“Eles me chamam de feia, macaca, chata e gorda. Eu fico muito triste” – Classe, raça e gênero em narrativas de violência na escola

  • Anderson Ferrari

Resumo

Este artigo é resultado de uma pesquisa realizada numa escola pública federal, com alunos do sexto ao nono ano do Ensino Fundamental, buscando analisar um fenômeno antigo nas escolas, mas que só recentemente foi classificado e vem despertando a atenção para as relações que se desenvolvem e se estabelecem na escola – o bullying. Os dados expõem a violência que está servindo para organizar as relações entre os adolescentes, ao mesmo tempo em que se transforma num grande desafio: o combate à discriminação e à violência, numa proposta de problematização da construção das diferenças. Com essas questões em foco, a pesquisa revelou como a humilhação está presente nas definições de classe, raça e gênero. Assim, recuperando as trajetórias de vida e memórias escolares, buscamos entender como esses processos são percebidos e assimilados nas construções das subjetividades. Assumindo as perspectivas pós-estruturalista e foucaultiana, o nosso interesse recai nos investimentos políticos da construção e negociação entre os grupos, entendendo as identidades de classe, raça e gênero como efeitos de instituições, práticas e discursos com pontos instáveis, múltiplos e difusos de origem.
Publicado
2009-12-10
Seção
Artigos