Eneias a nordeste de Cartago: a poesia latina traduzida para o cordel

Aeneas at the northeast of Carthage: Latin poetry translated into the cordel

Palavras-chave: tradução poética, hexâmetro datílico, redondilha maior, literatura de cordel, Virgílio

Resumo

O presente artigo discute a possibilidade de acomodar a tradução de hexâmetros datílicos a redondilhas maiores como forma de lidar com as características formais do metro latino, particularmente a cesura. Serão revistos alguns tratamentos que esse metro tem recebido na versão da poesia clássica para o português e serão apresentados os critérios com os quais sugerimos as redondilhas maiores como formato possível para a tradução dos hexâmetros. Em seguida, apresenta-se o resultado da aplicação desse modelo de tradução a passagens do canto I da Eneida, em que não somente a redondilha maior é o metro escolhido, mas também se recorre a septilhas, estrofes de sete versos, no estilo adotado pela literatura de cordel. Finalmente serão apontados os ganhos percebidos com a adoção dessa estrutura.

Abstract

The present article discusses the possibility of accommodating the translation of dactylic hexameters to iberic traditional redondillas as a way of dealing with the formal characteristics of the Latin meter, particularly the caesura. Some treatments that this meter has received in the translation of classical poetry to the Portuguese will be reviewed and criteria will be presented to suggest redondillas as possible format for the translation of the hexameters. Next, the using of this pattern in passages from the Aeneid’s first book will be presented, in which not only the redondilla is the chosen rhythm, but also the seven-line stanzas, in a style adopted by Cordel Literature. Finally, the observed merits of the adoption of this structure will be pointed out.

Keywords: Poetic translation; dactylic hexameter; redondilla; cordel literature; Virgil

Referências

ALBUQUERQUE, M. E. B. C. de. Literatura Popular de Cordel: dos ciclos temáticos à classificação bibliográfica. Tese de Doutorado. João Pessoa: UFPB, 2011.

ALVAREZ, B. B. Traduzindo Plauto em verso: o prólogo de Poenulus. in: Paganine, C. G. e Hanes, V. Tradução e Criação: entrelaçamentos. Campinas: Pontes, 2019.

CAMPOS, H. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, 1969.

CARVALHO, R. Metamorfoses em tradução. Relatório de pós-doutoramento. São Paulo: FFLCH/USP, 2010.

DEZOTTI, J. D. O epigrama latino e sua expressão vernácula. Dissertação de mestrado. São Paulo: FFLCH/USP, 1990.

GONÇALVES, R. T. Tradução e ritmo: rêver le vers de Lucrécio. Revista Morus. Campinas, v. 11, n. 1, p. 181-197, 2016.

LIMA, S. T. Obras-Primas Universais em Cordel. Mossoró: Queima-Bucha, 2009.

MOLINA, J. S. Los hexámetros castellanos y en particular los de Rubén Darío. Santiago: Prensas de Universidad de Chile, 1935.

OLIVA NETO, J. A.; NOGUEIRA, E. 2013 O hexâmetro dactílico vernáculo antes de Carlos Alberto Nunes. Scientia Traductionis, Florianópolis, n. 13, p. 295-311, 2013.

RESENDE, G. Liuro das obras de Garcia de Reesende. Évora: em casa de André de Burgos, 1554.

SNELL-HORNBY, M. A “estrangeirização”de Venuti: o legado de Friedrich Schleiermacher aos Estudos da Tradução? Pandaemonium Germanicum. São Paulo, v. 15, n. 19, p. 185-212, julho de 2012. tradução de Marcelo Moreira.

VERGILIUS MARO, P. Aeneis. Recensuit atque apparatu critico instruxit Gian Biagio Conte. Editio altera. Berlin: De Gruyter, 2019.

VIRGÍLIO. Eneida. Traduzida em verso por João Franco Barreto. Dois tomos. Lisboa: Typografia Rollandiana, 1808.

________. Geórgicas; Eneida. traduções de António Feliciano de Castilho e Manuel Odorico Mendes. São Paulo: Jackson, 1960.

VIRGILIO. Virgilio Brazileiro, ou traducção do poeta latino por Manuel Odorico Mendes. Paris: Remquet, 1858.

WEST, M. Greek metre. Oxford: Clarendon Press, 1982.

Publicado
2019-12-11