Habilidade manual em idosos saudáveis

Autores

  • Elaine Andrade Moura Universidade Federal de Juiz de Fora/ Faculdade de Psicologia
  • Ralf Braga Barroso Universidade Federal de São Paulo/Residência em Neurologia e Neurocirurgia
  • Maria Elisa Caputo Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora/Faculdade de Educação Física
  • Cláudia Helena Cerqueira Mármora Universidade Federal de Juiz de Fora/Faculdade de Fisioterapia

Palavras-chave:

Envelhecimento. Saúde do idoso. Destreza motora.

Resumo

O objetivo do presente estudo foi avaliar a habilidade manual em idosos ativos da cidade de Juiz de Fora, MG e compreender o desenvolvimento dessa habilidade em função da idade, do gênero e da escolaridade. Participaram 97 idosos com idade média de 72,35 anos (± 2,57) de um centro de convivência e de um polo de enriquecimento cultural para a terceira idade. Foram utilizados o Nine Hole Peg Test para avaliar a habilidade manual, o Mini Exame do Estado Mental para avaliar a capacidade cognitiva e um questionário sociodemográfico o qual investigou a idade, o gênero e a escolaridade. Os resultados mostraram que a habilidade manual sofreu declínio com o avançar da idade e não apresentou relação com o gênero, ao passo que a escolaridade apresentou relação com a perda da habilidade manual, demonstrando que quanto maior a escolaridade menor foi à perda dessa capacidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, O. P. Mini exame do estado mental e o diagnóstico de demência no Brasil.

Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 56, n.3B, p. 605–12, maio.1998.

BERTOLUCCI, P. H. F. et al. The Mini Mental State Examination in an outpatient population: influence of literacy. Arquivos de Neuropsiquiatria, São Paulo, v. 52, n.1, p. 01-07. 1994.

CARVALHO, R. B. DA C.; MADRUGA, V. A. Aging and physical activity practice: influence of gender. Motriz: Revista de Educação Física, Rio Claro, v. 17, n.(2), p. 328-337, april/june, 2011.

COFFEY, C. E. et al. (1999). Relation of education to brain size in normal aging: implications for the reserve hypothesis. Neurology, Cleveland. v. 53, n. 1, pag. 189–196, jul. 1999.

DESROSIERS, J. et al. Age-related changes in upper extremity performance of elderly people: a longitudinal study. Experimental Gerontology, Amsterdam. v. 34, n. 3, p. 393–405. jun. 1999.

FOLSTEIN, M. F.; FOLSTEIN, S. E.; MCHUGH, P. R. “Mini-mental state”. A

practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. Journal of Psychiatric Research, v. 12, n. (3), p. 189–198, nov.1975.

GRICE, K. O. et al. Adult Norms for a Commercially Available Nine Hole Peg Test for Finger Dexterity. The American Journal of Occupational Therapy, v.57, n. 5, p. 570–573, sep-oct. 2003.

HAASE, V. G. et al. Assessment of psychosocial functioning in multiple sclerosis: psychometric characteristics of four self-report measures. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 62, n. 2A, p. 282–290, jun. 2004.

HACKEL, M. E. et al. Changes in hand function in the aging adult as determined by the Jebsen Test of Hand Function. Physical Therapy, Virginia. v.72, n. 5, p. 373–377, may. 1992.

HOWELL, D. C. Statistical Methods for Psychology. Belmont: Cengage Wadsworth,

JEBSEN, R. H., An objective and standardized test of hand function. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, v. 50, n. 6, p. 311–319, jun. 1969.

KORNATZ, K. W.; CHRISTOU, E. A.; ENOKA, R. M. Practice reduces motor unit discharge variability in a hand muscle and improves manual dexterity in old adults. Journal of Applied Physiology, Bethesda. v. 98, n. 6, p. 2072–2080, fev. 2005.

MATHIOWETZ, V. et al. Adult Norms For The Nine Hole Peg Test Of Finger Dexterity. The occupational therapy journal of reserch, Bethesda, v. 5, n.1, p. 24-38, jan. 1985.

MICHIMATA, A. et al. The manual function test: norms for 20- to 90-year-olds and effects of age, gender, and hand dominance on dexterity. The Tohoku Journal of Experimental Medicine, Sendai , v. 214, n. 3, p. 257-267, mar. 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Envelhecimento Ativo: uma política de saúde. Tradução Suzana Gontijo. Brasília, DF, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf. Acesso em 25 jan. 2014.

PAPALIA, D. E.; OLDS, S. W.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento Humano. 8 ed. São Paulo, Artmed , 2006.

PARIKH, P. J.; COLE, K. J. Handling objects in old age: forces and moments acting on the object. Journal of Applied Physiology, Washington ,v. 112, n. 7, p. 1095–1104. april. 2012.

PEREIRA, E. F. et al. Body image perception in children and adolescents with different socio economic status in the city of Florianópolis, in the State of Santa Catarina, Brazil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 9, n. 3, p. 253-262, July./Sept. 2009.

PINTO, M. J. C. Aptidão física, destreza manual e sensibilidade proprioceptiva manual no idoso : Estudo em praticantes e não praticantes de actividade física. 175 f.Dissertação (mestrado em Ciência do Desporto), faculdade de ciência do Desporto e Educação Física, Universidade do Porto, Porto, 2003.

RODRIGUES, J. DE L.; FERREIRA, F. O.; HAASE, V. G. Perfil do Desempenho Motor e Cognitivo na Idade Adulta e Velhice. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, Juiz de Fora, v.1, n.1, p. 20-33, agosto. 2008.

SATZ, P. Brain reserve capacity on symptom onset after brain injury: A formulation and review of evidence for threshold theory. Neuropsychology, Philadelphia, v.7, n. 3,

p. 273–295, jul.1993.

SELKOE, D. J. Aging brain, aging mind. Scientific American, v. 267. n. 3, p.134-142, sep.1992.

TAMNES, C. K. et al. Brain development and aging: overlapping and unique patterns of change. NeuroImage, Orlando, v. 68, p. 63–74, mar. 2013.

THOMPSON, L. V. Effects of age and training on skeletal muscle physiology and performance. Physical Therapy, Virginia. v.74, n.1, p. 71–81, jan. 1994.

TIFFIN, J.; ASHER, E. J. The Purdue pegboard; norms and studies of reliability and validity. Journal of Applied Psychology, Washington, v. 32, n.3, p. 234–247, jun. 1948.

TILBERY, C. P. et al. Multiple Sclerosis Functional Composite Measure (MSFC) standardized in Brazilian population. Arquivos de Neuro Psiquiatria, São Paulo, v.63, n.1, p. 127–132. mar. 2005.

WICKELGREN, I. The aging brain: For the cortex, neuron loss may be less than thought. Science, New York, v. 273, n. 5271, p. 48–50, july. 1996.

YANG, C.-H.; HUANG, C. C.; HSU, K.S. Behavioral Stress Modifies Hippocampal Synaptic Plasticity through Corticosterone-Induced Sustained Extracellular Signal-Regulated Kinase/Mitogen-Activated Protein Kinase Activation. The Journal of Neuroscience, Washington, v. 24, n. 49, p.11029–11034. dec. 2004.

Downloads

Publicado

2015-10-05

Como Citar

1.
Moura EA, Barroso RB, Ferreira MEC, Mármora CHC. Habilidade manual em idosos saudáveis. hu rev [Internet]. 5º de outubro de 2015 [citado 5º de outubro de 2022];41(1 e 2). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2503

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>