DICÇÕES FEMININAS NA LITERATURA

CONVERGÊNCIAS NOS ESCRITOS DE CHRISTINE DE PIZAN E MADELINE MILLER

Autores

  • Gabriela Souza Farias de Azevedo UERJ

DOI:

https://doi.org/10.34019/1983-8379.2023.v16.40855

Palavras-chave:

Christine de Pizan, Madeline Miller, Circe, condição feminina

Resumo

Este artigo estabelece uma leitura comparativa entre os escritos da autora italiana medieval Christine de Pizan (1364-1430), n’A Cidade das Damas (1405), e a autora estadunidense contemporânea Madeline Miller (1978-atual), em Circe (2018). Pizan e Miller, embora estejam situadas em épocas e ambientes tão distintos, convergem ao questionar a realidade a que pertencem e propõem, em seus escritos, uma mudança nesse paradigma. Nesse sentido, este estudo objetiva analisar a convergência das escritoras medieval e contemporânea na composição da feiticeira homérica Circe, em suas obras, como uma mulher independente da figura masculina e desatrelada da perversão a qual foi submetida após o seu primeiro registro na Odisseia, de Homero. Também é estudada a forma como as ideias e as demandas dessas escritoras apresentam coerência com o contexto em que se encontram: Idade Média e contemporaneidade. Como fundamentação teórica deste artigo, utilizar-se-ão os postulados da escritora feminista Virginia Woolf (1882-1941), a fim de entender a necessidade de uma autoria feminina para propor novas representações de mulheres na literatura; e as ideias das tradutoras e pesquisadoras de Christine de Pizan: Luciana Calado Deplagne e Rosalind Brown-Grant – responsáveis, respectivamente, pelas versões em português e em inglês d’A Cidade das Damas – para compreender o contexto no qual Pizan se inseria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Souza Farias de Azevedo, UERJ

Mestranda em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Graduada em Letras - Português/Literaturas pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9596-4467

Referências

BRACKE, Evelien. Of Métis and Magic: The Conceptual Transformations of Circe and Medea in Ancient Greek Poetry. 2009. Tese (PhD. em Ancient Classics), National University of Ireland, Maynooth, 2009.

BROWN-GRANT, Rosalind. Introduction. In: PIZAN, Christine. The Book of the City of Ladies. Tradução de Rosalind Brown-Grant. Londres: Penguin, 1999. p. 23-52.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os Clássicos. Tradução de Nilson Moulin. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CANDIDO, Maria Regina. Medeia, Mito e Magia: a imagem através do tempo. Rio de Janeiro: UERJ/NEA, 2010.

CAVALCANTI, Ildney. Prefácio. In: PIZAN, Christine. A Cidade das Damas. Tradução de Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne. Florianópolis: Mulheres, 2012. p. 11-16.

DEPLAGNE, Luciana. Apresentação. In: PIZAN, Christine. A Cidade das Damas. Tradução de Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne. Florianópolis: Mulheres, 2012. p. 17-45.

FEDERICI, Silvia. Mulheres e caça às bruxas: da Idade Média aos dias atuais. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2019.

HOMERO. Odisseia. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin Companhia, 2011.

LEITE, Lucimara. Christine de Pizan e o seu projeto utópico. Morus – Utopia e Renascimento, São Paulo, v.13, p. 115-120, 2018. Disponível em: http://www.revistamorus.com.br/index.php/morus/article/view/340. Acesso em: 28 set. 2022.

MADUREIRA, Stéphanie. Relacionando Magia e Gênero na Grécia Antiga: Circe e Medeia como representações sociais de feiticeiras na Atenas Clássica (século V a.C). Hélade, Universidade Federal Fluminense, v.5, n.2, p. 281-300, maio 2020. Disponível em: https://periodicos.uff.br/helade/article/view/38278/24018. Acesso em: 17 set. 2022.

MILLER, Madeline. Circe. Tradução de Isadora Prospero. São Paulo: Planeta, 2019.

MILLER, Madeline. Circe, a Vilified Witch From Classical Mythology, Gets Her Own Epic. The New York Times: Nova York, 6 abril 2018. Jornal on-line. Disponível em: https://www.nytimes.com/2018/04/06/books/madeline-miller-circe-novel.html?smid=url-share. Acesso em: 17 set. 2022.

MORALES, Helen. Presença de Antígona: o poder subversivo dos mitos antigos. Tradução de Angela Lobo de Andrade. Rio de Janeiro: Rocco, 2021.

NEVES, Caroline; NOGUEIRA, Nícea. Virginia Woolf e seu papel como crítica literária. IPOTESI. Juiz de Fora, v.23, n.2, p. 28-38, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ipotesi/article/view/29178. Acesso em: 15 fev. 2023.

PIZAN, Christine. A cidade das Damas. Tradução de Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne. Florianópolis: Mulheres, 2012.

WOOLF, Virginia. Mulheres e ficção. Tradução de Leonardo Fróes. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2019.

WOOLF, Virginia. Profissões para mulheres e outros artigos feministas. Tradução de Denise Bottmann. Porto Alegre: L&PM, 2018.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Tradução de Bia Nunes de Sousa, Glauco Mattoso. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

VERNANT, Jean-Pierre. O universo, os deuses, os homens. Tradução de Rosa Freire d’Aguiar. 13. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Downloads

Publicado

2023-09-14

Como Citar

SOUZA FARIAS DE AZEVEDO, G. DICÇÕES FEMININAS NA LITERATURA: CONVERGÊNCIAS NOS ESCRITOS DE CHRISTINE DE PIZAN E MADELINE MILLER. DARANDINA REVISTELETRÔNICA, Juiz de Fora, v. 16, n. 1, p. 41–56, 2023. DOI: 10.34019/1983-8379.2023.v16.40855. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/darandina/article/view/40855. Acesso em: 22 jun. 2024.