Ser criança

uma experiência geracional na Educação Infantil

Autores

Palavras-chave:

Infância, Geração, Educação Infantil

Resumo

Esse artigo sistematiza dados de uma pesquisa que buscou investigar o que dizem sobre ser criança e ser adulto as crianças da Educação Infantil. O aporte teórico se sustenta na filosofia de Walter Benjamin. Como conclusão destaca-se que ser criança é, dentro outros, uma questão geracional. Ser criança implica determinados comportamentos cheios de nuances que indicam que, como categoria, não se trata de um grupo homogêneo. As crianças vivem o desafio do pertencimento a uma geração, transitam entre passado e presente, misturando as histórias das gerações de seus pais e avós com as suas e através de suas narrativas se formam sujeitos do presente, nas trocas entre as culturas que ocorrem dentro do ambiente escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anelise Monteiro do Nascimento, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro/UFRRJ

Professora Associada da Universidade Federral Rural do Rio de Janeiro. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares PPGEduc/UFRRJ. Pós-doutora em Educação (UFF/2019). Possui doutorado em Educação (Puc/Rio, 2013) com período sanduíche em Université Paris Descartes - Paris V (2011), Mestrado em Educação pela - PUC - Rio (2004), Especialização em Educação Infantil pela PUC/Rio (2000) e Graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ (1999). Tem experiência na área de Educação atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, sociologia da infância, infância e cidade, políticas públicas e formação de professores. É Coordenadora do GRUPIs - Grupo de Pesquisa Infâncias até dez anos onde desenvolve os Projetos: Educação Infantil, pandemia e ações dos Municípios da Baixada Fluminense" e "Educação Infantil na Baixada Fluminense: a obrigatoriedade da inclusão das crianças de quatro anos na educação básica" (FAPERJ/APQ1)

Referências

BENJAMIN, Walter. Walter Benjamin: sobre arte, técnica, linguagem e política. Tradução : Theodor

Adorno. Lisboa : Relógio D’água, 2012.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 2002.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I: magia e técnica: arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas II: rua de mão única. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 2000.

BOCK, Wolfgang. Fragmentos de uma teoria da cor em Walter Benjamin. In: BARRENECHEA, Miguel Angel (Org.). As dobras da memória. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.

BOLLE, Willi. As passagens de Walter Benjamin: um ensaio imagético. In: KRAMER, Sonia et al. Política, cidade, educação: itinerários de Walter Benjamim. 1. ed. Rio de Janeiro: PUC- Rio: Contraponto, 2009.

BORBA, Angela. Quando as crianças brincam de ser adultos: vir-a-ser ou experiência de infância. In: LOPES, Jader; MELLO, Marisol. O jeito de que nós crianças pensamos sobre certas coisas: dialogando com lógicas infantis. Rio de Janeiro: Rovelle, 2009.

CORSARO, Willian. Friendship and peer culture in the early years. Norwood, N. J.: Ablex, 1985.

CORSARO, Willian. Sociologia da Infância. Porto Alegre, Artmed, 2011.

COSTA, Dora CALVÃO, Luiz Rodrigues. Trabalho Infantil. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. A experiência do trabalho e a educação Básica. 3. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2010.

FEIXA, Carles; LECCARDI, Carmem. O conceito de geração nas teorias sobre juventude. Revista Sociedade e Estado, v. 25, n. 2, maio/ago. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v25n2/03.pdf. Acesso em: 19 nov. 2012.

FERREIRA, Manuela. “Ela é nossa prisioneira!” Questões teóricas, epistemológicas e ético-metodológicas a propósito dos processos de obtenção da permissão das crianças pequenas numa pesquisa etnográfica. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 18, n. 2, p.151-182, jul./dez. 2010

LOPES, Jader. Geografia da Infância: contribuições aos estudos das crianças e suas infâncias. Revista Educação Pública, Cuiabá, p. 283-294, maio/ago. 2013.

MURICY, Kátia. Alegoria da dialética: imagem e pensamento em Walter Benjamin. Rio de Janeiro: Nau, 2009.

NASCIMENTO, Anelise. Escola, professores e crianças na construção da identidade da educação infantil In: KRAMER, Sonia (Org.). Retratos de um desafio: crianças e adultos na educação infantil. São Paulo: Ática, 2009.

QVORTRUP, Jens. Nove teses sobre a infância como um fenômeno social. Pro-Posições, Campinas, v. 22, jan./abr. 2011. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pp/v22n1/15.pdf. Acesso em 25 nov. 2012.

SARMENTO, Manuel. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educação e Sociedade, Campinas, n. 91, maio/ago. 2005.

SARMENTO, Manuel. Et al. Trabalho e lazer no quotidiano das crianças exploradas. In: GARCIA, Regina (Org.). Crianças essas conhecidas tão desconhecidas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

VELHO, Gilberto. Observando o Familiar. In: NUNES, Edson. A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

Downloads

Publicado

2022-07-29