A formação identitária negra frente à educação antirracista

uma análise a partir da narrativa autobiográfica

Palavras-chave: Educação antirracista, Formação de professores

Resumo

O artigo discute a formação identitária negra a partir de reflexões da autora sob sua trajetória de vida. Para tal, utilizou-se a narrativa autobiográfica como metodologia base, intercalando as discussões de autores, referências na temática das relações étnico-raciais, entendidas aqui como construções sócio-históricas, influenciadas tanto pelo racismo estruturado na sociedade brasileira quanto pela herança europeia dominante. A autora, como sujeito sociocultural, faz o exercício de perceber os encontros com o outro e as desigualdades manifestas nestas relações, sem perder de vista o entrecruzamento do gênero e de raça presente na sua formação identitária. A Pedagogia, pautada por seu papel educativo transformador, questiona quaisquer indícios contra a dignidade do ser humano e sua liberdade, além de contribuir na formação de uma sociedade mais justa, igualitária e, de fato, antirracista.

Biografia do Autor

Maria Antonieta Teixeira, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Professora da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Mestra em Educação, Cultura e Organizações Sociais pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG).

Daiane Oliveira da Cruz, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Pedagoga. Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG).

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. Feminismos Plurais/ Coordenação de Djamila Ribeiro. São Paulo (SP): Pólen, 2019; p.152.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural?. Feminismos Plurais/ Coordenação de Dijamila Ribeiro. Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018, p.203.

AVANZI, Maria Rita; GASTAL, Maria Luiza de Araújo. Saber da experiência e narrativas autobiográficas na formação inicial de professores de biologia. Instituto de Ciências Biológicas, Núcleo de Educação Científica, Universidade de Brasília (UnB). Bauru: Ciênc. Educ., v. 21, n. 1, jun./2015; p. 149-158.

BARBOSA, Muryatan Santana. Eurocentrismo, História e História da África. Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana, n. 1 jun./2008; p. 46 - 63.

BRASIL, MEC. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, MEC/SEPPIR, 2004.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003a, p. 01. (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L10.639.htm).

CANDAU, Vera Maria. MOREIRA, Antonio Flávio. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2ª Ed. Petrópolis (RJ): Editora Vozes LTDA, 2008.

COSTA, Roseli Araújo Barros; GONÇALVES, Tadeu Oliver. Histórias de vidas de professores: apontamentos teóricos. Revista Espaço Acadêmico, n. 64, 2006.

NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Resolução 217 A (III) da Assembleia Geral, Paris, 1948.

FERNANDES, Viviane Barbosa. SOUZA, Maria Cecília C. C. Identidade Negra entre exclusão e liberdade. Instituto de Estudos Brasileiros, n. 63, abr./2016; p. 103-120.

FREDERICO, CELSO. O multiculturalismo e a dialética do universal e do particular. Estudos Avançados, v. 30, n. 87, 2016; p. 237-25.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Práxis. 2ª Ed.; São Paulo: Cortez Editora, 1998.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. 2003. Universidade de São Paulo. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/Corpo-e-cabelo-como-s%C3%ADmbolos-da-identidade-negra.pdf. Acesso em, 12/09/19; v. 3, 2012.

GOMES, Nilma Lino. Cultura negra e educação. Revista Brasileira de Educação, v. 23, p. 75-85, 2003.

GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e pesquisa, v. 29, n. 1, p. 167-182, 2003.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural?. 2006.

GOMES, Nilma Lino. Mulheres negras e educação: trajetórias de vida, histórias de luta. Revista Cadernos Pagu, Unicamp, V Encontro de História Oral, Belo Horizonte, FAFICH, 1999.

GOMES, Nilma Lino. MUNANGA, Kabengele. O negro no Brasil de hoje. 2ª Ed. - São Paulo: Global, 2016.

GUSMÃO, Neusa Maria. Linguagem, Cultura e Alteridade: imagens do outro. Cadernos de Pesquisa, nº 107, julho/1999; p. 41-78.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006; p.102. Título original: "The question of cultm·al identity", in: S. Hall, D. Held e T. McGrew. Modernity and its fatures. Politic Press/Open University Press, 1992.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. São Paulo: Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, n. 1; jun./2014; p. 61-73.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de: João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação. Jan/Fev/Mar/Abr 2002, n. 19; p. 20 - 28.

MUNANGA, Kabengele. Nosso racismo é um crime perfeito. Fundação Perseu Abramo. Disponível em: https://fpabramo.org.br/2010/09/08/nosso-racismo-e-um-crime-perfeito-entrevista-com-kabengele-munanga/

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira [S.l: s.n.]; Niterói (RJ), 2004; p. 1-17.

ORTIZ, Renato. Arte, Cultura e Poder. Seminário da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, em 2013

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1983; Coleção Tendências, v.4, 2ª ed.; p.88.
Publicado
2020-11-30
Seção
Artigos