AS DUAS IRMÃS DE PÉRSEFONE

A RECEPÇÃO DE SYLVIA PLATH

Autores

  • Sarah Tolfo UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.34019/1983-8379.2023.v16.40827

Palavras-chave:

Sylvia Plath, recepção, Perséfone, poesia

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir o poema “As Duas Irmãs de Perséfone”, da autora estadunidense Sylvia Plath. Buscarei identificar qual sua recepção do mito de Perséfone e as possíveis referências utilizadas pela poeta, bem como os aspectos que enquadram o poema no conceito de “Abjeção”, da filósofa francesa Julia Kristeva. O uso de temas e elementos clássicos foi recorrente na obra de Plath, embora essa faceta de seu trabalho tenha sido ofuscada por análises que favorecem os aspectos autobiográficos de sua escrita. Leituras atuais, como a de Holly Ranger, privilegiam a associação de Plath aos movimentos literários da poesia Confessional e do Revisionismo Mítico, iniciados na década de 1960. No Revisionismo Mítico diversas autoras, como Anne Sexton e Margareth Atwood, reivindicavam o uso dos clássicos, um terreno intelectual até então predominantemente masculino. No poema “As Duas Irmãs de Perséfone” (1956), Plath demonstra grande conhecimento das fontes primárias clássicas, como Virgílio e Ovídio. Ainda assim, explorando a dualidade da deusa, a autora ativamente busca modificar a personagem de Perséfone de modo a ilustrar um anseio de seu e contexto cultural da segunda onda do feminismo: a aparente incompatibilidade entre os papéis de mãe/esposa e o de profissional e intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sarah Tolfo, UFRGS

Mestra e doutoranda em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na linha de Cultura e Representações. Pesquisa Estética da Recepção.
ORCID: http://orcid.org/0000-0003-4436-7608.

Referências

ANNAS, Pamela J. The self in the world: The social context of Sylvia Plath's late poems. Women's Studies: An Interdisciplinary Journal, v. 7, n. 1-2, p. 171-183, 1980.

FOLEY, Helene P. et al. (Ed.). The Homeric Hymn to Demeter: Translation, commentary, and interpretive essays. Princeton: Princeton University, 1994.

GILL, Jo. The Cambridge Introduction to Sylvia Plath. Cambridge: Cambridge University, 2008.

HOMERO. Ilíada. Traducción, prólogo y notas de Emilio Crespo Güemes. Madrid: Gredos, 1996.

HOMERO. Odisea. Edicion y traducción de José Luis Calvo. Madrid: Cátedra, 2000.

HOUSE, Veronica. Medea's Chorus: Myth and Women's Poetry Since 1950. Bristol: Peter Lang, 2014.

KRISTEVA, Julia. Powers of horror. California, Columbia and Princeton: California, Columbia and Princeton University, 1982.

KUKIL, Karen. The unabridged journals of Sylvia Plath. New York: Anchor, 2000.

MALCOLM, Janet. A mulher calada: Sylvia Plath, Ted Hugues e os limites da biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

OSTRIKER, Alicia. Stealing the Language the Emergence of Women's Poetry in America. 1986.

OVIDIO. Fastos. Edición y traducción de Manuel Antonio Marcos Casquero. León: Universidad de León, 1990.

OVIDIO. Metamorfosis. Edición y traducción de Consuelo Álvarez & Rosa María Iglesias. Madrid: Cátedra, 2003.

RANGER, Holly. Sylvia Plath and the classics in HELLE, Anita; GOLDEN, Amanda; O'BRIEN, Maeve (Ed.). The Bloomsbury Handbook to Sylvia Plath. London: Bloomsbury, 2022.

SALCEDO GONZÁLEZ, Cristina et al. Perséfone renacida. El mito de Perséfone en la literatura juvenil anglosajona del siglo XXI. Un estudio desde la Mitocrítica y la Recepción Clásica. 2022.

PLATH, Sylvia. Collected poems. London: Faber & Faber, 1981.

PLATH, Sylvia; KUKIL, Karen V.; NOGUEIRA, Celso. Os diários de Sylvia Plath, 1950-1962. Porto Alegre: Globo, 2003.

PLATH, Sylvia; Ariel. Tradução de Maria Fernanda Borges. Lisboa: Relógio D'Água, 1996.

VIRGILIO. Geórgicas. Introducción general de José Luis Vidal, traducción, introducción y notas de Tomás de la Ascensión Recio García & Arturo Soler Ruiz. Madrid: Gredos, 1990.

VIRGILIO. Eneida. Introducción de Vicente Cristóbal, traducción y notas de Javier de Echave-Sustaeta. Madrid: Gredos, 1992.

Downloads

Publicado

2023-09-14

Como Citar

TOLFO, S. AS DUAS IRMÃS DE PÉRSEFONE: A RECEPÇÃO DE SYLVIA PLATH . DARANDINA REVISTELETRÔNICA, Juiz de Fora, v. 16, n. 1, p. 175–187, 2023. DOI: 10.34019/1983-8379.2023.v16.40827. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/darandina/article/view/40827. Acesso em: 4 dez. 2023.