v. 4 n. 1 (2020): Homa Publica - Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas
Artigos

Um recorte de gênero para Empresas e Direitos Humanos: ‘empoderamento’ das mulheres

Marianna Vargas de Freitas Cruz Leite
Universidade de Coimbra | Coimbra, Portugal.
Biografia
Publicado May 8, 2020
Palavras-chave
  • Multinacionais,
  • Percepções Internas,
  • Igualdade de Gênero,
  • Banco do Brasil,
  • Braskem,
  • Eletrobrás,
  • Vale S.A.
  • ...Mais
    Menos
Como Citar
LEITE , M. V. DE F. C. Um recorte de gênero para Empresas e Direitos Humanos: ‘empoderamento’ das mulheres. Homa Publica - Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas, v. 4, n. 1, p. e:060, 8 maio 2020.

Resumo

O conceito igualdade de gênero vem sendo interpretado de maneiras diversas pelos diferentes atores sociais e, por isso, continua sendo um dos maiores desafios para a realização efetiva dos direitos humanos. De acordo com a teoria do pluralismo jurídico, co-existem, em todas as sociedades, dois ou mais sistemas jurídicos que não pertencem a um único “sistema" de valores. No entanto, até o momento não existem dados claros sobre o grau em que os atores não-estatais contribuem para a "transformação e ruptura" de regras em sistemas legais que são inerentemente pluralistas. Com o intuito de sanar esse problema epistemológico, uma pesquisa de pós-doutorado intitulada "O conceito de igualdade de gênero e as empresas multinacionais" explorou o impacto das empresas multinacionais no conceito de igualdade de gênero. O exame empírico focou em quatro multinacionais brasileiras, Banco do Brasil, Braskem, Eletrobrás e Vale S.A., durante um período de três anos, 2015, 2016 e 2017. A coleta de dados foi dividida em três partes: a análise dos principais documentos internos das empresas supra-citadas que tratam da igualdade de gênero; as decisões judiciais envolvendo essas empresas; e entrevistas com trabalhadores ligados às mesmas empresas. Este artigo se concentra apenas nos resultados oriundos das entrevistas.[1]

 

[1] Essa pesquisa não teria sido possível sem o apoio e disponibilidade de todos os entrevistados, a revisão efetuada pelos avaliadores do processo double-blind, e da assessoria do Centro de Direitos Humanos - Ius Gentium Conimbrigae da Universidade de Coimbra, em especial a Prof. Dra Paula Veiga. Fica aqui o agradecimento sincero na esperança de que juntos/as possamos atingir uma realidade em que os direitos humanos sejam respeitados por todos e a igualdade de gênero seja uma realidade e não uma aspiração.

Referências

ACKER, Joan. Hierarchies, Jobs, Bodies: A Theory of Gendered Organisations. In: Kimmel, M. and Aronson, A., eds., The Gendered Society Reader. New York: Oxford University Press, 2008.

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: Sovereign Power and Bare Life. Stanford: Stanford University Press, 1998.

BAKKER, Isabella. Introduction: Engendering Macro-economic Policy Reform in the Era of Global Restructuring and Adjustment. In: Bakker, I., ed., The Strategic Silence: Gender and Economic Policy: Gender and Economic Policy. London: Zed Books, 1994.

BRANCO, Manuel. Economia Política dos Direitos Humanos. Lisboa: Silabo, 2012.

COHEN, Elizabeth. Semi-Citizenship in Democratic Politics. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

CORNWALL, Andrea. Introductory overview - buzzwords and fuzzwords: deconstructing development discours. In: Cornwall, A. and D. Eade (eds.). Deconstructing Development Discourse: Buzzwords and Fuzzwords. Oxford: Practical Action Publising, 2010.

CUNHA, Teresa. Women InPower Women: Democracy, dignity and good living in non-capitalist experiences. Working Paper, ALICE - Strange Mirrors; Unsuspected Mirrors. Coimbra: CES, 2015.

CRENSHAW, Kimberlee. 1991. Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence against Women of Color. Stanford Law Review, 43 (6): 1241-1299,

DAHL, Tove. O Direito das Mulheres uma Introdução à Teoria do Direito Feminista. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

DINIZ, Simone, D’OLIVEIRA, Ana Flavia and LANSKY, Sonia, 2012. Equity and Women’s Health Services for Contraception, Abortion and Childbirth in Brazil. Reproductive Health Matters, 20 (4), pp. 94-101.

ENGLE MERRY, Sally. 1988. Legal Pluralism. Law & Society Review, 22 (5), pp. 869-896.

ENGLE MERRY, Sally. 1992. Anthropology, Law, and Transnational Processes. Annual Review of Anthropology, 21 (October), pp. 357- 79.

FOUCAULT, Michel. The Subject and Power. In: Dreyfus, H. and Rabinow, P., eds., Michel Foucault: Beyond Structuralism and Hermeneutics. Chicago: The University of Chicago Press, 1982.

GIDEON, Jasmine. 2012. Engendering the Health Agenda? Reflections on the Chilean Case, 2000-2010. Social Politics: International Studies in Gender, State and Society, 19 (3), pp. 293-298.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GREADY, P. and ENSOR, J. Introduction. In: Gready, P. and Ensor, J., eds., Reinventing Development? Translating Rights-Based Approaches from Theory into Practice. London: Zed Books, 2005.

GUY, Donna. 1990. Public Health, Gender and Private Morality: Paid Labor and the Formation of the Body Politics in Buenos Aires. Gender and History, 2 (3), pp. 297-317.

HTUN, Martha. and POWER, Timothy. 2006. Gender, Parties and Support for Equal Rights in the Brazilian Congress. Latin American Politics and Society, 48 (4), pp 83-98.

MASSEY, Doreen. 2013. Vocabularies of the economy. In: Hall, S., Massey, D. and Rustin, M., eds., After neoliberalism? The Kilburn manifesto. Soudings: A Journal of Politics and Culture, 54 (July), pp. 9-22.

MOLYNEUX, Maxine. 2007. Change and Continuity in Social Protection in Latin America: Mothers at the Service of the State? Gender and Development Programme Paper, 1, Geneva: UNRISD.

PIERSON, Paul. 1993. When Effect Becomes Cause: Policy Feedback and Political Change. World Politics, 45 (4), pp. 595-628.

PIERSON, Paul. Politics in Time: history, institutions, and social analysis. Princeton: Princeton University Press, 2004.

PRÜGL, Elisabeth. 2017. Neoliberalism with a Feminist Face: Crafting a new Hegemony at the World Bank. Feminist Economics, 23 (1), pp. 30-53.

SANTOS, Boaventura. Sociología jurídica crítica. Para un nuevo sentido común del derecho. Bogotá: ILSA, 2009.

SANTOS, Boaventura. Se Deus Fosse Um Activista dos Direitos Humanos. Coimbra: Almedina, 2013.

TORNHILL, Sofie. 2016. “A bulletin board of dreams”: corporate empowerment promotion and feminist implications. International Feminist Journal of Politics, 18 (4), pp. 528-543.

UNITED NATIONS ECONOMIC AND SOCIAL COUNCIL. (2017). Progress towards the Sustainable Development Goals: Report of the Secretary-General, E/2017/66. New York: United Nations.

UNZUETA, Maria Angeles. Igualdade y “Discriminación Positiva’: Un Esbozo de Análisis Teórico-Conceptual. In: Lombardo, E. and Inda, A., eds., Género y derechos humanos. Zaragoza: Mira, 2002.