Marcas de Universalidade em Saberes e Práticas de Professores de Matemática na Amazônia Amazonense

Autores

Palavras-chave:

Amazônia, Amazônia; Decolonialidade, Comunidades Ribeirinhas

Resumo

Este artigo é um recorte de uma pesquisa de doutorado em andamento. Nosso objetivo neste texto é identificar marcas de universalidade em saberes e práticas docentes de professores de matemática que ensinam em comunidades ribeirinhas no Amazonas, a partir do pensamento decolonial. Sustentamos nossa discussão teórica em trabalhos de pesquisadoras e pesquisadores da Rede Modernidade/Colonialidade (M/C), que alertam como a ideia de universalidade se solidifica atrelada ao mito da modernidade e como este, por sua vez, se enraíza em nossos imaginários por meio de relações de poder sociais e subjetivas, que emergem do colonialismo formal e perduram até os dias atuais. Buscamos estabelecer um diálogo entre a Rede M/C e pesquisadores da área de educação matemática, que identificam e questionam a universalidade e a neutralidade convencionalmente atribuídas a essa disciplina. Colaboraram com esta pesquisa quatro professores que atuam em escolas da rede pública municipal de educação de Manaus, localizadas em comunidades ribeirinhas nas margens do Rio Negro. Com base em depoimentos desses colaboradores, observamos traços de colonialidade, manifestados em discursos de uma suposta universalidade da matemática, que estão presentes na formação dos professores e nos currículos escolares, e que se refletem em saberes e práticas docentes. Esses depoimentos sugerem, também, que, apesar de os professores reconhecerem que o lugar que hoje a matemática ocupa não produz sentidos ou afetos em seus estudantes, ainda é difícil superar tais ideias de universalidade, tão arraigadas no imaginário social. Por isso, entendemos serem urgentes e indispensáveis movimentos decoloniais no ensino de matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

ARROYO, M. G. Currículo, Território em Disputa. Petropólis, RJ: Vozes, 2013, 5a. ed., 2013.

BERNARDINO-COSTA, J.; MADONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Org.) Decolonialidade e Pensamento Afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2019, p. 27-53. (Coleção Cultura Negra e Identidades)

DUSSEL, Enrique. 1492: O Encobrimento do Outro: a origem do mito da modernidade. Tradução Jaime A. Clasen. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

ESCOBAR, A. Mundos y conocimientos de outro modo. Tabula Rasa, Bogotá – Colombiam n. 1, jan. – dez. 2003.

GIRALDO, V.; FERNANDES, F. S. Caravelas à vista: giros decoloniais e caminhos de resistência na formação de professoras e professores que ensinam matemática. Perspectivas em Educação Matemática, Mato Grosso do Sul, v. 12, n. 30, p. 467-501, 2019.

HABER, A. Nometodología Payanesa: notas de metodologia indisciplinada. Revista de Antropologia, n. 23, 2011.

GHEDIN, E.; FRANCO, M. A. S. Questões de método na construção da pesquisa em educação. São Paulo: Cortez, 2011. 2. ed.

GOMES, N. L. O Movimento Negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos. In: Bernardino Costa, J.; Maldonado Torres, N.; Grosfoguel, R. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

MATOS, D. Experiências com matemática(s) na escola e na formação inicial de professores: desvelando tensões em relações de colonialidade. Tese (Programa de Pós-graduação em Ensino de Matemática). Rio de Janeiro, 2019.

OLIVEIRA, I. A.; SOUZA, S. F. Colonialidade pedagógica: outras epistemologias e insurgências pedagógicas. In: OLIVEIRA, I. A.; SOUZA, S. F. (Org.). Diferentes olhares epistemológicos sobre a educação. Belém: CCSE-UEPA, 2017.

PINTO, J. R. S.; MIGNOLO, W. D. A modernidade é de fato universal? Reeemegência, desocidentalização e opção decolonial. Civitas, Porto Alegre, v.15, n.3, p. 381-402, jul-set-2015.

ROQUE, T. Desmascarando a equação. A história no ensino de que matemática? Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n 2, p. 167 – 185, jul – dez- 2014.

ROQUE, T.; GIRALDO, V. Um Segundo turno entre Leibniz e Descartes: o infinito contra o negacionismo. Bolema (Rio Claro), v. 36, n. 74, i-x, 2022.

SAVIANI, Dermeval. Histórias das Ideias Pedagógicas no Brasil. 2ªed.Campinas: Editora Autores Associados Ltda. 2008.

TAMAYO, C.; MENDES, J. R. Opção decolonial e modos outros de conhecer na Educação (Matemática). Revista de Educação Matemática, São Paulo (SP), v. 18, 2021.

Downloads

Publicado

2023-08-14

Como Citar

GIRALDO, V.; SOUZA DA SILVA, E. Marcas de Universalidade em Saberes e Práticas de Professores de Matemática na Amazônia Amazonense. Revista de Investigação e Divulgação em Educação Matemática , [S. l.], v. 7, n. 1, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ridema/article/view/41290. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

GT 19 - Educação Matemática - Trabalhos das Reuniões Regionais da Anped – 2022