Temporalidade retradutória na concepção bermaniana

La temporalité (re)traductrice dans la conception bermanianne

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/2318-3446.2021.v9.34085

Palavras-chave:

Antoine Berman, retradução e temporalidade, kairós e shí

Resumo

Este estudo tem por objetivo analisar a temporalidade na concepção bermaniana de retradução. Para tanto, abordamos os elementos constitutivos tais quais indicados pelo próprio Antoine Berman nos diversos ensaios em que trata do tema bem como nos questionamentos deles decorrentes contidos especialmente em Gambier (2011) e Godard (2001). Sugerimos um outro ponto de vista para algumas dessas categorias temporais, ou seja, uma outra perspectiva cultural que seria mais fecunda às proposições do autor acerca da temporalidade da retradução. Assim, partindo de um exemplo do próprio Berman do que seria uma grande retradução, propomos um redimensionamento da categoria temporal de base ocidental-grega – kairós –, substituindo-a por outra análoga, porém de origem oriental-chinesa – shí –, revelando-se, esta última mais profícua para a temporalidade retradutória na concepção de Antoine Berman.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Magda Stradioto-Casolato, FFLCH - USP

Ana Magda STRADIOTO-CASOLATO – Mestranda no Programa de Pós-graduação LETRA, na área de Tradução e Poética, sob a orientação do Prof. Dr. Álvaro Silveira Faleiros, Departamento de Letras Modernas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e Bacharela em Letras, Habilitação Francês pela mesma instituição.

lattes.cnpq.br/2254957935421727

orcid.org/0000-0003-2491-7078

ana.stradioto@usp.br

Referências

BADIOU, Alain; BERMAN, Isabelle; CASSIN, Barbara. Nota dos editores franceses. In: BERMAN, Antoine. A tradução e a letra ou o albergue do longínquo. Trad. Marie-Hélène C. Torres, Mauri Furlan, Andrea Guerini. Tubarão: Copiart; Florianópolis: PGET/UFSC, 2013.

BENSIMON, Paul. Présentation. Palimpsestes, Paris, n. 4, p. 1-7, 1990. Disponível em: <https://journals.openedition.org/palimpsestes/728>. Acesso em 18/04/2021.

BERMAN, Antoine. La traduction et la lettre ou l’auberge du lointain. Mauvezin: Éditions Trans-Europ-Repress, 1985.

BERMAN, Antoine. La retraduction comme espace de la traduction. Palimpsestes, Paris, n. 4, p. 1-7, 1990. Disponível em: <https://journals.openedition.org/palimpsestes/596>. Acesso em 13/12/2020.

BERMAN, Antoine. L’accentuation et le principe d’abondance en traduction. Palimpsestes, Paris, n. 5, p. 11-17, 1991. Disponível em: <http://journals.openedition.org/palimpsestes/611>. Acesso em 20/01/2021.

BERMAN, Antoine. A tradução e a letra ou o albergue do longínquo. Trad. Marie-Hélène C. Torres, Mauri Furlan, Andrea Guerini. Tubarão: Copiart; Florianópolis: PGET/UFSC, 2013.

BALIBAR, Françoise; BÜTTGEN, Philippe; CLÉRO, Jean-Pierre; COLLETTE, Jacques; CASSIN, Barbara. Moment, instant, occasion. In : CASSIN, Barbara (Dir.). Vocabulaire européen des philosophies, dictionnaire des intraduisibles. Paris: Seuil/Le Robert, 2004, p. 1094-1104.

BROCH, Hermann. La mort de Virgile de Hermann Broch, roman de la mémoire. Persac: Presses Universitaires de Bordeau, 2007. Disponível em: <https://books.openedition.org/pub/26411>. Acesso em 18/04/2021.

FURLAN, Mauri. Retraduzir é preciso. Scientia Traductionis, Santa Catarina, n. 13, p. 284-294, 2013. Disponível em: <http://periodicos.ufsc.br/index.php/scientia/article/view/30231/25183>. Acesso em 13/12/2020.

GAMBIER, Yves. La retraduction: ambiguïtés et défis. In: MONTI, Enrico ; SCHYDER, Peter (Dir.) Autour de la retraduction, perspectives littéraires européennes. Paris: Orizons, p. 49-67, 2011.

GOETHE, Johann Wolfgang von. De l’expérience considérée comme médiatrice entre l’objet et le sujet. In: GOETHE, Johann Wolfgang von. Œuvres d’histoire naturelle de Goethe: comprenant divers mémoires d’anatomie comparée, de botanique et de géologie. Trad. Ch. Fr. Martins. Paris: A. Cherbuliez, 1837. Disponível em: <http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k6577881q/13>. Acesso em 10/01/2021.

GODARD, Barbara. L’éthique du traduire: Antoine Berman et le « virage éthique » en traduction. TTR: traduction, terminologie, rédaction. Montréal, v. 14, n. 2, p. 49-82, 2001. Disponível em: <https://www.erudit.org/en/journals/ttr/2001-v14-n2-ttr409/000569ar/>. Acesso em 08/06/2021.

JULLIEN, François. Traité de l’efficacité. Paris: Grasset, 1996.

JULLIEN, François. Du temps, éléments d’une philosophie du vivre. Paris: Grasset, 2001.

JULLIEN, François. La pensée chinoise, en vis-à-vis de la philosophie. Paris: Gallimard, 2015.

LADMIRAL, Jean-René. Nous autres traductions, nous savons maintenant que nous sommes mortelles... In: MONTI, Enrico; SCHINYDER, Peter (Dir.). Autour de la retraduction: perspectives littéraires européennes. Paris: Orizons, 2011.

MESCHONNIC, Henri. Poétique du traduire. Paris: Verdier, 1999

MILTON, John; TORRES, Marie-Hélène C. (Org.). Tradução, retradução e adaptação: um percurso teórico. Cadernos de Tradução, v. 1, n. 11, 2003.

MATTOS, Thiago; FALEIROS, Álvaro. A noção de retradução nos Estudos da Tradução: um percurso teórico. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 5, n. 2, p. 35-37, 2014. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ch/index.php/RLR/article/view/307 >. Acesso em 13/12/2020.

PETRY, Simone. Retradução e o princípio da abundância. Tradução em Revista, Rio de Janeiro, n. 19, p. 166-180, 2015. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/25592/25592.PDF>. Acesso em 13/12/2020.

PETRY, Simone. A tradução como obra: relações entre a leitura bermaniana do conceito romântico de obra de arte e sua reflexão sobre tradução. Tese (Doutorado em Teoria e Crítica Literária) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2016.

SKIBIŃSKA, Elżbieta. La retraduction, manifestation de la subjectivité du traducteur. Doletiana: Revista de traducciò, literatura i arts, Barcelona, n. 1, p. 1-10, 2007. Disponível em: <http://webs2002.uab.es/doletiana/1Documents/1Skibinska.pdf>. Acesso em 20/01/2021.

Downloads

Publicado

2021-07-15