v. 4 n. 1 (2020): Homa Publica - Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas
Artigos

Do Sol à Amazônia: uma reflexão sobre hidrelétricas e análise das práticas de energia solar no Rio Tapajós

Lindon Johnson Pontes Portela
Universidade Federal do Oeste do Pará | Santarém, Pará - Brasil
Biografia
Joelma Viana dos Santos
Universidade Federal do Oeste do Pará | Santarém, Pará - Brasil
Biografia
Publicado January 30, 2020
Palavras-chave
  • Energia Descentralizada,
  • Sensibilização,
  • Educação Ambiental,
  • Geração de Energia Fotovoltaica
Como Citar
PORTELA, L. J. P.; SANTOS, J. V. DOS. Do Sol à Amazônia: uma reflexão sobre hidrelétricas e análise das práticas de energia solar no Rio Tapajós. Homa Publica - Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas, v. 4, n. 1, p. e:058, 30 jan. 2020.

Resumo

O artigo pretende analisar notícias sobre o uso de energia solar na bacia do rio Tapajós, mostrando ações de uma energia mais limpa, justa e descentralizada em comunidades ribeirinhas, indígenas e na periferia da cidade, bem como fazer uma reflexão teórica sobre a construção de hidrelétricas na Amazônia e contextualizar a relevância do uso de energia solar descentralizada no Brasil. O bioma amazônido sempre foi considerado como um local de gigantescas reservas de matéria-prima com potencial de geração de bens para todo o mundo, seja pelos recursos minerais, energéticos e de plantio de monoculturas. Foram selecionados 7 artigos de notícias sobre a temática de energia solar no rio Tapajós, que têm como objetivo sensibilizar pessoas para uma nova energia matriz energética por meio da educação ambiental. Nota-se a priori que as iniciativas de energia solar na bacia do Tapajós são realizadas por três organizações, duas Organizações Não Governamentais – ONGs e um Movimento Social localizado na cidade de Santarém-PA. No entanto, incentivar a energia solar é pensar em questões econômicas, especialmente nos estados do Norte que mesmo fornecendo grande energia para o Sudeste, ainda paga a energia mais cara do Brasil. Pensar no assunto de geração de energia decentralizada e mais limpa é falar de um novo modelo energético mais justo, proporcionando mais equidade social, bem como abrir espaço para inciativas de uma economia solidária em rede por organizações da sociedade civil.

Referências

ALONSO, A. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Revista Lua Nova, n. 76, p. 49-86, 2009.

ANEEL, Informações técnicas. 2015. Disponível em: http://www.aneel.gov.br/informacoestecnicas//asset_publisher/CegkWaVJWF5E/co ntent/geracaodistribuida-introduc-1/656827. Acesso em julho de 2019.

ANEEL. Relatório de Consumo e Receita de Distribuição: SAMP. Brasília - DF: ANEEL, 2017b. Disponível em: https://bit.ly/2JGjnc7. Acesso em 11 set. 2019.

BARBOSA, V. 2016. Solar e eólica vão ‘eclipsar’ hidrelétricas no Brasil. Revista Exame.com. Disponível em: http://exame.abril.com.br/economia/solar-e-eolica-vaoeclipsar-hidreletricas-nobrasil/. Acesso em:10 de julho de 2019.

BARP, C. A.; SEHNEM, S.; BENCKE, F. F. Energia fotovoltaica como matriz energética sustentável em organizações. R. gest. sust. ambient., Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 178 – 203. out.2014/mar.2015.

BECKER, B. K. Amazônia. Série Princípios. 1º ed. Editora Ática. São Paulo, 1990.

BECKER, B. K. Geopolítica da Amazônia. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 53, p. 71-86, 2005a.

BOFF, L. Ecologia social em face da pobreza e da exclusão. Letra ativa, Brasília, p. 41-72, 2000.

BRASIL. MMA. SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Plano Estratégico Nacional de Áreas.