v. 1 n. 1 (2016): Homa Publica - Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas
Artigos regulares

Impactos da mineração e direitos humanos em Carajás/Pará

Adriana de Azevedo Mathis
Universidade Federal do Pará | Belém, Pará - BR
Biografia
Publicado November 30, 2016
Palavras-chave
  • Direitos Humanos,
  • Desenvolvimento,
  • Trabalho
Como Citar
MATHIS, A. DE A. Impactos da mineração e direitos humanos em Carajás/Pará. Homa Publica - Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas, v. 1, n. 1, p. e:006, 30 nov. 2016.

Resumo

A presente intervenção apresenta três finalidades: (1) tentar expor, ainda que de forma breve, a concepção de direitos humanos que orienta esta análise; (2) sugerir que as situações de violações dos direitos econômicos, sociais e culturais são, em parte, resultado da escolha política de um modelo de desenvolvimento extrativista para América Latina e da utilização das estratégias de flexibilização, terceirização e subcontratação do trabalho inerente a este modelo; (3) apresentar um pequeno retrato sobre determinadas situações que envolvem violações de direitos humanos e sociais no sudeste do Pará[1], na região de Carajás[2], onde a transnacional Vale e outras empresas econômicas desenvolvem projetos minero-metalúrgicos.

 

[1] O Estado do Pará, localizado na Região Norte do território brasileiro, compreende 144 municípios. É o segundo maior Estado do Brasil em extensão territorial (1.247.950 km2). Conforme os dados divulgados no artigo “Mineração na Amazônia. O Desafio de ser Sustentável”, In: Revista Brasil Mineral, Ano XXXI, outubro de 2014, registram-se “152,2 milhões de hectares de área do Estado destinados à produção mineral” e identifica-se a presença de inúmeros investimentos financeiros na indústria de extração e transformação mineral.

[2] A região de Carajás, localizada no sudeste do Pará, compreende os municípios de Canaã de Carajás, Curionópolis, Eldorado dos Carajás e Parauapebas. Também conforme a Revista Brasil Mineral de 2014, “tomando-se por base a arrecadação da CFEM (Contribuição Financeira pela Exploração Mineral), a produção mineral no Pará alcançou a cifra de aproximadamente R$33,5 bilhões, quase um terço de toda a produção mineral brasileira registrada pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), possibilitando uma arrecadação de R$803,8 milhões em CFEM”. Dentre os municípios localizados na região de Carajás, no sudeste do Pará, os que mais receberam CFEM (royalties provenientes da exploração mineral) foram Parauapebas (700 milhões), Canaã dos Carajás (37milhões) e Marabá (21 milhões). Desse modo, somente a região de Carajás é responsável pela produção de aproximadamente 140 milhões de toneladas/ano de minério de ferro.

Referências

  1. ALMEIDA, Lucio Flávio. Uma ilusão de desenvolvimento. Nacionalismo e Dominação Burguesa nos anos JK. Florianopólis: Editora da UFSC, 2006
  2. ANTUNES, Ricardo, Adeus ao trabalho? Cortez: São Paulo, 1995.
  3. BIELEFELD, Heiner. Filosofia dos Direitos Humanos. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2000.
  4. BIELSCHOWISKY, Ricardo (Org.). Cinquenta anos do pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Record, 2000.
  5. BOSCHETTI, Ivanete; BERING, Elaine Rossetti; SANTOS, Silvana Mara de Morais dos; MIOTO, Regina Célia Tamasco (organizadoras). Política Social no Capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2008
  6. CARCANHOLO, Humberto. Neoconservadorismo com roupagem alternativa: a nova Cepal dentro do Consenso de Washington. In: Encruzilhadas da América Latina no séc XXI. Rio de Janeiro, Pão e Rosas, 2010.
  7. COMPARATO, Fabio Konder. A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos, São Paulo, Saraiva, 2010.
  8. COUTINHO, Carlos Nelson, Democracia como um valor Universal e outros escritos. Rio de Janeiro: Salamandra, 1984.
  9. COUTINHO, Carlos Nelson. Contracorrente. São Paulo: Cortez, 2000
  10. DRUCK, Graça; FRANCO, Tânia. Terceirização e precarização: o binômio anti-social em indústrias. In:______ (org). A perda da razão do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2007.
  11. FURTADO, C. O mito do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.
  12. GOMES, Laura Michele S. L.; MATHIS, Adriana de Azevedo, intitulado “Violência homicida e a política de Segurança Pública: um estudo em Marabá/Pará, In: Avesso dos Direitos II. Amazônia e Nordeste em Questão, Recife: Editora Universitária da UFPE,2016 (no prelo).
  13. GRAMSCI, Antônio. Caderno do cárcere. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v. 2.
  14. GRAMSCI, Antônio. Caderno do cárcere. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v.3.
  15. GUDYNAS, Eduardo. Extractivismos: Ecologia, economia y política de un modo de entender el desarrollo y la Naturaleza. Cochabamba, Centro de Documentacion e Informacion Bolivia CEDIB, Centro Latino Americano de Ecologia Social, 2015
  16. HARVEY, D. A Condição Pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1993
  17. MATHIS, Adriana de Azevedo; MATHIS, Armin. “Responsabilidade Social Corporativa e Direitos Humanos” In: Revista Katálysis, v15. n,1. 2012.
  18. MATTOSO, Jorge. A desordem do trabalho, São Paulo: Scritta,1996.
  19. MONDAINI, Marco. In: Sociedade e acesso à justiça. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2005.
  20. MONDAINI, Marco. “Direitos humanos e marxismo”, In: Avesso dos Direitos: Amazônia e Nordeste em Questão, Recife: Editora Universitária da UFPE, 2012.
  21. SALES, Carla Rafaela; MATHIS, Adriana de Azevedo. “Desemprego e Qualificação Profissional na Região de Carajás-Pará”. Vitória, Revista Argumenthum, Vol.7.N.1.2005.
  22. SALUDJIAN, Alexis. Estratégia de desenvolvimento e Inserção da América Latina na Economia Mundial. Os estruturalistas e neoestruturalistas da Cepal: uma abordagem crítica. In: Encruzilhadas da América Latina no séc. XXI. Rio de Janeiro, Pão e Rosas, 2010.
  23. TELLES, Vera Silva. “A violência de Estado em guerra contra a população civil”, no Le Monde Diplomatique Brasil, Ano 9/ Número 13, de fevereiro de 2016.