FRANKENSTEIN

A CRIADORA E A CRIATURA

Autores

  • Marcella Faria UnB

DOI:

https://doi.org/10.34019/1983-8379.2023.v16.40430

Palavras-chave:

Frankenstein, Mary Shelley, sonhos, trauma, Freud

Resumo

O presente artigo tem como finalidade analisar Frankenstein de Mary Shelley e seu processo de criação à luz dos estudos de Sigmund Freud sobre os sonhos, uma vez que a inspiração para o livro surgiu de um pesadelo e a autora parece ter ressuscitado suas perdas e seus traumas por meio de sua escrita. Para tanto, descreveram-se experiências da vida de Shelley refletidas nessa obra, bem como os sonhos presentes no romance. A análise dos elementos freudianos, assim como os estudos sobre os sonhos, revela que o monstro de Frankenstein pode representar os impulsos sombrios reprimidos por seu criador, o cientista Victor Frankenstein. O estudo também enfoca os papéis maternos e paternos na criação do monstro e destaca a relevância da obra nos tempos atuais, alertando sobre os perigos da ambição humana desmedida. O resultado permitiu concluir que a criação de Shelley poderia ser uma manifestação do seu próprio subconsciente. Logo, o romance não é apenas uma advertência sobre os perigos da ciência, mas também uma exploração psicológica da psique humana e das consequências de reprimir desejos profundos. Por fim, verificou-se que a ação criativa de Shelley levou à internalização de um trauma e à repetição dele em uma forma artística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcella Faria, UnB

Doutoranda em Literatura e Práticas Sociais pela Universidade de Brasília (UnB), Brasil. Graduada em Letras Inglês e Mestre em Literatura e Práticas Sociais pela mesma instituição. Bolsista CAPES.
ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3744-9632

Referências

BLOOM, Harold. Mary Shelley: modern critical views. New York: Chelsea House, 1985.

BROCKMAN, Richard. Freud, Frankenstein, and the art of loss. Psychoanalytic Review, 2010.

FELDMAN, P. R.; KILVERT, D. Scott. The journals of Mary Shelley. Oxford: Oxford Clarendon, 1987.

FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v. IV. (Edição Standard Brasileira das Obras Completas).

FREUD, Sigmund. Beyond the pleasure principle. London: The Hogarth, 1920.

GLANCE, Jonathan. “Beyond the usual bounds of reverie”? Another look at the dreams in Frankenstein. The Journal of the Fantastic in the Arts. v.7, n.4, 1996. p. 30-47.

GODWIN, William. Memoirs of the author of a vindication of the rights of women. London: J. Johnson, 1798.

GORDON, Charlotte. Mulheres extraordinárias: As Criadoras & A Criatura. Rio de Janeiro: Darkside, 2020.

PATITUCCI, Ana Claudia Ayres. O homem trágico de Freud. 2008. Dissertação (Doutorado em Ciências da Religião) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2008.

SHELLEY, Mary. Frankenstein: O Prometeu moderno. São Paulo: Landmark, 2016.

SIMS, Michael. Frankenstein dreams: a connoisseur's collection of Victorian science fiction. London: Bloomsbury, 2017.

STEPHEN King apresenta clássicos do terror. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 10 de fev. de 2002. Disponível em: https://www.estadao.com.br/cultura/stephen-king-apresenta-classicos-do-terror/. Acesso em: 03 de ago. de 2023.

THE many editions of Frankenstein. University of North Georgia, 2018. Disponível em: https://blog.ung.edu/press/editions-of-frankenstein/#:~:text=The%20Quarterly%20Review%2C%20a%20literary,most%20deserving%20of%20the%20spotlight. Acesso em: 03 de ago. de 2023.

Downloads

Publicado

2023-09-14

Como Citar

FARIA, M. FRANKENSTEIN: A CRIADORA E A CRIATURA. DARANDINA REVISTELETRÔNICA, Juiz de Fora, v. 16, n. 1, p. 204–220, 2023. DOI: 10.34019/1983-8379.2023.v16.40430. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/darandina/article/view/40430. Acesso em: 18 maio. 2024.