Resenha: OVÍDIO. <i>Arte de Amar</i>. Tradução livre de Foed Castro Chamma. Rio de Janeiro: Calibán, 2009.

Review: OVÍDIO. Arte de Amar. Tradução livre de Foed Castro Chamma. Rio de Janeiro: Calibán, 2009.

Palavras-chave: Ovídio, Ars Amatoria, Tradução poética, Resenha

Resumo

O presente trabalho faz breve resenha da tradução da Arte de Amar do poeta latino Ovídio pelo poeta neomodernista brasileiro Foed Castro Chamma, publicada em 2009 pela editora Calibán.

Biografia do Autor

Willamy Fernandes Gonçalves, Universidade de São Paulo
Graduado em letras pela Universidade Federal do Ceará, Desde 2016 é membro do grupo de pesquisa de tradução e recepção dos clássicos (CNPQ ), coordenado pelo prof. dr. Robert de Bröse. Atualmente, é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo com orientação do prof. dr. Alexandre Pinheiro Hasegawa.

Referências

BRITTO, P. H. Correspondência formal e funcional em tradução poética. In: SOUZA, Marcelo, P.; et alii (org.). Sob o signo de Babel: literatura e poéticas da tradução. Vitória: Flor&Cultura, 2006.

CAMPOS, H. de. A palavra vermelha de Holderlin. In: CAMPOS, H. de. A Arte no Horizonte do Provável. São Paulo: Perspectiva, 1969, p. 93-107.

DUARTE, A. da S. Por uma história da tradução dos clássicos greco-latinos no Brasil. Translatio, n. 12, Porto Alegre, p. 43-62, 2016.

FLORES, G. G. Tradutibilidades em Tibulo. Scientia Traductionis, n. 10, p. 141-150, 2011.

GONÇALVES, W. F. Ovídio brasileiro: as traduções brasileiras de Ovídio no século XXI. Translatio, n. 14, Porto Alegre, p. 63-84, dezembro de 2017.

OVÍDIO. Arte de Amar. Tradução de Corah O. Roland. São Paulo: Editorial Paulista, 1935.

OVÍDIO. Arte de Amar. Tradução de Hélio Gomes da Luz. Belo Horizonte: Organização Simões, 1963.

OVÍDIO. Arte de Amar. Tradução de Jamil Almansur Haddad. Rio de Janeiro: Biblioteca Universal Popular, 1964.

OVÍDIO. Arte de Amar. Tradução de David Jardim Júnior. Rio de Janeiro: Ediouro, 1979.

OVÍDIO. Arte de Amar. Tradução de Natália Correia e David Mourão. Introdução de Zélia de Almeida Cardoso. São Paulo: Ars Poetica, 1992.

OVÍDIO. Arte de Amar. Tradução de Dúnia Marinho da Silva. Porto Alegre: L&PM editores, 2001.

OVÍDIO. Arte de Amar. Tradução, introdução e notas de Matheus Trevisam. Campinas: Mercado de Letras, 2016.

OVIDIVS NASO, P. Carmina amatoria: Amores, Medicamina Faciei Femineae, Ars Amatoria, Remedia Amoris. Edição de Antonio Ramírez de Verger. 2ª edição. Munique e Leipzig: De Gruyter, 2006.

PREDEBON, A. A. Edição do manuscrito e estudo das 'Metamorfoses' de Ovídio traduzidas por Francisco José Freire. 850 f. Tese (Doutorado em Letras Clássicas) – Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

Publicado
2019-10-05