Controle do Espaço Urbano e o Território como Produto Turístico: reflexão teórica sobre a segregação imposta da população em situação de rua no contexto de megaeventos (Rio 2016)

  • Sara Conceição De Paula Universidad Autónoma Sinaloa, México.
Palavras-chave: controle do espaço urbano, segregação, megaeventos, turismo

Resumo

O presente trabalho busca apresentar uma discussão teórica sobre a criação de territórios produtos do turismo e as dinâmicas de segregação espacial no contexto de luta pelo controle do espaço urbano. De maneira específica, nosso intento é problematizar a incidência de ações governamentais pautadas na lógica da neutralização seletiva da população em situação de rua, concebidos como grupos/figurações produtores de risco constituindo desta maneira uma segregação espacial coerente à lógica da hostilidade externa e afinidade interna. Para alcançar o objetivo proposto, centramos a teoria da economia política do encarceramento, em particular destaque à obra de Di Georgi (2006) sobre a produção de grupos artificiais produtores de riscos na sociedade posfordista. Esta discussão é articulada com as contribuições de Wacquant (2010; 2011; 2006) donde se evoca as dinâmicas que consolidam as praticas de segregações impostas a determinados grupos considerados perigosos ou contagiosos. O pano de fundo é a criação de territórios produtos destinados ao turismo donde a atividade econômica coincide ou é transpassada por conflitos em função da administração e controle do espaço.

Biografia do Autor

Sara Conceição De Paula, Universidad Autónoma Sinaloa, México.
Mestrado em Ciências Econômicas e Sociais pela Universidad Autónoma de Sinaloa/UAS, México. Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Juiz de Fora/UFJF, Brasil. Membro do grupo de pesquisa Conhecimento, Organização e Turismo/COGITO (CNPq/ UFJF) e do Observatório Econômico e Social do Turismo/OEST. Atualmente, faz parte do Conselho Latino-americano de Ciências Sociais (CLACSO) por meio da cooperação Conacyt/CLACSO que objetiva apoiar investigações sobre temas relevantes a região. Atua nas áreas de Sociologia, Ciências Econômicas e Turismo com ênfase nos seguintes campos temáticos: (1) Estado e Sociedade: controle social, trabalho, encarceramento, condicionalidade de políticas; (2) Turismo: segregação, economía e destinos turísticos, turismo e desenvolvimento; (3) Educação: teoría crítica, semiformação, formação superior em administração e turismo

Referências

Abiuso, F. L. (2015). “Comentário a Alessandro de Giorgi: Re-thinking the Political Economy of Punishment: Perspectoves on Post-Fordism and Penal Politics”, Delito y Sociedad, 40, año 24, 2º semestre.
Abramovay, P. V. y Malaguti, V. (org.) (2010). Depois do Grande Encarceramento, Revan, Rio de Janeiro.
Anitua, Gabriel Ignacio (2010) A América Latina como instituição de sequestro En: Abramovay, P. V.; Malaguti, V. (org.). Seminário Depois do Grande Encarceramento. Rio de Janeiro: Revan, p.67-83.
Argüello, K (2005). Do Estado Social ao Estado Penal: invertendo o discurso da orden. Primeiro congresso Paranaense de Criminología, nov., Londrina.
Augusto, A. (2010). Para além da prisão-prédio: as periferias como campos de concentração a céu aberto. In: Abramovay, P. V.; Malaguti, V. (org.). Seminário Depois do Grande Encarceramento. Rio de Janeiro: Revan. P. 175-181
BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2010b). Normativas para o Centro Pop. 2010b. Disponível em: . Acesso em: 27 de dez. 2013.
BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS). Tipificação Nacional de serviços socioassistenciais nº119. Brasília, DF: Diário da União 25 de nov. de 2009.
BRASIL. Ministério do desenvolvimento Social e Combate a Fome (2010c). Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. Secretaria Nacional de Assistência Social. Instrução Operacional Conjunta Senarc/SNAS/MDS nº02. de 22 de novembro de 2010. Orientações aos municípios e ao Distrito Federal para a inclusão de pessoas em situação de rua no Cadastro Único. Brasília., 2010c.
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Departamento de proteção especial. Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop) e Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua. SUAS e População em Situação de Rua. v. 3. – Brasília, DF: Secretaria Nacional de Assistência Social, 2011a. (ISBN: 978-85-60700-58-5)
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e combate à Fome (2008) Pesquisa Nacional sobre a população em situação de rua (2008). Brasília, DF: Secretaria Nacional de Assistência social. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013.
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. (2010a) Secretaria Nacional de Renda e Cidadania. Secretaria Nacional de Assistência Social. SUAS e População em situação de rua. Centro Pop Institucional. 2010a. Disponível em: Acesso em: 18 set. 2013.
BRASIL. Ministério Público de Minas Gerais. (2011b) Equipe do Centro Nacional de Direitos Humanos da Pop de Rua mostra balanço ao PGJ. 2011b. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2013.
Carvalho, F. C. C. (2014) Análise das Influências Internacionais sobre as Políticas Públicas de Turismo no Brasil. In VI Congreso Latinoamericano de Investigación Turística. Neuquén: Argentina.
CENTRO NACIONAL DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. CNDDH. (2011). Disponível em: . Acesso em: 03 de jan. 2014.
Durão, S. ; Wacquant, L (2008) O corpo, o gueto e o Estado penal: entrevista com Loïc Wacquant, Etnográfica [Online], vol. 12 (2) | 2008, Online desde 05 Julho 2012, consultado em 23 Agosto de 2016. URL : http://etnografica.revues.org/1811 ; DOI : 10.4000/etnografica.1811
Feltran, G. S. (2014) O Valor dos pobres: a aposta no dinheiro como mediação para o conflito social contemporâneo, CADERNO CRH, Salvador, v. 27, n. 72, p. 495-512, Set./Dez. 2014
International centre for Prision Studies - ICPS. (2014). Walmsley, R. World Prision Population List. Tenth Edition, University of Essex, United Kingdom.
Jacobo Waiselfisz, Julio (2015). Mapa da Violência 2015: Adolescentes de 16 e 17 anos no Brasil, Flacso, Brasil.
Jusidman, C. (2012). “Contextos urbanos, pobreza y violencia”, Ordóñez, Gerardo Barba. La pobreza Urbana en México: nuevos enfoques y retos emergentes para la acción pública, pp. 361-388, Juan Pablos Editor, México.
MORADORES de rua: mortes ideologicamente inflacionadas (2013). Jornal Opção. Ed. 1988. 11 a 17 de ago. 2013. Disponível em: . Data de Acesso: 24 dez. 2013.
Moreno, I. A. C; Villarreal, L. Z. (2016) Participación social y turismo alternativo en San Mateo Almomoloa, México, CONSEJO MEXICANO DE CIENCIAS SOCIALES, 5° Congreso Nacional de Ciencias Sociales, “La agenda emergente de las ciencias sociales: Conocimiento, crítica e intervención”, Guadalajara, México.
Paiva, L. R.; Medeiros, M. G.; Álvares, L. M. C. (2013) O Paradigma Neoliberal e os Megaeventos: como a Copa e as Olimpíadas Servem à Produção de Cidades mais Excludentes no Brasil. Anais Encontro Nacionais da Anpur Desenvolvimento, planejamento e governança - Recife ,v. 15, pp. 1-17.
Pavarini, M. (1983). Control y Dominación: teorías criminológicas burguesas y proyecto hegemónico, siglo veintiuno editores, México.
Pereira, V. S. (2009) Expressões da questão social no Brasil e população de rua: notas para uma reflexão. In:em Libertas. Faculdade de Serviço Social, Juiz de Fora, v.9, n.2, p.173-195. jul./dez. 2009.
Robaiana, I. M. M. (2011) A Invisibilidade como Estratégia Espacial das Populações de Rua na Cidade do Rio de Janeiro, Espaço Aberto, PPGG - UFRJ, V. 1, N.2, p. 167-176.
Rusche, G., Kirchheimer, Otto (2004). Punição e Estrutura Social. 2 ed, Instituto Carioca de Criminologia, Pensamento criminológico n3, Revan, Rio de Janeiro.
Teixeira, A.; Matsuda, F. (2012) Feios, sujos e malvados em . In: Jornal Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo, p.12-13, mar.2012. Disponível em: . Data de acesso: 01 de jan. de 2014.
Villarreal, L. Z.; Savatierra, N. M. (2015). la configuración capitalista de paisajes turísticos, Universidad Autónoma del Estado de México, Ediciones y Gráficos Eón, Ciudad de México.
Vital da Cunha, C. (2012). A cidade para os civilizados: significados da ordem pública em contextos de violência urbana, DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social - Vol. 5 - no 2 - ABR/MAI/JUN 2012,, - pp. 211-232
Wacquant, L. (2010). Las dos caras de un gueto. Ensayos sobre marginalización y penalización, Siglo Veintiuno, Buenos Aires.
Wacquant, L. (2011). As prisões da miséria. 2.ed, Zahar, Rio de Janeiro.
Wacquant, L.([2003]2013). Punir os pobres. A nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Coleção Pensamento Criminológico, 3, Revan Editora, Rio de Janeiro.
Publicado
2017-02-10
Seção
ENSAIO TÉORICO / THEORETICAL ESSAY / ENSAYO TEÓRICO