A dialética de ostensivos e não-ostensivos no contexto da álgebra escolar

  • Manoel Lucival Silva Oliveira Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará
  • Gleison de Jesus Marinho Sodré Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Educação Matemática, Dialética ostensivo/não-ostensivo, Teoria Antropológica do Didático

Resumo

Neste trabalho problematizamos sobre que condições a dialética de objetos ostensivos/não-ostensivos pode contribuir para o ensino da álgebra escolar. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é criar condições para o ensino da matemática escolar, em particular, a noção de operações com polinômios a partir de materiais manipulativos, tomando como base o uso de objetos geométricos, em que assumimos como pressuposto teórico as noções da teoria antropológica do didático. Os resultados obtidos apontaram que o uso de materiais manipulativos inspirados na Geometria Plana deu sentido e significado ao ensino da álgebra escolar, além de apontar fatores determinantes na construção de saberes do discente, como a noção de Geometria Analítica e novas formas de relações com problemas polinomiais.

Referências

ANDRADE, Roberto Carlos Dantas. A noção de tarefa fundamental como dispositivo didático para um percurso de formação de professores: o caso da Geometria Analítica. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas) - Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012. https://drive.google.com/file/d/0Bxa8Ai93RdHQRTNpSWc4RE5fWFk/view. Acesso em: 04 ago. 2019.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro03.pdf. Acesso em: 01 ago. 2019.




BOSCH, Marianna. Recorridos de investigación en Didáctica de las Matemáticas: el grupo TAD. En A. Estepa, Á. Contreras, J. Deulofeu, M. C. Penalva, F. J. García y L. Ordóñez (Eds.), Investigación en Educación Matemática XVI. Jaén: SEIEM. 2012. p. 23 – 47. http://www.seiem.es/docs/actas/16/Actas16SEIEM.pdf. Acesso em: 04 ago. 2019.

BOSCH, Marianna; CHEVALLARD, Yves. La sensibilité de l’activité mathématique aux ostensifs. Recherches en didactique des mathématiques, 1999, 19(1), 77-124. http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/IMG/pdf/Sensibilite_aux_ostensifs.pdf. Acesso em: 07 ago. 2019.

CHEVALLARD, Yves. L‘analise des pratiques enseignantes em theórie anthopologique du didactique. Recherches em didactiques des mathematiques. Grenoble. La Pensée Sauvage Éditions, 1999. v. 19.2, p. 221-265.

CHEVALLARD, Yves. La notion d´ingénierie didactique, un concept à refonder. Questionnement et élémentos de réponses à partir de la TAD. In: MARGOLINAS, C. et al. (org.): En amont et en aval des ingénieries didactiques, XVª École d´Été de Didactique des Mathématiques – Clermont-Ferrand (Puy-de-Dôme). Recherches em Didactique des Mathématiques. Grenoble: La Pensée Sauvage, 2009. v. 1, p. 81108. http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/IMG/pdf/Cours_de_YC_a_l_EE_2009.pdf. Acesso em: 08 ago. 2019.

CHEVALLARD, Yves. La Transposición Didáctica: del saber sabio al saber enseñado. 2. ed. 3. reimp. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005. https://www.terras.edu.ar/biblioteca/11/11DID_Chevallard_Unidad_3.pdf. Acesso em: 28 ago. 2019.

CHEVALLARD, Yves; BOSCH, Marianna; GASCÓN, Josep. Estudar matemáticas: o elo perdido entre o ensino e aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2001.

PEREIRA, José Carlos de Sousa. Alterações e recombinações praxeológicas reveladas por professores de matemática do ensino básico em formação continuada: a partir de um modelo epistemológico alternativo para o ensino da álgebra escolar. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas) - Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará, Belém, 2017. https://drive.google.com/file/d/1S5hyeh8l_NpB3KaJjZbxg_5M6Ouh3h56/view. Acesso em: 04 ago. 2019.

SODRÉ, Gleison de Jesus Marinho. MODELAGEM MATEMÁTICA ESCOLAR: uma organização praxeológica complexa. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas) - Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará, Belém, 2019.
Publicado
2019-12-21