v. 4 n. 1 (2020): Homa Publica - Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas
Artigos

Inteligência artificial e direitos humanos: impactos e dilemas éticos atuais

Ana Carolina de Souza Pereira
Universidade Federal de Juiz de Fora | Juiz de Fora, Minas Gerais - Brasil
Biografia
Ana Luisa Brêtas Bruno
Universidade Federal de Juiz de Fora | Juiz de Fora, Minas Gerais – Brasil.
Biografia
Ariane Meirelles de Azevedo
Universidade Federal de Juiz de Fora | Juiz de Fora, Minas Gerais - Brasil
Biografia
Caroline da Rosa Pinheiro
Universidade Federal de Juiz de Fora | Juiz de Fora, Minas Gerais - Brasil
Biografia
Lívia Melo Honorato Campos
Universidade Federal de Juiz de Fora | Juiz de Fora, Minas Gerais - Brasil
Biografia
Nicole Vieira Abreu Ornellas
Universidade Federal de Juiz de Fora | Juiz de Fora, Minas Gerais - Brasil
Biografia
Victória Presoti Paixão
Universidade Federal de Juiz de Fora | Juiz de Fora, Minas Gerais - Brasil
Biografia
Publicado January 30, 2020
Palavras-chave
  • Direitos Humanos,
  • Diretrizes éticas,
  • Inteligência Artificial,
  • União Europeia,
  • Inovação
Como Citar
PEREIRA, A. C. DE S.; BRUNO, A. L. B.; AZEVEDO, A. M. DE; PINHEIRO, C. DA R.; CAMPOS, L. M. H.; ORNELLAS, N. V. A.; PAIXÃO, V. P. Inteligência artificial e direitos humanos: impactos e dilemas éticos atuais. Homa Publica - Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas, v. 4, n. 1, p. e:059, 30 jan. 2020.

Resumo

O presente artigo visa analisar, por meio de uma revisão bibliográfica e estudo de caso exploratório, alguns dilemas éticos impostos pela Inteligência Artificial e suas consequências no âmbito dos direitos humanos. O problema de pesquisa possui como finalidade investigar os dilemas éticos surgidos a partir do uso de sistemas de Inteligência Artificial e como estes se relacionam com violações de direitos humanos, tendo como prisma as diretrizes éticas acordadas pela União Europeia no ano de 2019. A partir das diretrizes, desenvolveu-se uma pesquisa de cunho documental e bibliográfico com uma análise qualitativa. Entre os resultados encontra-se a necessidade de uma regulamentação dos sistemas de Inteligência Artificial, que seja capaz de normatizar questões, as quais possuem impacto nos direitos humanos, a fim de mitigar seus potenciais riscos de violação e o desafio incutido a essa tarefa, tendo em vista os possíveis impactos inibitórios de uma regulamentação   à inovação tecnológica.

Referências

  1. BECKER, G. S. Crime and punishment: An economic approach. Journal of Political Economics, v. 76, n. 2, p. 169-217, mar./abr. 1968.
  2. BENDOR, Ariel L.; SACHS, Michael Sachs. The Constitutional Status of Human Dignity in Germany and Israel. Israel Law Review, v. 44, n. 1-2, pp. 25-61, 2011.
  3. COASE, R. H. The firm, the market, and the law. Chicago: The University of Chicago Press, 1990.
  4. COOTER, R. D. Prices and Sanctions. Columbia Law Review, v. 84, n. 6, p. 1523-1560, 1984.
  5. COOTER, Robert. D.; ULLEN, Thomas S. Direito e economia. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.
  6. CEDH. CORTE EUROPEIA DE DIREITOS HUMANOS. Caso Budayeva e outros Vs. Russia, no. 15339/02, 21166/02, 20058/02, 11673/02 e 15343/02. Sentença de 20 de março de 2008, par. 133. Disponível em: http://hudoc.echr.coe.int/eng?i=001-85436. Acesso em: 18.04.2019.
  7. CEDH. CORTE EUROPEIA DE DIREITOS HUMANOS. Caso Öneryildiz Vs. Turquíia, no. 48939/99. Sentença de 30 de novembro de 2004, par. 71. Disponível em: http://hudoc.echr.coe.int/eng?i=001-67614. Acesso em: 18.04.2019.
  8. CIDH. CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Opinião Consultiva n. 23/2017 sobre “Meio Ambiente e Direitos Humanos”. Disponível em: http://www.corteidh.or.cr/docs/opiniones/seriea_23_esp.pdf. Acesso em: 18.04.2019.
  9. CSJM. CORTE SUPREMA DE JUSTIÇA DO MÉXICO. Recurso de Amparo de Revisão 307/2016. Sentença de 14 de novembro de 2018, pag. 3. Disponível em: https://www.scjn.gob.mx/sites/default/files/listas/documento_dos/2018-11/AR-307-2016-181107.pdf. Acesso em: 18.04.2019.
  10. DEVA, Surya. Regulating corporate human rights violations. New York: Routledge Publishing, 2012.
  11. DEVA, Surya. Treating human rights lightly: a critique of the consensus rhetoric and the language employed by the Guiding Principles. In: DEVA, Sutya; BILCHITZ, David (Eds.). Human Rights Obligations of Business: Beyond the Corporate Responsibility to Respect? Cambridge: Cambridge University Press, 2013.
  12. DEVA, Sutya; BILCHITZ, David. The human rights obligations of business: a critical framework for the future. In: DEVA, Sutya; BILCHITZ, David (Eds.). Human Rights Obligations of Business: Beyond the Corporate Responsibility to Respect? Cambridge: Cambridge University Press, 2013.
  13. DONNELLY, Jack. Universal human rights in theory and practice. 3 ed. New York: Cornell University Press, 2013, p. 10.
  14. DOUZINAS, Costas. The end of human rights: critical legal thought the turn of the century. Oxford: Hart Publishing, 2000.
  15. ECONOMY, Elizabet; SCHREURS, Miranda A. Domestic and international linkages in environmental politics. In: ECONOMY, Elizabet; SCHREURS, Miranda A. (Ed.). The internationalization of environmental protection. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.
  16. FREEMAN, Michael. Are there Collective Human Rights? Political Studies, v. 43, n. 1, pp. 25-40, 1995.
  17. HABERMAS, Jürgen. A constelação pós-nacional: ensaios políticos. Tradução de Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Littera Mundi, 2001.
  18. HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre faticidade e validade. Trad. Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1992.
  19. HEINZE, Eric. The reality and hyper-reality of human rights: public consciousness and the mass media In: DICKINSON, Robert et al. (Ed.). Examining critical perspectives on human rights, Cambridge: Cambridge University Press, 2012, p. 201.
  20. KALDOR, N. Welfare propositions in economics. Economic Journal, v. 49, 1939.
  21. KENNEDY, David. The international human rights regime: still part of the problem? In: DICKINSON, Robert et al. (Ed.). Examining critical perspectives on human rights, Cambridge: Cambridge University Press, 2012.
  22. KOBRIN, Stephen J. Globalization, transnational corporations and the future of global governance. In: SCHERER, Andreas Geog; PALAZZO, Guido (Eds). Handbook of Research on Global Corporate Citizenship. Cheltenham and Northampton: Edward Elgar, 2008.
  23. LOHMANN, Georg. As definições teóricas de direitos humanos de Jürgen Habermas: o princípio legal e as correções morais, Marília, v. 36, p. 87-102, 2013.
  24. MCADAMS, R.H. A focal point theory of expressive law. Virginia Law Rev, n. 86, 1649- 1729, 2000.
  25. NOLAN, Justine. The corporate responsibility to respect human rights: soft law or not law? In: DEVA, Sutya; BILCHITZ, David (Eds.). Human Rights Obligations of Business: Beyond the Corporate Responsibility to Respect? Cambridge: Cambridge University Press, 2013.
  26. OMS. Organização Mundial da Saúde. Poluição do ar ambiente: uma avaliação global da exposição e carga da doença, 2016. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/250141/9789241511353-eng.pdf?sequence=1. Acesso em 22.04.2019.
  27. ONU MEIO AMBIENTE. Panorama Global de Substâncias Químicas II, 2019. Disponível em: https://papersmart.unon.org/resolution/uploads/k1900123.pdf#overlay-context=pre-session-unea-4. Acesso em 22.04.2019.
  28. ONU MEIO AMBIENTE. Para um planeta livre de poluição, 2017. Disponível em : https://papersmart.unon.org/resolution/uploads/25_19october.pdf. Acesso em 22.04.2019.
  29. ONU MEIO AMBIENTE. Perspectiva Global do Meio Ambiente – GEO-6: Planeta Saudável, Pessoas Saudáveis, 2019. Disponível em: https://wedocs.unep.org/bitstream/handle/20.500.11822/27539/GEO6_2019.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 22.04.2019.
  30. POSNER, R. The problems of jurisprudence. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1995.
  31. RATNER, Steven R. Corporations and Human Rights: A Theory of Legal Responsibility. The Yale Law Journal, v. 111, n. 3, pp. 443-545, 2001.
  32. SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago. Algumas notas sobre a dimensão ecológica da dignidade da pessoa humana e sobre a dignidade da vida em geral. Revista Brasileira de Direito Animal, v. 2, n. 3, pp. 69-94, 2007.
  33. SEN, Amartya. The discipline of cost‐benefit analysis. Journal of Legal Studies, v. 29, n. 2, pp. 931-952, 2000.
  34. SHAVELL, Steven. Foundations of Economic Analysis of Law. Cambridge: Harvard University, 2004.
  35. SUNSTEIN. Cass R. Cognition and Cost-Benefit Analysis. Law and Economics Working Paper No. 85, University of Chicago Law School, pp. 1-40, set. 1999.
  36. TABAK, Benjamin. A Análise Econômica do Direito: Proposições Legislativas e Políticas Públicas. Revista de Informação Legislativa do Senado, ano 52, n. 205, jan./mar. 2015.
  37. WETZEL, Julia Ruth-Maria. Human Rights in Transnational Business: Translating Human Rights Obligations into Compliance Procedures. Switzerland: Springer International Publishing, 2016.