Uso de sequência didática de matemática para potencializar a aprendizagem de um aluno com Síndrome de Down

Autores

Palavras-chave:

Ensino de Matemática;, Síndrome de Down, Sequência Didática, Aprendizagem Significativa;, Contagem e Adição

Resumo

O presente artigo teve como objetivo investigar as contribuições do uso de Sequências Didáticas de matemática, em especial sobre o conteúdo de contagem e adição para potencializar a aprendizagem de um aluno com Síndrome de Down. Desse modo, neste artigo serão apresentadas as atividades desenvolvidas ao longo de uma Sequência Didática elaborada para um aluno com Síndrome de Down, a fim de potencializar sua aprendizagem no que tange aos conceitos de contagem e adição. Assim, a Sequência Didática contemplou uma abordagem diferenciada utilizando para isso aspectos do interesse e da apreciação do aluno a quem foi destinada, tais como, materiais pedagógicos e a articulação do futebol. A prática do futebol associada ao conteúdo estudado demonstrou ser um recurso fundamental de apoio às ações desenvolvidas, visto que, o aluno possuía um amplo interesse relacionado a esse esporte, sendo, portanto, um canal essencial para motivação no processo de ensino e aprendizagem. Por meio da observação aliada à reflexão no decorrer das atividades, foi possível verificar que a introdução de temáticas apreciadas pelo aluno promoveram o interesse e contribuíram  para a aprendizagem. Isso evidencia a necessidade do professor partir de ações que visam os interesses dos alunos para promover uma aprendizagem agradável e significativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

BASSANI, Cecília da Silva. A Síndrome de Down e as dificuldades de aprendizagem.

Taboão da Serra: Anhanguera, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

BRASIL. Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre necessidades Educativas

Especiais. Brasília: CORDE, 1994.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa

com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União. Brasília,

DF, 6 jul. 2015. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-

/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 20 mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros

Curriculares Nacionais: Matemática (1º e 2º ciclos do ensino fundamental). v. 3. Brasília:

MEC, 1997.

CANNING C. D, PUESCHEL S. M. Expectativas de desenvolvimento: visão panorâmica. In:

Pueschel SM, org. Síndrome de Down: guia para pais e educadores. Tradução Lúcia

Helena Reily. Campinas: Papirus; 1993.

CORRÊA, V. C. O uso de sequências didáticas visando um ensino de ciências inclusivo para

alunos com síndrome de down. In: Congresso Brasileiro de Educação Especial, 7., 2016, São

Carlos: Universidade Federal de São Carlos. Anais...Anais do congresso, 2016. p. 1-14.

D’ AMBRÓSIO, U. Porque se ensina matemática? Texto de curso a distância, promovido

pela SBEM. Disponível em: <www.sbem.com.br>. Acesso em: 18 mai. 2017.

FEUERSTEIN, R. The dynamic assessment of retarded performers: the learning potential

assessment device, theory, instruments and techniques. Baltimore: University Park Press;

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de

Administração de empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.

KIRK, S. A.; GALLAGHER, J. J. Educação da criança excepcional. São Paulo: Martins

Fontes, 2002.

LLEWELLYN, S.; NORTHCOTT, D. The “singular view” in management case studies

qualitative research in organizations and management. An International Journal, v. 2, n. 3, p.

-207, 2007.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão Escolar: o que é? por quê? como fazer?. Summus

Editorial, 2015.

MEIRELLES, Elisa. Como organizar sequências didáticas. São Paulo, 1 fev. 2014.

Disponível em:<https://novaescola.org.br/conteudo/1493/como-organizar-sequencias-

didaticas>. Acesso em: 2 ago. 2017.

PIMENTEL, Susana Couto. (Con) viver (com) a Síndrome de Down em escola inclusiva:

mediação pedagógica e formação de conceitos. Salvador, BA: UFBA, 2007.

UNICEF et al. Declaração Mundial sobre Educação para todos. Satisfação das Necessidades

Básicas de Aprendizagem. Jomtiem, 1990.

VOIVODIC, Maria Antonieta MA. Inclusão escolar de crianças com Síndrome de Down.

ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2013.

YIN. R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ZANELLI, J. C. Pesquisa qualitativa em estudos da gestão de pessoas. Estudos da

Psicologia, n. 7, p. 79-88, 2002.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

MADURO, C. B. .; ALVES RODRIGUES, P. A. Uso de sequência didática de matemática para potencializar a aprendizagem de um aluno com Síndrome de Down . Revista de Investigação e Divulgação em Educação Matemática , [S. l.], v. 5, n. 1, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ridema/article/view/35240. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Ensino e aprendizagem de Matemática para a Educação Infantil