Entre a Fome de Distinção Social e os Prazeres da Gula: uma discussão sobre os significados culturais associados ao consumo no turismo gastronômico

  • Mariana Pereira Chaves Pimentel Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - IFMG
  • Danielle Fernandes Costa Machado UFMG
Palavras-chave: Consumo, Turismo, Gastronomia

Resumo

O objetivo aqui é discutir os significados culturais associados ao consumo de turismo gastronômico a partir de três abordagens teóricas: 1) materialista; 2) simbólica; e 3) hedonista. Quanto a primeira abordagem, materialista, se reconhece que a culinária típica vem sofrendo de “criolização” a partir da fusão de cozinhas. Para a segunda, simbólica, os viajantes também se orientam pelo grupo de referência, atrelando-se a complexa rede de tipos de fome, como a “fome de distinção”. A terceira, hedonista, argumenta que o turismo e a gastronomia devem satisfazer prazeres pessoais pela geração de emoções. Concluímos que tais abordagens são tomadas em diferentes níveis de análise e não se invalidam, mas se completam, o que estimula estudos sobre seus significados e influências.

Biografia do Autor

Mariana Pereira Chaves Pimentel, Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - IFMG
Professora do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais. Doutoranda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestre em Administração pela Universidade Federal de Lavras (2011). Bacharel em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006). Participa do Núcleo de Pesquisas e Estudos Avançados em Turismo (NUPETUR - UFOP). Já foi bolsista da Fapemig e CNPq. Tem interesse e atua nas áreas de Turismo e Gestão Pública, com ênfase nos seguintes campos temáticos: (1) Gestão Pública do Turismo; (2) Gestão Pública e Gestão Social; e (3) Planejamento e Gestão do Espaço Turístico. 

Referências

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Elfos, 1995.

BEER, S. (2008). Authenticity and food experience e commercial and academic perspectives. Journal of Food Service, 19(3), 153e163.

BIRCH, L.L., MCPHEE, L., SHOBA, B.C., PIROK, E., STEINBERG, L., 1987. What kind of exposure reduces children‘s food neophobia. Appetite 9, 171–178.

BOURDIEU, P. A distinção: critica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 1984[1979].

CAMPBELL, C. A ética romântica e o espírito do consumismo moderno. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

BON, M., HUSSAIN, M., 2010. Halah food and tourism: prospects and challenges. In: SCOTT, N., JAFARI, J. (Eds.), Tourism in the Muslim World: Bridging Tourism Theory and Practice, vol. 2. Emerald Group Publishing, Bingley, pp. 47–59.

BRASIL, MINISTÉRIO DO TURISMO. Diretrizes para o desenvolvimento do turismo cultural. Brasília: MTur, 2008.

CANCLINI, N. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

CARROLL, B.A., AHUVIA, A.C., 2006. Some antecedents and outcomes of brand love. Marketing Letter 17, 79–89.

COUNIHAN, C., & VAN ESTERIK, P. (Eds.), (2008). Food and culture: A reader (2nd ed.). London; New York: Routledge. CASCUDO, L. C. História da alimentação no Brasil. São Paulo: Global editora, 2004.

CHANG, R.C.Y., Kivela, J., Mak, A.H.N., 2010. Food preferences of Chinese tourists. Annals of Tourism Research 37 (4), 989–1011.

COHEN, E., AVIELI, N., 2004. Food in tourism: attraction and impediment. Annals of Tourism Research 31 (4), 755–778.

DOUGLAS, M. & ISHERWOOD, B. O mundo dos bens – para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2006.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

GÂNDARA, J. M. G.; GIMENES, M. H. S. G.; MASCARENHAS, R. G. Reflexões sobre o Turismo Gastronômico na perspectiva da sociedade dos sonhos. In: POSSAMAI, A. M. P; PECCINI, R. (Org.). Turismo, história e gastronomia: uma viagem pelos sabores. Caxias do Sul: Educs, 2011.

GIARD, L. P. Cozinhar. In: CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano - morar, cozinhar. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996, p. 211-332.

GIMENES, M. H. S. G. Viagens, sabores e cultura: reflexões sobre os pratos típicos no contexto do turismo gastronômico. In: POSSAMAI, A. M. P; PECCINI, R. (Org.). Turismo, história e gastronomia: uma viagem pelos sabores. Caxias do Sul: Educs, 2011.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HILLEL, D.; BELHASEN, Y.; SHANI, A. What makes a gastronomic destination attractive? Evidence from the Israeli Negev. Tourism Management. Vol. 36, p. 200 – 209, 2013.

HOFSTEDE, G., 2001. Cultures Consequences: Comparing Values, Behaviors, Institutions and Organizations Across Nations, 2nd ed. Sage, Thousand Oaks.
INMAN, J.J., 2001. The role of sensory-specific satiety in attribute-level variety seeking. Journal of Consumer Research 28 (1), 105–120.

KIM, Y.G., EVES, A., SCARLES, C., 2009. Building a model of local food consumption on trips and holidays: a grounded theory approach. International Journal of Hospitality Management 28, 423–431.

KITTLER, P.G., SUCHER, K.P., 2004. Accent on taste: an applied approach to multicultural competency. Diabetes Spectrum 17 (4), 200–204.

KIVELA, J., CROTTS, J.C., 2006. Tourism and gastronomy: gastronomy’s influence on how tourists experience a destination. Journal of Hospitality and Tourism Research 30 (3), 354–377.

LAVANDOSKI, J. A paisagem na rota enoturística Vale dos Vinhedos (RS), na perspectiva do visitante. Dissertação (Mestrado em Turismo). Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul, 2008.

LONG, L. M. (1998). Culinary tourism: a folkloristic perspective on eating and otherness. Southern Folklore, 55(3), 181e204.

MAK, A.H.N., LUMBERS, M., EVES, A., 2012. Globalization and food consumption in tourism. Annals of Tourism Research. Vol. 39. N. 1, p. 171-196, 2012.

MATTA, R. Sobre o simbolismo da comida no Brasil. O correio da UNESCO, Rio de Janeiro, V. 15, N. 17, 1987.

NETTO, A.; ANSARAH, M. G. (Org.). Segmentação do mercado turístico – estudos, produtos e perspectivas. Barueri: Manole, 2009.

PEREIRO, X. CONDE, S. P. Turismo e oferta gastronômica na comarca de Ulloa (Galiza): análise de uma experiência de desenvolvimento local. Pasos revista de turismo y patrimônio cultural. V. 3, N. 1, 2005.

PIZAM, A., SUSSMANN, S., 1995. Does nationality affect tourist behavior? Annals of Tourism Research 22 (4), 901–917.

RAYMOND, C. tive Tourism, [on-line] Disponivel em: http://www.creativetourism.co.nz/aboutus_ourstory.html, 20/12/06, 2006

RISSO, C. “Gosto” é discutível: uma reflexão sobre o acúmulo de bens simbólicos. Matrizes, Ano 2, N. 1, 2008.

RYU, K., JANG, S., 2006. Intention to experience local cuisine in a travel destination: the modified theory of reasoned action. Journal of Hospitality and Tourism Research 30 (4), 507–516.

SCARPATO, R. (2002). Gastronomy as a tourist product: The perspective of gastronomy studies. In. HJALAGER, A. M. & RICHARDS, G. (Eds.), Tourism and gastronomy (pp. 51–70). London: Routledge.
SOBAL, J., BISOGNI, C.A., DEVINE, C.M., JASTRAN, M., 2006. A conceptual model of the food choice process over the life course. In: SHEPHERD, R., RAATS, M. (Eds.), The Psychology of Food Choice. CAB International, Oxfordshire, pp. 1–18.

TONINI, H. Enoturismo: contemplando vinhos, degustando paisagens. In: POSSAMAI, A. M. P; PECCINI, R. (Org.). Turismo, história e gastronomia: uma viagem pelos sabores. Caxias do Sul: Educs, 2011.

TSE, P., CROTTS, J.C., 2005. Antecedents of novelty seeking: international visitors’ propensity to experiment across Hong Kong‘s culinary traditions. Tourism Management 26, 965–968.
Publicado
2014-10-31
Seção
PESQUISA EMPÍRICA / EMPIRICAL RESEARCH / INVESTIGACIÓN EMPÍRICA