O universo social e cultural das vivências atmosféricas das crianças

Autores

Palavras-chave:

Geografia da Infância. Teoria Histórico Cultural. Vivências Atmosféricas das Crianças

Resumo

Este artigo tem como objetivo conceber uma Geografia a partir das vivências atmosféricas das crianças. Suas expressões espaciais, lógicas e autorias infantis. Foram realizadas pesquisas com crianças em duas escolas públicas: no Distrito da Matinha, em Feira de Santana – BA, e com crianças cegas, e com deficiência múltipla no Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro. Os processos ocorreram na forma de encontros onde foi possível a escuta sensível dessas crianças, nesses diferentes espaços e tempos, onde elas foram agentes criadoras de outras linguagens geográficas, partindo de suas observações atmosféricas. A partir da relação e das significações que as crianças estabeleceram com os elementos do meio, da vida, ressignificam suas culturas. Entendemos que a Teoria Histórico Cultural possibilita a compreensão do desenvolvimento humano como um ser histórico e social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danusa da Purificação Rodrigues, Universidade Estadual de Feira de Santana/BA

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF), vinculada ao campo Linguagem, Cultura e Processos Formativos (2021). Mestre em Modelagem em Ciências da Terra e do Ambiente pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2012).Bacharel em Geografia pela Universidade Católica do Salvador (2009). Especialista em Modelagem em Ciências da Terra e do Ambiente pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2008).Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2007). Atua principalmente nos temas de: educação, geografia, cartografia e geoprocessamento, meio ambiente, recursos hídricos, modelagem ambiental. Atualmente é Analista Universitária - Geógrafa na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Professora na Secretaria Estadual de Educação da Bahia (SEC-BA).

Luciana Maria Santos de Arruda , Instituto Benjamin Constant/RJ

Possui doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2020), Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (2014) pós graduação em Ensino de Geografia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011) em Gestão e Controle Ambiental pela Universidade Gama Filho (2007) graduação Licenciatura em Geografia na Faculdade de Formação de Professores - FFP/UERJ (1998) . Atualmente é professora de geografia e membro da comissão do Concurso do Livro Tátil do Instituto Benjamin Constant. Faz audiodescrição e adaptação de materiais e livros didáticos para Braille e Tipo Ampliado. Faz a assessoria na produção de mapas táteis.

Referências

ARRUDA, Luciana Maria Santos de. “Eu quero que o vento leve a gente lá... pra outro país”: (E) ventos e encontros com crianças no Instituto Benjamin Constant. 2020. 265 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2020.

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato responsável. (Org.). Tradução Valdemir Miotello, Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012.

BARBIER, René. A escuta sensível em educação. In: Cadernos ANPED, n. 5 – 15ª reunião anual. Porto Alegre, 1993.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Vocação de criar: anotações sobre a cultura e as culturas populares. Cad. Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 138, p. 715-746, dez. 2009. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742009000300003&lng=en&nrm=iso>. https://doi.org/10.1590/S0100-15742009000300003. Acesso em: 30 mar. 2021.

GAIVOTA, Daniel. O risco de “criancear”: para amar o tempo da escola. In: MELLO, Marisol Barenco de. (Org.). O amor em tempos de escola. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017. 207 p.

KRAVTSOVA, Helena E. Pesquisas Contemporâneas na Área da Psicologia Histórico-Cultural. In: VERESK. Cadernos Acadêmicos Internacionais: estudos sobre a perspectiva histórico-cultural de Vigotski. Brasília: UniCEUB, 2014. p. 43-63.

LOPES, Jader Janer Moreira. Terreno baldio: um livro sobre balbuciar e criançar os espaços para desacostumar Geografias: por uma teoria sobre a espacialização da vida. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021. 199 p.

LOPES, Jader Janer Moreira; FERNANDES, Maria Lídia Bueno. Geografia das Infâncias, geografia dos bebês, das crianças e dos jovens e a geografia dos cuidados: veredas de coetaneidade e da alteridade. In: FERNANDES, Maria Lídia Bueno; LOPES, Jader Janer Moreira; TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos. (Org.). Geografia das crianças, dos jovens e das famílias: temas, fronteiras e conexões. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2021. 324 p.

LOPES, Jader Janer Moreira; PAULA, Sara Rodrigues Vieira de. As crianças, os cantos, os debaixos e os atrás: crônicas de vivências espaciais. Revista Signos Geográficos, v. 2, p. 2-16, 2020. ISSN: 2675-1526. https://www.revistas.ufg.br/signos/article/view/61344. Acesso em: 23 de mar. 2020.

LOPES, Jader Janer Moreira. A “Natureza” Geográfica do Desenvolvimento Humano: diálogos com a teoria histórico-cultural. In: TUNES, Elisabeth. O fio tenso que une a Psicologia à Educação. Brasília: UNICEUB, 2013.

OLIVEIRA, Alarcon Matos de; LIMA, Anna Paula de Alencar de; MOTA, Katia de Araujo., SANTOS, Rosângela Leal; SANTO, Sandra Medeiros. O uso da técnica de sensoriamento remoto para a localização de lagoas no município de Feira de Santana-BA. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 13, Florianópolis, 21-26 de abril de 2007. Anais. p. 2939-2946.

PRATA, Antonio. Nu, de botas. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

RODRIGUES, Danusa da Purificação. “Se chover demais é ruim para plantação”: vivências atmosféricas das crianças em Feira de Santana – Bahia. 2021. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2021.

VIGOTSKI, Lev Seminiovitch. El niño ciego. In: VIGOTSKI, Lev Seminiovitch. Obras Escogidas V: fundamentos de defectología. Madrid: Visor, 1997. p. 99-113

VIGOTSKI, Lev Seminiovitch. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico: livro para professores. Apresentação e comentários Ana Luiza Smolka. Tradução Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, Lev Seminiovitch. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Tradução Márcia Pileggi Vinha. Psicologia USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 681-701, 2010.

VIGOTSKI, Lev Seminiovitch. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico: livro para professores. Tradução e revisão técnica Zoia Prestes e Elizabeth Tunes. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

VIGOTSKI, Lev Seminiovitch. Sete aulas de L. S. Vigotski sobre os fundamentos da pedologia. Organização [e tradução] Zoia Prestes, Elizabeth Tunes. Tradução Cláudia da Costa Guimarães Santana. - Rio de Janeiro: E-Papers, 2018.

ZANETTE, Marcos Suel. Pesquisa qualitativa no contexto da Educação no Brasil. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 65, p. 149-166, jul./set. 2017.

Downloads

Publicado

2022-07-29