Escolas técnicas

da formação profissional a aprendizagem interdisciplinar

Autores

  • Ivani Maria de Souza Gonçalves Universidade de Pernambuco, Curso de especialização em Psicopedagogia, Petrolina, Pernambuco, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2152-6696
  • Genilda Maria da Silva Universidade de Pernambuco, Colegiado de Pedagogia, Programa de Pós-Graduação e Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares, Petrolina, Pernambuco, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6764-9280
  • Odair França de Carvalho Universidade de Pernambuco, Colegiado de Pedagogia, Programa de Pós-Graduação e Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares, Petrolina, Pernambuco, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4864-4510

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-9444.2021.v11.31901

Palavras-chave:

Currículo, Escola técnica, Interdisciplinaridade

Resumo

A interdisciplinaridade é uma proposta que visa a ruptura do ensino fragmentado. Assim, discute-se, que a reflexão sobre essa proposta, no contexto de ensino técnico, consiste em um processo de grande complexidade. Nesse sentido, objetiva-se compreender, como a interdisciplinaridade é desenvolvida e entendida pelos professores que atuam como docentes em uma escola técnica no município de Petrolina – PE. Dessa forma, destaca-se que estes debates se apoiam em Fazenda (2001 – 2008), Japiassu (1994), Morin (2015), na LDB/1996. Para tanto, realizou-se uma pesquisa qualitativa, a qual contou com a participação de quatro professores do curso de enfermagem, que responderam a um questionário aberto. Os dados revelam, que os professores fomentam a importância da interdisciplinaridade e a compreendem como possibilidade de ruptura de uma ação educativa fragmentada. Assim, conclui-se que, existe uma relação entre o ensino técnico e o fazer interdisciplinar dos docentes, que atuam com educação técnica no lócus de estudo.

Biografia do Autor

Ivani Maria de Souza Gonçalves, Universidade de Pernambuco, Curso de especialização em Psicopedagogia, Petrolina, Pernambuco, Brasil

Graduada em Pedagogia (UPE). Especialista em Psicopedagogia (UPE). Coordenadora Pedagógica em uma escola técnica privada no município de Petrolina – PE. Participante do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Escolar e Não-escolar (GEPESPE).

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6477586714100606.

Genilda Maria da Silva, Universidade de Pernambuco, Colegiado de Pedagogia, Programa de Pós-Graduação e Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares, Petrolina, Pernambuco, Brasil

Graduada em Pedagogia (UPE). Especialista em Psicopedagogia (UPE). Mestra em educação (UPE). Professora da rede municipal de Petrolina – PE e docente substituta no colegiado de Pedagogia da Universidade de Pernambuco Campus Petrolina - PE. Participante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Escolar e Não-Escolar no Sertão Pernambucano (GEPESPE).  

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3624617053833063.

Odair França de Carvalho, Universidade de Pernambuco, Colegiado de Pedagogia, Programa de Pós-Graduação e Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares, Petrolina, Pernambuco, Brasil

Graduado em Pedagogia (UFMS). Especialista em Educação Especial (FIPAR). Mestre em Educação (UFMS). Doutor em Educação (UFU). Pós-Doutor em Educação(UFOP). Professor Adjunto do Colegiado de Pedagogia, da Universidade de Pernambuco (UPE) Campus Petrolina - PE. Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Escolar e Não-Escolar no Sertão Pernambucano (GEPESPE).

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5201774960666140.

Referências

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 13. ed. Brasília: Câmera dos Deputado, 2016.

BRASIL. Lei 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino do 1º e 2º Graus e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 12 ago. 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5692.htm. Acesso em: 20 set. 2019.

BRASIL. Lei nº. 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da

Educação Nacional. Diário Oficial da União. Brasília, 27 dez., 1961. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/LEIS/L4024.htm. Acesso em: 20 set. 2019.

BRASIL. Decreto Lei Nº 9.613 de 20 de agosto de 1946. Lei Orgânica do Ensino Agrícola. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, 23 ago. 1946. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-9613-20-agosto-1946-453681-publicacaooriginal-1-pe.html#:~:text=Lei%20Org%C3%A2nica%20do%20Ensino%20Agr%C3%ADcola.&text=1%C2%BA%20Esta%20lei%20estabelece%20as,profissional%20dos%20trabalhadores%20da%20agricultura. Acesso em: 20 set. 2019.

BRASIL. Decreto Lei Nº 6.141 de 28 de dezembro de 1943. Lei Orgânica do Ensino Comercial. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro31 de dezembro de 1946. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/del6141.htm. Acesso em: 20 set. 2019.

BRASIL. Decreto Lei Nº 4.073 de 30 de janeiro de 1942. Lei orgânica do ensino industrial. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4073-30-janeiro-1942-414503-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 20 set. 2019.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. (org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. (Org.). Práticas interdisciplinares na escola. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

JAPIASSU, Hilton. A questão da Interdisciplinaridade. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR. Anais [...]. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre, jul. 1994.

LÜCK, Heloisa. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teóricos metodológicos. Petrópolis: Editora Vozes, 1995.

MIRANDA, Maria do Carmo Tavares de. Educação no Brasil (esboço de estudo histórico). 3. ed. Recife: UFPE/Ed. Universitária, 1978.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Tradução de Eliana Lisboa. 5. ed. Porto Alegre: Salina, 2015.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil. 13. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1991.

SANTOS, Regina Célia Pereira. Curso de formação de segundo grau. São Paulo: CEETEPS, 1997. Apostila.

SILVA, Marcus Osório da. A interdisciplinaridade como uma possibilidade no processo ensino aprendizagem da educação profissional de nível tecnológico para o mundo do trabalho. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S.l.], v. 2, n. 13, p. 13-30, dez. 2017.

SILVA, Genilda Maria da; CARVALHO, Odair França de. A necessidade do currículo na perspectiva dialógica: entre o discurso e a ação – reflexões interdisciplinares. In: SEMANA INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA – AS LUTAS DA PEDAGOGIA EM TEMPOS DE PANDEMIA: CIÊNCIA, PEDAGOGIA E FORMAÇÃO DOCENTE, 7. [on-line]. 29/11/2020 – 05/12/2020. Anais [...]. Alagoas: UFAL, 2020.

THIESEN, Juares da Silva. A Interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo de ensino/aprendizagem. Revista Brasileira de Educação. v. 13. n. 39. set./dez., 2008, p. 545- 598. Disponível em:

http://www,scielo.br/scielo.phn?script=sci_arttext&pid=S14132478008000300010. Acesso em: 21 mar. 2018.

Downloads

Publicado

2021-04-03

Como Citar

Gonçalves, I. M. de S., Silva, G. M. da, & Carvalho, O. F. de. (2021). Escolas técnicas: da formação profissional a aprendizagem interdisciplinar. Pesquisa E Debate Em Educação, 11(1), 1–16, e31901. https://doi.org/10.34019/2237-9444.2021.v11.31901

Edição

Seção

Pesquisa aplicada