University Press, p. 353-366, 2010.

LIMA, J. Impacto de alterações no mercado de trabalho sobre a relação entre contribuintes e beneficiários do regime geral de previdência social. 2011. Dissertação (Mestrado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 143f. Disponível em . Acesso em 02 nov 2012.

LIZ, E.; RUSCHMANN, D.; VERDINELLI M. A. Turismo e Lazer para a Terceira Idade: Perspectivas e Desafios. VIII Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo. Anais ... Univali, SC. 2011.

MARRI, I. Reforma da Previdência Social: simulações e impactos sobre os diferenciais de gênero. 2009
155f. Tese (Doutorado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em . Acesso em 02 nov. 2012.

MINISTÉRIO DO TURISMO – MTUR. [Questionário sobre o Viaja Mais Melhor Idade respondido por meio do correio eletrônico em 25 jun. 2013], 2013.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. Anuário Estatístico da Previdência Social - Suplemento Histórico (1980 a 2008). Brasília: MPS, 2008. Disponível em . Acesso em 30 out. 2012.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. (2012a) Benefícios da Previdência Social. Disponível em . Acesso em 01 nov 2012.

Ministério da Previdência Social. (2012b) Boletim Estatístico da Previdência Social, v. 17, n. 09, set 2012. Disponível em . Acesso em 01 nov. 2012.

MYRRHA, L. Estrutura etária brasileira: decomposição segundo variações na fecundidade e na mortalidade. Dissertação (Mestrado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009, 121f. Disponível em . Acesso em 02 nov. 2012.

SANDRONI, P. Novíssimo dicionário de economia. São Paulo, Best Seller, 2001.

SANTOS, R. A.; BERTOLDI, J. Os Benefícios da Atividade Turística para a Melhor Idade. Revista Científica Eletônica de Turismo. v. 9, n. 16., jan. 2012.

SCHEIN, M.; PERIN M. G.; SAMPAIO, C. H.; UGALDE, M. M. O Comportamento da Compra de Serviços de Turismo na Terceira Idade. Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, n. 11, v.3, p. 341-357, set./dez. 2009.

SIQUEIRA, A. Programa Bolsa Família: autonomia ou legitimação da pobreza? 2008, 107f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Programa de Pós-graduação Departamento de Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro. Disponível em . Acesso em 21 set. 2012.

TAFNER, P.; GIAMBIAGI, F. Previdência Social: uma nova agenda de reformas. In: SCHWARTZMAN, S. (org). Brasil: a nova agenda social. Rio de Janeiro: LTC, p. 10-9165. 2011. Disponível em . Acesso em 21 set. 2012.
Publicado
2014-05-15
Seção
RESULTADOS DE PESQUISA EMPÍRICA / EMPIRICAL RESEARCH RESULTS / RESULTADOS DE INVESTIGACIÓN EMPÍRICA