Mulheres matemáticas: trajetórias de vida de egressas do IFMA Campus Buriticupu sob a perspectiva dos estudos de gênero

Autores

Palavras-chave:

Mulheres na Matemática; Questões de Gênero; História de Vida; IFMA.

Resumo

O presente estudo relata a trajetória acadêmica de mulheres que concluíram o curso de Matemática, no Instituto Federal do Maranhão (IFMA), Campus Buriticupu, entre os anos de 2014 e 2022, utilizando os estudos de gênero como instrumento de análise. Este estudo busca elucidar as vivências de mulheres na matemática, destacando suas táticas e estratégias, evidenciado redes de apoio e aliados, sob a perspectiva dos desafios e das vitórias, objetivando fomentar debates sobre equidade de gênero no ambiente acadêmico e fortalecer a representatividade feminina na Matemática. Adotou-se uma abordagem metodológica qualitativa, apoiou-se nos pensamentos de Spindola e Santos (2003) com aplicação da metodologia da História de Vida, ressaltando a narrativa e a subjetividade dessas experiências. O estabelecimento de redes de apoio revela-se crucial para a superação de desafios. As vivências de Flávia, Marta e Laura (nomes fictícios) enfatizaram a importância de ambientes de apoio (emocional, técnico, pedagógico, familiar, científico) para o êxito acadêmico e a promoção da equidade de gênero nas instituições escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Antonia Thalia da Silva dos Santos, IFMA

Mestranda em Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEduMat) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Possui graduação em Licenciatura em Matemática pelo Instituto Federal do Maranhão (IFMA). Atualmente faz parte do Grupo de Pesquisa NIEMS (Núcleo de Investigações em Educação Matemática e Sociedade) do PPGEduMat/UFMS.  Lattes:http://lattes.cnpq.br/7235951289319709. ORCID:https://orcid.org/0009-0008-8740-1902.

Francisca Márcia Costa de Souza, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA)

Mestra em História do Brasil pelo Programa de Pós-Graduação em História do Brasil pela Universidade Federal do Piauí - UFPI. É professora no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Lattes: http://lattes.cnpq.br/2931497013763179. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3856-1589. E-mail:francisca.souza@ifma.edu.br

Gabriella da Silva Mendes, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutora em Educação em Ciências e Saúde pelo Instituto NUTES de Educação em Ciências e Saúde, pelo Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências e Saúde (PPGECS), e editora da Página de Divulgação Científica e História da Ciência: Meninas na Ciência. E-mail: gabiufrj1@gmail.com. lattes:http://lattes.cnpq.br/1421538301501842

Referências

ALMEIDA, J. S.; SOARES, M. Mudaram os tempos; mudaram as mulheres? Memórias de professoras do Ensino Superior. Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 17, n. 2, p. 557-580, jul. 2012. https://doi.org/10.1590/S1414-40772012000200013.

ASSIS, E. S. As Relações de Gênero na Licenciatura em Matemática. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, v. 9, n. 1, pág. 54, 2020. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/6921 . Acesso em: 25 jun. 2023.

BARROS, M. N. C. Incentivo da mulher à prática e estudo das ciências e matemática. 2021. Trabalho de Conclusão de Curso (Física) - Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/43348. Acesso em: 24. mai. 2023.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo: Fatos e Mitos. 4 ed. Difusão Européia do Livro, 1949.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Tradução: Maria Helena Kühner. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BUTLER, J. Gender trouble: Feminism and the subversion of identity. Routledge, 1990.

COLLINS, P. H.; BILGE, S. Interseccionalidade. Tradução: Rane Souza. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

CORDEIRO, J. C. A.; BARBOZA, P. L. Nos Embaraços da Interdição: Desvelando Discursos acerca da Mulher com a Matemática. e-Mosaicos, v. 10, n. 23, p. 131–147, 2021. Disponível em:https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/e-mosaicos/article/view/53641. Acesso em: 24 jun. 2023.

CORREIA, A; MESQUITA, A. Os estudantes adultos não tradicionais e a aprendizagem no Ensino Superior: linhas orientadoras para uma melhor integração destes novos públicos. Artigo submetido à 6ª Conferência da Associação Portuguesa de Sistemas de Informação, 26-28, ESTG, Bragança. 2005. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/302859258.pdf. Acesso em: 13 out. 2023.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas foram denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, v. 23, n. 79, pág. 257–272, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002000300013&lng=pt&tlng=pt . Acesso em: 18 jun. 2023.

FLÁVIA. Entrevista: [out. 2023]. Entrevistadora: SANTOS, A. T. S. Buriticupu, 2023. 1 arquivo .mp3 (104 min.).

GONÇALVES, B. M. V., SILVA, P. A. GONÇALVES, B. M. V., FROTA, D. A. CARDOSO, M. B. Mulheres na Ciência e Matemática: o que Dizem as Teses e Dissertações. Jornal Internacional De Estudos Em Educação Matemática, v. 15, n. 3, p. 364–372, 2023. Disponível em: https://jieem.pgsskroton.com.br/article/view/9791. Acesso em: 18 jun. 2023.

HECK, M. F.; PRETTO, V. "Reflexões sobre as Intrínsecas Relações entre Gênero e a Matemática". Vivências. Revista Eletrônica De Extensão Da URI, 2018. Disponível em: http://www2.reitoria.uri.br/~vivencias/Numero_026/artigos/pdf/Artigo_24.pdf . Acesso em: 18 jun. 2023.

HOOKS, B. Feminist Theory: From Margin to Center. South End Press, 1984.

IFMA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - Buriticupu, 2014. Projeto de curso de licenciatura em matemática. Disponível em:https://buriticupu.ifma.edu.br/wp-content/uploads/sites/16/2019/03/PPC-LICENCIATURA-EM-MATEM%C3%81TICA-IFMA-BURITICUPU.pdf . Acesso em: 12 out. 2023.

JULIANO, M. C. C.; YUNES, M. A. M. Reflexões sobre rede de apoio social como mecanismo de proteção e promoção de resiliência. Revista Ambiente & Sociedade, v. 3, pág. 135–154, conjunto. 2014.https://doi.org/10.1590/S1414-753X2014000300009.

JUNGES, D. L. V.; ROSA, L. P.; CONTE, A. R. Mulheres matemáticas: esse assunto está em pauta? Educação, Ciência e Cultura, v. 26, n. 3, 2021. Disponível em: https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Educacao/article/view/7737. Acesso em: 18 jun. 2023.

LAURA, Entrevista: [out. 2023]. Entrevistadora: SANTOS, A. T. S. Buriticupu, 2023. 1 arquivo .mp3 (72 min.).

LIMA, R. B. Estudos Culturais e Literatura Oral do planejamento à transcrição, textualização e transcriação. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, 4(2). 2017. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/1054. Acesso em: 18 out. 2023.

MARQUES, E. L. G.; PINHEIRO, J. M. L. Lugar de mulher é... também na matemática: compreensões a partir da perspectiva da Educação Matemática Crítica. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, v. 24, n. 3, pág. 558–590, 2022. Disponível em:https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/59205. Acesso em: 18 jun. 2023.

MARTA. Entrevista: [out. 2023]. Entrevistadora: SANTOS, A. T. S. Buriticupu, 2023. 1 arquivo .mp3 (77 min.).

MELO, C. I. B. de. Relações de gênero na matemática: o processo histórico-social de afastamento das mulheres e algumas bravas transgressoras. Revista Ártemis, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 189–200, 2018. https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8214.2017v24n1.34424.

MOSCHKOVICH, M.; ALMEIDA, A. M. F. Desigualdades de gênero na carreira acadêmica no Brasil. Dados, v. 58, n. 3, pág. 749–789, conjunto. 2015. https://doi.org/10.1590/00115258201558.

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Sobre o nosso trabalho para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável no Brasil. Brasília: Casa ONU Brasil, 2012. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/sdgs. Acesso em: 24 mai. 2023.

OLIVEIRA-SILVA, L. C.; PARREIRA, V. A. D. “Barreiras e enfrentamentos de mulheres em carreiras predominantemente masculinas”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 30, n. 1, e74161, 2022. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2022v30n174161.

SÍGOLO, V. M.; GAVA, T.; UNBEHAUM, S. Equidade de gênero na educação e nas ciências: novos desafios no Brasil atual. Cadernos Pagu, n. 63, e216317, 2021. https://doi.org/10.1590/18094449202100630017.

SILVEIRA, N. S. S.; GUSMÃO, T. C. R. S.; JARDIM, S. R. M.; et al. Elementos que condicionam a presença de mulheres mo âmbito da Educação Matemática na Bahia: uma análise com base nas relações sociais de gênero. Revista de História da Educação Matemática, v. 9, p. 1–20, 2023. Disponível em: https://www.histemat.com.br/index.php/HISTEMAT/article/view/533. Acesso em: 25 jun. 2023.

SOUZA, J. B.; LOGUERCIO, R. Q. Fome de quê? A [in]visibilidade de meninas e mulheres interditadas de atuarem na Educação das áreas Exatas. Ciência & Educação (Bauru), v. 27, p. e21069, 2021. https://doi.org/10.1590/1516-731320210069.

SOUZA, L. G. R.; OLIVEIRA, M. A. A Matemática Como Discurso: uma análise da relação mulher-matemática na obra O Homem Que Calculava, de Malba Tahan. Bolema: Boletim de Educação Matemática, v. 33, p. 871–891, 2019. https://doi.org/10.1590/1980-4415v33n64a21.

SPINDOLA, T.; SANTOS, R.D.S. Trabalhando com a história de vida: percalços de uma pesquisa(dora?). Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 2, pág. 119–126, jun. 2003. https://doi.org/10.1590/S0080-62342003000200014.

YIN. Robert. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed., Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

2024-04-15

Como Citar

SANTOS, A. T. da S. dos; SOUZA, F. M. C. de; MENDES, G. da S. . Mulheres matemáticas: trajetórias de vida de egressas do IFMA Campus Buriticupu sob a perspectiva dos estudos de gênero. Revista de Investigação e Divulgação em Educação Matemática , [S. l.], v. 8, n. 1, 2024. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ridema/article/view/43080. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos