Traduzindo o luto: o lamento materno em Suplicantes de Eurípides

Translating mourning: the mothers’ lamentation in Euripides’ Suppliants

Palavras-chave: luto, lamento, Suplicantes, Eurípides, tradução

Resumo

Este trabalho objetiva fazer uma breve análise do lamento enlutado das mães argivas no coro de Suplicantes, de Eurípides, e verificar como as imagens e os sentidos desse lamento construídos no texto-fonte podem ser reconstruídos na tradução para o português brasileiro. Para isso, traduzimos o párodo da peça (v. 42-86), bem como o trecho entre os versos 798 e 836, em que o luto e as manifestações de lamento são mais visíveis. Considerou-se como ponto de partida o emprego das palavras thrḗnos, góos e kommós na literatura grega para então desenvolvermos a análise do lamento na peça em questão. Embasamo-nos, principalmente, em Alexiou (2002) e Loraux (1994). Ao final, conclui-se que são as escolhas lexicais feitas que asseguram a percepção dos sentidos e imagens do texto-fonte no texto traduzido através da análise de elementos cênicos.

Biografia do Autor

Vanessa Silva Almeida, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Mestre em Estudos da Tradução pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2017) com a dissertação intitulada Lamento e Luto na Tradução de Suplicantes de Eurípides. Pesquisa a tragédia grega, seus sentidos, seus valores, bem como sua influência para a formação cultural do Ocidente. Pesquisa também a tradução como atividade cultural e civilizadora para os povos ao longo dos tempos. Graduou-se em Letras Português-Inglês-Literaturas pela UFC em 2013. 

Orlando Luiz de Araújo, Universidade Federal do Ceará

Possui Doutorado e Mestrado em Letras Clássicas pela Universidade de São Paulo, Especialização em Filosofia Política e Licenciatura em Português-Literatura pela Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua e Literatura e em Tradução, atuando principalmente nos seguintes temas: língua e literatura grega e tradução de textos clássicos, mitologia grega e gêneros literários na Antiguidade Greco-Romana. Traduziu Electra de Sófocles e organizou em coautoria Literatura, Sociedade e Interdisciplinaridade: Articulações Literárias, Identidade e Alteridade no Mundo Antigo, Performance e Oralidade no Mundo Antigo, O Riso no Mundo Antigo e Ensaios em Estudos Clássicos. É membro do Grupo de Pesquisa Estudos sobre o Teatro Antigo (USP/CNPQ) e do Núcleo de Cultura Clássica (UFC/CNPQ). Traduziu Calígula, de Albert Camus, para encenação pela companhia teatral Comedores de Abacaxi S/A. Desenvolve o projeto Gêneros em Diálogos na Literatura Grega Antiga, especificamente, a tradução de Dos amores apaixonados, de Partênio de Niceia, e o estudo da relação literatura, teatro, história e mitologia nas narrativas de amor. Realizou um Pós-Doutorado com bolsa CAPES (Processo Nº 99999.000773/2015-08) no Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com o projeto intitulado Dos Amores Apaixonados, de Partênio de Niceia: Tradução, Alusão e Diálogos de Gêneros.

Referências

ALEXIOU, M. The Ritual Lament in Greek Tradition. New York: Rowman & Littlefield, 2002.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Sousa. Lisboa: Casa da Moeda, 2005.

BARBOSA, T. V. R. O tradutor de teatro e seu papel. Itinerários, Araraquara, v.1, n. 38, p. 27-46, jan-jul, 2014. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/7212. Acesso em 30 jun. 2020.

BASSNETT, S. Estudos de tradução. Tradução de Vivina de Campos Figueiredo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

BENJAMIN, W. A tarefa-renúncia do tradutor. In: BRANCO, L. C. (org.). A tarefa do tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções para o português. Tradução de Susana Kampff Lages. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2008. p. 66-81. Disponível em: http://escritoriodolivro.com.br/bibliografia/Benjamin.pdf. Acesso em: 29 jun. 2020.

BISOL, L. H. Threnos e goos: lamento e murmúrio de Andrômaca. Dissertação (Mestrado em Literatura Comparada) - Curso de Letras, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/21768/3/2016_dis_lhbisol.pdf. Acesso em: 25 abr. 2020.

EURIPIDES. Andromache. Edited and Translated by David Kovacs. Cambridge, MA: Harvad University Press, 1995.

_____. Trojan Women. Edited and Translated by David Kovacs. Cambridge, MA: Harvad University Press, 1999.

_____. The Suppliants. Edited by F. A. Paley. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

GARLAND, R. The Greek Way of Death. New York: Cornell University Press, 2001.

GRIMAL, Pierre. Mitologia grega. Tradução de Rejane Janowitzer. Porto Alegre: L&PM, 2009.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin: Companhia das Letras, 2013.

______. Hinos homéricos. Tradução de Wilson Ribeiro Jr. São Paulo: UNESP, 2010.

JOUAN, F. Les rites funéraires dans les Suppliantes d’Euripide. Kernos, Liège, v.1, n. 10, p. 215-232, 1997.

LORAUX, N. As mães de luto. Tradução de Cristina Pimentel. Lisboa: Cosmos, 1994.

MIRTO, M. S. Il luto e la culture delle madri: le Supplici di Euripide, Pisa, Quaderni Urbinati di Cultura Classica, n. 47, p. 57-88, 1984.

MONTEIRO, J. C. S. Salomé de Oscar Wilde na tradução brasileira de João do Rio. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Curso de Letras, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/96174/310575.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 25 abr. 2020.

PALEY, A. F. Introduction. In: EURÍPIDES. Suppliants. Cambridge: Cambridge University Press, 2010, p. 803-805.

RHEM, R. The Staging of the Suppliant Plays. Greek, Roman and Byzantine Studies, New York, n. 29, p. 263-307, 1988.

SCHLEIERMACHER, F. D. E. Sobre os diferentes métodos de traduzir. In: HEIDERMANN, W. (org.). Clássicos da Teoria da Tradução. Tradução de Celso R. Braida. Florianópolis: UFSC/Núcleo de Pesquisa em Literatura e Tradução, 2010. p. 39-101.

SCULLY, S. Orchestra and Stage in Euripides’ Suppliant Women. Arion, La Rioja, v. 4, n. 1, p. 61-84, 1996.

SÓFOCLES. Electra. Tradução de Orlando Luiz de Araújo. Fortaleza: Substânsia, 2015.

STOREY, I. C. Euripides: Suppliant Woman. London: Duckworth, 2008.

TRANCÓN, S. Teoría del Teatro: Bases Para el Analises de la Obra Dramática. Madrid: Fundamentos, 2006.

UBERSFELD, A. Para ler o teatro. Tradução de José Simões. São Paulo: Perspectiva, 2005.

VERNANT, Jean-Pierre. O Universo, os Deuses, os Homens. Tradução: Rosa Freire Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ZARDO, M. Tradução do texto teatral: novos desafios da investigação tradutória. Tese (Doutorado em Literatura Comparada) – Programa de Pós-Graduação em Letras Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/66289/000870716.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 25 abr. 2020.

Publicado
2020-12-21