Tradução de textos da filosofia oriental: peculiaridades e requisitos no caso da filosofia budista

Autores

Palavras-chave:

tradução, sutra, filosofia oriental, filosofia budista, mahāyāna

Resumo

Este artigo pretende discutir algumas peculiaridades da tradução de textos da filosofia oriental para o português, especialmente dos sutras da filosofia budista mahāyāna. A discussão estrutura-se em torno de dois pontos principais: o primeiro aborda peculiaridades dos textos relativas ao espaço de tempo e diversidade de cultura através dos quais sobreviveram os manuscritos; e aborda também temas como sua confiabilidade (em termos de diferenças significativas nos corpos dos textos) e notas sobre a linguagem na qual estão registrados os manuscritos. O segundo núcleo reparte-se em dois pontos: os pré-requisitos para uma tradução desse porte, a partir dos fatores necessários para uma compreensão ampla do texto e de seus termos em seus próprios contextos; o estudo das trilhas que podemos seguir para tornar essa tradução acessível também ao público em geral, equilibrando a precisão acadêmica para uma compreensão relativamente adequada do texto e a necessidade de uma transmissão eficiente para o público leigo em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ethel Panitsa Beluzzi, Doutoranda na Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Linguística Aplicada na Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BERMAN, A. A Tradução e a Letra. Traduzido por Marie-Hélène Catherine Torres, Mauri Furlan, Andréia Guerini. Editora 7 Letras. Rio de Janeiro, 2007.

EDGERTON, F. Buddhist Hybrid Sanskrit Grammar and Dictionary. Volume I e II. Munshiram Manoharlal Publishers. Nova Délhi, India: 2011.

______. Buddhist Hybrid Sanskrit Reader. Delhi: Motilal Barnadassis Publishers Private Limited, 1996.

______. On Editing Buddhist Hybrid Sanskri. Journal of the American Oriental Society, Vol. 77, No. 03 (Jul. – Set., 1957), pp. 184-192.

GOMEZ, L. O.; SILK, J. A., Studies in the Literature of the Great Vehicle: Three Mahayana Buddhist Texts. Ann Arbor, 1989.

LEMOS, G. C. “Traduções da Literatura Ficcional Indiana Para o Português: Uma Questão Cultural”. Religare 9 (2), 162-166 , Dezembro de 2012

NARIMAN, G. K. Literary History of Sanskrit Buddhism. India: Pilgrims Publishing, 2007.

NOUSS, A. “Translation as Ethics”. in Comparative Law, Engaging Translation. 2014.

_________. “A tradução: no limiar”. Tradução de Izabela Leal. ALEA. Rio de Janeiro, vol. 14/1. pp. 13-34. jan-jun 2012

RAHULA, W. Zen and the Taming of the Bull. Gordon Fraser Book Publishers, 1978.

RUEGG, D. Seyfort. Introduction. In: CUTLER, Joshua W. C. (Ed.). The Great Treatise on the Stages of the Path to Enlightenment. Nova York: Snow Lion Publications, 2000. p. 22.

SKILTON, ANDREW T. "Dating the Samadhiraja Sutra." Journal of Indian Philosophy 27, 1999, 635-652

______. '"Four Recensions of the Samadhiraja Sutra." Indo-Iranian Journal 42, 1999, 335-336

SCHLEIERMACHER, F. “Sobre os diferentes métodos de traduzir”. Tradução de Celso Braida. Princípios, Natal, v. 14, n. 21, jan./jun. 2007

Downloads

Publicado

2016-02-05

Como Citar

BELUZZI, E. P. Tradução de textos da filosofia oriental: peculiaridades e requisitos no caso da filosofia budista. Rónai – Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 95–107, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ronai/article/view/23138. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos