Algumas ideias do Modelo dos Campos Semânticos a partir de um episódio de uma aula de Trigonometria

Colega e o chuveirinho

  • Rodolfo Chaves
  • Lígia Arantes Sad
  • Alexandre Krüger Zocolotti
Palavras-chave: Conhecimento, Produção de Significado, Leituras (plausível e positiva), Aula de Trigonometria

Resumo

No presente artigo abordamos algumas ideias pertinentes ao Modelo dos Campos Semânticos (MCS) e utilizamos resíduos de enunciação de um episódio de aula de Trigonometria para discutirmos nosso entendimento a respeito de conhecimento, leituras (plausível e positiva), significado, produção de significado, estipulação local, enunciação e resíduos de enunciação. Tomamos como base um dos alicerces teóricos de suporte ao Modelo, explicitado na psicologia pedagógica proposta por Davydov. No que se refere à visão de conhecimento, além da concepção apresentada por R. C. Lins, também destacamos as apresentadas por Foucault e Nietzsche, não no sentido de confrontá-las, mas de examiná-las para que pudéssemos efetuar uma leitura positiva das enunciações do ator durante processo, com vistas a tentar compreender os significados produzidos por tal ator, bem como a maneira de operar desse sujeito da pesquisa.

Referências

CHAVES, R.; FERRARI, V.L.A.; RODRIGUES, P.S.; IORA, M. Teoria da atividade, produção de significado e interdisciplinaridade como sustentáculo a uma possível ideia de educação etnomatemática. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica. v.7, n.2, nov.2017.
CHAVES, R. Por que anarquizar o ensino de Matemática intervindo em questões socioambientais? 223p. Tese (Doutorado em Educação Matemática), PPGEM, IGCE de Rio Claro, Unesp. Rio Claro, 2004.
DAVYDOV, V.V. O que é atividade de estudo. Trad. PRESTES, E. Revista Escola Inicial, n.7, ano 1999.
____. Problems of Developmental Teaching: The Experience of Theoretical and Experimental Psychological Research – Excerpts. Revista Soviet Education, v.XXX, n.8. Aug./1986.
____. Tipos de generalización em la enseñanza. 2. reimp. Moscou: Editorial Pedagógica, 1982.
FOUCAULT, M. Nietzsche, a genealogia e a história. In: Microfísica do poder. Trad. MACHADO, R. 25 ed. São Paulo: Graal, 2012.
____ A verdade e as formas jurídicas, 2 ed. 2. reimp. Rio de Janeiro: Nau, 2001.
____. A arqueologia do saber. Trad. NEVES, L.F.B. 4 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.
GOODMAN, N. Of mind and other matters. Cambridge: Harvard University Press, 1984.
LEONTIEV, A.N. Actividad, conciencia y personalidade. México: Cartago, 1984.
____. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.
____. Atividade e Consciência. 1972. In: . Acesso em: 30 nov. 2015
LINS, R.C. O Modelo dos Campos Semânticos: estabelecimento e notas de teorizações. In: ANGELO, C.L. et al (org.). Modelo dos Campos Semânticos e Educação Matemática: 20 anos de história. São Paulo: Midiograf, 2012. p.11-30.
____. Matemática, monstros, significados e Educação Matemática. In: BICUDO, M.A.V.; BORBA, M. de C. Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004.
____. Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In: BICUDO, M.A.V. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: concepções & perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 1999. p.75-94(Seminários DEBATES Unesp).
____. Epistemologia, História e Educação Matemática: tornando mais sólida as bases da pesquisa. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática – São Paulo, Ano 1, n. 1, set./1993, p.75-91.
_____ A framework for understanding what algebrraic thinking is. Phd Thesis. Inglaterra: University of Notttingham – UK, 1992.
LINS, R.C.; GIMÉNEZ, J. Perspectivas em aritmética e álgebra para o século XXI. 3. ed. Campinas: Papirus, 1997. (Perspectivas em Educação Matemática). LURIA, A.R. Desenvolvimento cognitivo: seus fundamentos sociais e culturais. 4. ed. São Paulo: Ícone, 1990.
Publicado
2019-03-14
Seção
Artigos