A contemplação da natureza e o sumo bem segundo Sêneca: tradução comentada do prefácio do livro I das Naturales Quaestiones

The contemplation of nature and ultimate good according to Seneca: a commented translation of the preface to book I of Naturales Quaestiones

Palavras-chave: Sêneca, natureza, ética, sumo bem

Resumo

A despeito da ideia amplamente difundida de que os estoicos romanos teriam deixado de lado física e lógica e se dedicado em caráter praticamente exclusivo ao terceiro elemento da tríade estoica, a ética, conhecemos diversos títulos de Sêneca relacionados ao estudo da natureza, a física. Esses estudos abarcam temas ligados a diversas áreas de estudos, como biologia, geologia e cosmologia. Também permeiam toda a vida do filósofo, desde a sua juventude até sua velhice. Por fim, as Naturales Quaestiones são o tratado mais longo de Sêneca e sua obra mais longa, se excetuarmos a coletânea de cartas a Lucílio. No prefácio que ora traduzimos, Sêneca expõe sua visão acerca da importância do estudo da natureza e, longe de considerá-lo secundário, argumenta que se trata do sumo bem da vida humana, sem o qual mesmo uma vida perfeitamente ética deixa de ter valor.

Biografia do Autor

Willamy Fernandes Gonçalves, Universidade de São Paulo
Graduado em letras pela Universidade Federal do Ceará, Desde 2016 é membro do grupo de pesquisa de tradução e recepção dos clássicos (CNPQ ), coordenado pelo prof. dr. Robert de Bröse. Atualmente, é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo com orientação do prof. dr. Alexandre Pinheiro Hasegawa.

Referências

ALGRA, Keimpe. Cosmologia e teologia. In: GOURINAT, J. B.; BARNES, J. (org.). Ler os estoicos. Tradução de Paulo S. R. C. Silva. São Paulo: Edições Loyola, 2013 [2009], p. 175-195.

CAMPOS, J. A. S. e. (trad.). Sêneca. Cartas a Lucílio. Lisboa: Fundação Calouste Gulbankian, 2004.

CARDOSO, Z. de A. A literatura latina. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

CITRONI, M. et alii. Literatura de Roma Antiga. Tradução de Margarida Miranda e Isaías Hipólito. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2006.

DÍAZ, José Román Bravo (trad.). Seneca. Cuestiones Naturales. Introducción, traducción y notas de José-Román Bravo Díaz. Edição do Kindle. Madrid: Editorial Gredos, 2013.

HINE, Harry (ed.). Lucius Annaeus Seneca. Opera. Naturalium Quaestionum Librei. Bibliotheca Scriptorum Graecorum et Romanorum Teubneriana. Stuttgart und Leipzig: De Gruyter, 1996.

HINE, Harry (trad.). Seneca. Natural Questions. Translated by Harry Hine. Chicago: The University of Chicago Press, 2010.

MERCKEL, Cécile. Seneca theologus: la religion d’un philosophe romain. 2012. 553 f. Tese (Doutorado em Philologie classique) - Sciences de l'Antiquité, Université de Strasbourg, Strasbourg (França), 2012.

NUNES, Carlos Alberto. Virgílio. Eneida. Tradução. São Paulo: Ed. 34, 2014.

PARRONI, Piergiorgio (trad.). Seneca. Ricerche sulla natura. A cura di Piergiorgio Parroni. Milão: Mondadori, 2008.

RAIJ, C. F. de M. van. (trad.). Sêneca. Cartas consolatórias. Campinas: Pontes, 1992.

TOSI, Renzo. Dicionário de Sentenças Latinas e Gregas. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

WERNER, Christian. Hesíodo. Teogonia. Organização e tradução do grego. São Paulo: Hedra, 2013.

Publicado
2020-12-21
Seção
Dossiê "Linguagem, natureza e felicidade na Antiguidade"