Prevenção da sífilis congênita na atenção primária à saúde: contribuições do estudo de avaliabilidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.37056

Palavras-chave:

Sífilis Congênita, Assistência Pré-natal, Avaliação em Saúde, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Introdução: A ocorrência continuada de sífilis congênita é um indicativo de inadequação do pré-natal, de contextos de vulnerabilidade e/ou de baixa qualidade de programas de controle. Em 1993, o Ministério da Saúde propôs um Projeto de Eliminação da Sífilis Congênita enquanto problema de saúde pública, em consonância com a proposta de controle do agravo nas Américas, formulado pela Organização Pan-americana de Saúde. Durante esses anos, os compromissos foram renovados e a meta de eliminação não foi atingida. Objetivo: Ampliar a compreensão do Programa de Controle de Sífilis Congênita no Brasil, no contexto local da APS e promover condições para a avaliação propriamente dita. Métodos: Foi realizado um estudo qualitativo, com abordagem colaborativa, empregando as etapas propostas por Thurston e Ramaliu. Realizaram-se análises de documentos e reuniões com profissionais interessados. As reuniões foram registradas em diário de campo, seguindo um roteiro estruturado. A amostra dos profissionais foi intencional, não probabilística e a escolha ocorreu pelo tipo de envolvimento no controle da sífilis congênita. Resultados: O estudo permitiu entender as bases conceituais e operacionais do Programa de Controle da Sífilis Congênita com ajustes no modelo lógico do Programa e construção do modelo teórico da posterior Avaliação de Implementação. Observaram-se empecilhos para o controle da sífilis congênita a serem problematizados na avaliação propriamente dita, a saber: falhas das atividades de educação em saúde e de referência e contrarreferência, da disponibilização e da aplicação da penicilina na Atenção Primária à Saúde, das notificações de casos, da integração entre a Vigilância Epidemiológica e a Atenção Primária à Saúde; e a falta de um programa de educação permanente. Conclusões: Identificou-se a viabilidade metodológica e operacional para desenvolver a pesquisa avaliativa posterior e a possibilidade de maior utilidade dos seus resultados, devido ao envolvimento dos profissionais desde o início do estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lúcia de Lima Guedes, UFJF

Daniela Cristina Guimarães, Universidade Federal de Juiz de Fora

Especialista em Pediatria (UFJF, 2014), professora auxiliar do Departamento Materno-infantil, UFJF, Brasil

Sabrina Pereira Paiva, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Saúde Coletiva (IESC/UFRJ), professora adjunta da Faculdade de Serviço Social, UFJF

Sandra Helena Cerrato Tibiriça, Universidade Federal de Juiz de Fora

Especialista em Pediatria,Terapia Intensiva Pediátrica e Educação Médica, doutora em Saúde Brasileira (UFJF,2008) professora adjunta do Departamento de Clínica Médica, UFJF, Brasil

Gisela Cordeiro Pereira Cardoso, Fundação Oswaldo Cruz

Psicóloga, doutora em Saúde Coletiva (Instituto de Medicina Social/ UERJ, 2008), pesquisadora do Departamento de Endemias Samuel Pessoa, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz.

Luiz Cláudio Ribeiro, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutor em Demografia, professor associado IV do Departamento de Estatística da UFJF, professor do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UFJF.

Referências

Pan American Health Organization. Eliminación de la sífilis congénita em América Latina y el Caribe: marco de referencia para sua implementación [Internet]. [citado em 2021 ago]. Washington: PAHO; 2005. Acesso em: https://www.paho.org/clap/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=documentos-estrategicosc-vih-sida&alias=120-eliminacion-de-sifilis-congenita-en-america-latina-y-el-caribe&Itemid=219&lang=es.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST/AIDS. Protocolo para a prevenção da transmissão vertical do HIV e sífilis: manual de bolso [Internet]. [citado em 2021 dez]. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. Acesso em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_prevencao_transmissao_verticalhivsifilis_manualbolso.pdf

Leite ICG, Guedes ALL, Nogueira MC, Neves LV, Rodrigues TD. Associação entre consolidação da Saúde da Família e menor incidência de sífilis congênita: estudo ecológico. Revista de APS. 2022.

DiOrio D, Kroeger K, Ross K. Social vulnerability in congenital syphilis case mother: qualitative assessment of cases in Indiana: 2014 to 2016. Sex Transm Dis. 2018; 45(7):447-51.

World Health Organization. Sexual and reproductive health: WHO validation for the elimination of mother-to-child transmission of HIV and/or syphilis [Internet]. [citado em 2021 dez]. Geneva: 2020. Acesso em: http://www.who.int/reproductivehealth/congenital-syphilis/WHO-validation-EMTCT/en/.

Pan American Health Organization. Elimination of mother-to-child transmission of HIV and syphilis in the Americas [Internet]. [citado em 2021 dez]. 2017. Acesso em: https://www.paho.org/en/topics/hivaids/elimination-mother-child-transmission-hiv-and-syphilis-americas

Centers for Desease Control and Prevention. Sexually transmitted diseases treatment guidelines: Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR) [Internet]. [citado em 2021 jan]. Atlanta: 2021. Acesso em: https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/70/rr/rr7004a1.htm

European Centre for Disease Prevention and Control. Syphilis and congenital syphilis in Europe: a review of epidemiological trends (2007–2018) and options for response [Internet]. [citado em 2021 jan]. Stockholm: ECDC; 2019. Acesso em: https://www.ecdc.europa.eu/en/publications-data/syphilis-and-congenital-syphilis-europe-review-epidemiological-trends-2007-2018

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica [Internet]. [citado em 2021 jan]. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. Acesso em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_basica_2006.pdf

Araújo CL, Shimizu HE, Sousa AIA, Hamann EM. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2012; 46(3):479-86.

Saraceni V, Miranda AE. Relação entre a cobertura da Estratégia Saúde da Família e o diagnóstico de sífilis na gestação e sífilis congênita. Cad Saúde Pública. 2012; 28(3):490-6.

Silva LV. Avaliação de políticas e programas de saúde. Brasília: Editora FioCruz; 2014.

Thurston WE, Ramaliu A. Evaluability assessment of a survivors of torture program: lessons learned. The Canadian Journal of Program Evaluations. 2005; 20(2):1-25.

Baratieri T, Nicolotti CA, Natal S, Lacerda JT. Aplicação do estudo de avaliabilidade na área da saúde: uma revisão integrativa. Saúde e Debate. 2019; 43(120):240-55.

Macedo TR, Possili L, Natal S, Calvo MCM. Revisão integrativa sobre estudos de avaliabilidade na área da saúde no Brasil. Braz J Rev. 2020; 3(5):13620-37.

Rodriguez-Campos L, Rincones-Gomez R. Collaborative evaluations step-by-step. Stanford: Stanford University Press; 2013.

Bardin, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletins epidemiológicos [Internet]. [citado em 2021 maio 15]. 2019. Acesso em: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/boletins-epidemiologicos

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 569, de 1° de junho de 2000. Institui o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento, no âmbito do Sistema Único de Saúde [Internet]. [citado em maio 2020]. 2000. Acesso em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0569_01_06_2000_rep.html

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 1459, de 24 de julho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) a Rede Cegonha [Internet]. [citado em 2020 maio 20]. Acesso em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: manual instrutivo 3º ciclo (2015-2016) [Internet]. Brasília: Ministério de Saúde; 2015. [citado em 2020 maio 20]. Acesso em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/6536378/4175279/01Manual_Instrutivo_3_Ciclo_PMAQ.pdf

Secretaria de Saúde de Juiz de Fora (BR). Subsecretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Desenvolvimento da APS. A Estratégia de Implantação do Plano Diretor da Atenção Primária em Saúde-PDAPS [Internet]. Juiz de Fora: Secretaria de Saúde; 2014. [Citado em 2020 maio]. Disponível em: https://www.pjf.mg.gov.br/secretarias/ss/plano_diretor/docs/implantacao.pdf

Ministério da Saúde (BR). Boletim epidemiológico-sífilis: DST/AIDS [Internet]. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde; 2016. [citado em 2020 jun]. Acesso em: <http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2016/59209/2016_030_sifilis_publicao2_pdf_51905.pdf>

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco: cadernos de atenção básica: n° 32 [Internet]. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. [citado em 2020 maio 20]. Acesso em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_32.pdf

Center for Disease and Control (EUA). Framework for program evaluation in public health: morbidity and mortality weekly report (MMWR). 1999; 48(11):1-40.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais. Indicadores e dados básicos da sífilis nos municípios brasileiros [Internet]. 2019. [citado em 2020 maio 22]. Acesso em: http://indicadoressifilis.aids.gov.br/.

Saldanha CRM. Avaliação do PSF em Juiz de Fora: 2003 [Internet]. [citado em 2021 maio 2]. Acesso em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=atencao-primaria-em-saude-944&alias=551-avaliacao-do-psf-em-juiz-fora-1&Itemid=965>. Acesso em 15 de junho de 2020.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica-DAB. Nota técnica: informações sobre as ações e programas do Departamento de Atenção Básica [Internet]. [citado em 20 maio 2020]. Acesso em: http://dab2.saude.gov.br/sistemas/notatecnica/frmListaMunic.php>

Souza, MGG. Avaliação da implementação do Projeto Nascer: maternidades em Pernambuco [Dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz; 2006.

Hartz ZMA, Champagne F, Contandriopoulos AP, Leal MC. Avaliação do programa materno-infantil: análise de implantação em sistemas locais de saúde no nordeste do Brasil. In: Hartz ZMA, org. Avaliação em saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 1997, p.29-47.

Morais MFAB. Avaliação da atenção à saúde da mulher no ciclo gravídico puerperal no nordeste do Brasil [Dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2016.

Sodré RLR. Atenção básica ao pré-natal e puerpério no estado de Goiás [Dissertação]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 2015.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: manual instrutivo 3º ciclo (2015-2016) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. [citado em 2020 maio] Acesso em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/6536378/4175279/01Manual_Instrutivo_3_Ciclo_PMAQ.pdf

Aquino R, Oliveira NF, Barreto ML. Impact of the family health program on infant mortality in Brazilian municipalities. Am J Public Health. 2009; 99(1):87-93.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Financiamento da Atenção Primária à Saúde: Previne Brasil: novo modelo de financiamento para a APS [Internet]. [citado em 2020 set]. Acesso em: http://aps.saude.gov.br/gestor/financiamento

Coutinho T, Monteiro MFG, Sayd JD, Teixeira MTB, Coutinho CM et al. Monitoramento do processo de assistência pré-natal entre as usuárias do Sistema Único de Saúde em município do Sudeste brasileiro. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010; 32(11):563-69.

Bonawwitz RE, Duncan J, Hammond E, Hamonda L, Nambule J et al. Assessment of the impact of rapid syphilis tests on syphilis screening and treatment of pregnant women in Zambia. International Journal of Gynecology and Obstetrics. 2015; 130:58-62.

Fausto MCR, Giovanella L, Mendonça, MHM, Seidl H, Gagno J. A posição da Estratégia de Saúde da Família na rede de atenção à saúde na perspectiva das equipes e usuários participantes do PMAQ-AB. Saúde e Debate. 2014; 38:13-33.

Leandro BBS, Silva DF, Santos IDM. Curso de vigilância em saúde na atenção básica: guia de aprendizagem para formação de mobilizadores. Rio de Janeiro: FioCruz/ENSP; 2016.

Dolny LL, Lacerda JT, Natal S, Calvo MCM. Serviços de telessaúde como apoio à educação permanente na atenção básica à saúde: uma proposta de modelo avaliativo. Interface. 2019; 23:e180184. doi.org/10.1590/Interface.180184

Downloads

Publicado

2022-08-11

Como Citar

1.
Guedes AL de L, Guimarães DC, Pereira Paiva S, Cerrato Tibiriça SH, Cordeiro Pereira Cardoso G, Ribeiro LC. Prevenção da sífilis congênita na atenção primária à saúde: contribuições do estudo de avaliabilidade. hu rev [Internet]. 11º de agosto de 2022 [citado 8º de dezembro de 2022];48:1-11. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/37056

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)