Infâncias fantasmáticas

o cronotopo dos rincões

Autores

Palavras-chave:

Imagens sobreviventes, Cronotopo, Preventórios, Infâncias

Resumo

O presente texto busca introduzir os aportes teóricos dos estudos filosóficos de Mikhail Bakhtin, Aby Warburg e Walter Benjamin sobre as imagens sobreviventes, ou a festa de renovação dos sentidos históricos, na busca da compreensão de uma história relativamente pouco discutida: as infâncias fantasmáticas das crianças filhas e filhos de pais tuberculosos, no início do século XX. Parte de uma pesquisa em andamento, os relatos introdutórios chamam a atenção para a existência de histórias invisibilizadas de crianças, no Brasil e em Portugal, que devem ser trazidas à pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marisol Barenco, Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Católica de Petrópolis (1990),Mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (1998) e Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2003). Atualmente é professora associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil e Alfabetização, atuando principalmente nos seguintes temas: Filosofia da Linguagem, Psicologia da Educação, Educação Infantil, Alfabetização e Estudos Bakhtinianos. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas ATOS UFF, onde desenvolve estudos relacionados ao Círculo de Bakhtin.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tr. Yara Frateschi. 4. ed. São Paulo: Edunb: Hucitec, 1999.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tr. Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Lendo Razlúka de Púchkin: a voz do outro na poesia lírica. Tr. Marisol Barenco, Mario Ramos e Alan Silus. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. Tr. Aurora F. Bernardini et. al 5. ed. São Paulo: Annablume Editora: Hucitec, 2002.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura história da cultura. Tr. Sérgio Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas, v. 1).

BURCKHARDT, Jacob. A cultura do Renascimento na Itália: um ensaio. Tr. Sérgio Tellaroni. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

CHKLOVSKI, Vítor. A arte como procedimento. In: EICKHENBAUM et. al. Teoria da literatura: formalistas russos. Tr. Ana Maria Filipouski et. al. Porto Alegre: Editora Globo, 1973.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Tr. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

FREUD, Sigmund. O infamiliar e outros escritos. Edição bilíngue. Tr. Ernani Chaves. Belo Horizonte: Autêntica, 2020. (Obras incompletas de Sigmund Freud, 8).

MEDVIÉDEV, Pável N. O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. Tr. Ekaterina Volkova Américo e Sheila Camargo Grillo. São Paulo: Contexto, 2012.

MELLO, Marisol B. Diamantina, uma cidade fantasma. In: MELLO, Marisol B. O amor em tempos de escola. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020.

WARBURG, Aby. A presença do antigo. Tr. Cassio Fernandes. Campinas: Editora da Unicamp, 2018.

Downloads

Publicado

2022-07-29