Inteligência e desempenho escolar em crianças entre 6 e 11 anos

  • Denise Oliveira Ribeiro Universidade Federal da Bahia
  • Patrícia Martins de Freitas Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Inteligência, desempenho escolar, aprendizagem, desenvolvimento infantil, sexo.

Resumo

O desempenho escolar faz parte do desenvolvimento de crianças e adolescentes, sendo um importante preditor de sucesso na vida adulta. O objetivo
deste estudo foi investigar a relação entre inteligência e desempenho acadêmico, analisando a influência da idade, sexo e escola. Participaram 196 crianças
com idade entre 6 a 11 anos, de escolas públicas e particulares da cidade de Vitória da Conquista, BA. Foram aplicados os Teste de Desempenho Escolar
e as Matrizes Progressivas Coloridas de Raven. As análises foram feitas através dos seguintes testes: correlação de Spearman e Kendall. Os resultados
mostraram correlações moderadas e significativas entre inteligência e desempenho escolar (rho=0,57; p<0,05), o que demonstra a importância da
avaliação da inteligência em casos de dificuldades de aprendizagem.

Biografia do Autor

Denise Oliveira Ribeiro, Universidade Federal da Bahia
Graduação em Psicóloga pela Universidade Federal da Bahia. Mestranda em Psicologia: Cognição e Comportamento pela Universidade Federal de Minas Gerais.
Patrícia Martins de Freitas, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Ciências da Saúde, área de concentração Saúde da Criança e do Adolescente, pela Faculdade de Medicina da UFMG, em 2009.
Mestre em Psicologia, área de concentração Psicologia do Desenvolvimento, pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG em 2004 e
graduação em Psicologia pela mesma instituição em 2003. Professora associada do Instituto Multidisciplinar em Saúde da Universidade Federal da
Bahia. Programa de Pós Graduação em Ensino da Universidade do Sudeste da Bahia. Coordenadora do Núcleo de Investigações Neuropsicológicas
da Infância e Adolescência.

Referências

Alloway, T.P. & Alloway, R. G. (2010). Investigating the predictive roles of working memory and IQ in academic attainment. Journal of Experimental Child Psychology, 106(1), 20-29. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022096509002021
Alloway, T. P., & Gregory, D. (2013). The predictive ability of IQ and Working Memory scores in literacy in an adult population. International Journal of Educational Research, 57, 51-56. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0883035512000985.
Almeida, L. S., Lemos, G., Guisande, M. A. & Primi. R. (2008) Inteligência, escolarização e idade: normas por idade ou série escolar? Avaliação Psicológica, 7(2), 117-125. Em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712008000200002
Alves, F. (2013). Políticas educacionais e desempenho escolar nas capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa, 38(134), 413-440. Em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742008000200008
Alves, M. T. G., Nogueira, M. A., Nogueira, C. M. M., & Resende, T. F. (2013). Fatores familiares e desempenho escolar: uma abordagem multidimensional. Revista Dados, 56(3). Em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582013000300004
Angelini, A. L., Alves, I. C. B.; Custódio, E. M.; Duarte, W. F. & Duarte, J. L. M. (1999). Matrizes Progressivas Coloridas de Raven: Escala Especial. Manual. São Paulo: CETEPP.
Au, J., Sheehan, E., Tsai, N., Duncan, G. J., Buschkuehl, M., & Jaeggi, S. M. (2015). Improving fluid intelligence with training on working memory: a meta-analysis. Psychonomic bulletin & review, 22(2), 366-377. Em http://link.springer.com/article/10.3758%2Fs13423-014-0699-x.
Bandeira, M., Rocha, S. S., Souza, T. M. P., Del Prette, Z. A. P., & Del Prette, A. (2006). Comportamentos problemáticos em estudantes do ensino fundamental: Características da ocorrência e relação com habilidades sociais e dificuldade de aprendizagem. Estudos de Psicologia, 11(2), 199-208. Em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2006000200009.
Barrigas, C. & Fragoso, I. (2012). Maturidade, desempenho acadêmico, capacidade de raciocínio e estatuto socioeconômico em crianças de Lisboa entre os 6 e os 13 anos de idade. Revista Portuguesa de Educação, 25(1), 193-215. Em http://revistas.rcaap.pt/rpe/article/view/3021.
Calvin, C. M., Fernandes, C., Smith, P., Visscher, P. M., & Deary, I. J. (2010). Sex, intelligence and educational achievement in a national cohort of over 175,000 11-year-old school children in England. Intelligence, 38(4), 424-432. Em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160289610000334
Carpenter, P. A., Just, M. A., & Shell, P. (1990). What one intelligence test measures: A theoretical account of processing in the Raven progressive matrices test. Psychological Review, 97(3), 404-431. Em http://psycnet.apa.org/journals/rev/97/3/404/.
Colom, R., Flores-Mendoza, C., & Rebollo, I. (2003). Working memory and intelligence. Personality and Individual Differences, 34, 33-39. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0191886902000235.
Deary, I. J., Strand, S., Smith, P. & Fernandes, C. (2007) Intelligence and educational achievement. Inteligence, 35, 13-21. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160289606000171.
Flores-Mendoza, C. E., Mansur-Alves, M., Lelé, A. J. & Bandeira, D. R. (2007) Inexistência de Diferenças de Sexo no Fator g (Inteligência Geral) e nas Habilidades Específicas em Crianças de Duas Capitais Brasileiras. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), 499-506. Em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722007000300018.
Floyd, R. G., Evans, J. J., & McGrew, K. S. (2003) Relations between measures of Cattell-Horn-Carroll (CHC) cognitive abilities and mathematics achievement across the school-age years. Psychology in the Schools, 40(2), 155-171. Em http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/pits.10083/pdf.
Fonseca, G. U. S., Lima, R. F., Ims, R. E., Coelho, D. G., & Ciasca, S. M. (2015). Evidências de validade para instrumentos de atenção e funções executivas e relação com desempenho escolar. Temas em Psicologia, 23(4), 843-858. Em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2015000400005.
Giacomoni, C. H., Athayde, M. L., Zanon, C. & Stein, L. M. (2015). Teste do Desempenho Escolar: evidências de validade do subteste de escrita. Psico-USF, 20(1), 133-140. Em http://www.scielo.br/pdf/pusf/v20n1/1413-8271-pusf-20-01-00133.pdf.
Gomes, C. M. A. (2010). Avaliando a avaliação escolar: notas escolares e inteligência fluida. Psicologia em Estudo, 15(4), 841-849. Em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722010000400020.
Gomes, C. M. A. & Golino, H. F. (2012) O que a inteligência prediz: diferenças individuais ou diferenças no desenvolvimento acadêmico? Psicologia: teoria e prática, 14(1), 126-139. Em http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/2639.
Gottfredson, L. (1997) Mainstream science on intelligence: An editorial with 52 signatories, history, and bibliography. Intelligence, 24(1), 13-23. Em http://www.intelligence.martinsewell.com/Gottfredson1997.pdf.
Hattie, J. A. C. (2009). Visible learning: A synthesis of over 800 meta-analyses relating to achievement. London, UK: Routledge.
Jaeggi, S. M., Buschkuehl, M., Jonides, J., & Perrig, W. J. (2008). Improving fluid intelligence with training on working memory. Proceedings of the National Academy of Sciences, 105(19), 6829-6833. Em http://www.pnas.org/content/105/19/6829.full.
Lemos, G., Almeida, L. S., Guisande, M. A. & Primi, R. (2008). Inteligência e rendimento escolar: análise da sua relação ao longo da escolaridade. Revista Portuguesa de Educação, 21(1), 83-99. Em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=37421105.
Lu L., Weber H. S, Spinath F. M., & Shi, J. (2011). Predicting school achievement from cognitive and non-cognitive variables in a Chinese sample of elementary school children. Intelligence, 39(2-3), 130-140. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160289611000225.
Luo, D., Thompson, L. A., & Detterman, D. K. (2003). The causal factor underlying the correlation between psychometric g and scholastic performance. Intelligence, 31(1), 67-83. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160289602001137.
Mackintosh, N. J. (2011) IQ and Human Intelligence. (2a ed.). Oxford: Oxford University Press.
Maia, A. C. B., & Fonseca, M. L. (2002). Quociente de inteligência e aquisição de leitura: Um estudo correlacional. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(2), 261-270. Em http://www.scielo.br/pdf/prc/v15n2/14350.pdf.
Marturano, E. M., Toller, G. P. & Elias, L. C. S. (2005). Gênero, adversidade e problemas socioemocionais associados à queixa escolar. Estudos de Psicologia, 22(4), 371-380. Em http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v22n4/v22n4a05.pdf.
Millones, D. L. M., Leeuwen, K. V. & Ghesquière, P. (2013). Associations between psychosocial functioning and academic achievement: the peruvian case. Universitas Psychologica, 12(3), 725-737. Em http://www.scielo.org.co/pdf/rups/v12n3/v12n3a07.pdf.
Mól, D. A. R. & Wechsler, S. M. (2008). Avaliação de crianças com indicação de dificuldades de aprendizagem pela bateria Woodcock-Johnson III. Psicologia Escolar e Educacional, 12(2), 391-399. Em http://www.scielo.br/pdf/pee/v12n2/v12n2a10.pdf.
Moreira, R. S., Magalhães, L. C., & Alves, C. R. (2014). Efeito do nascimento prematuro no desenvolvimento motor, comportamento e desempenho de crianças em idade escolar: revisão sistemática. Jornal de Pediatria, 90(2), 119-134. Em http://www.scielo.br/pdf/jped/v90n2/pt_0021-7557-jped-90-02-00119.pdf.
Oliveira-Ferreira, F., Costa, D. S., Micheli, L. R., Sílvia Oliveira, L. D. F., Pinheiro-Chagas, P., & Haase, V. G. (2012). School Achievement Test: Normative data for a representative sample of elementary school children. Psychology & Neuroscience, 5(2), 157. Em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=207025281018.
Pereira, M. & Almeida, L. (2010). Predição do rendimento académico no final do ensino secundário na base dos testes de QI na infância. Revista Galego-Portuguesa de Psicología e Educación, 18(1), 239-249. Em http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/11550
Piccolo, L. D. R., & Salles, J. F. (2013). Vocabulário e memória de trabalho predizem desempenho em leitura de crianças. Psicologia: Teoria e Prática, 15(2), 180-191. Em http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/4576
Primi, R., Ferrão, M. E. & Almeida, L. S. (2010). Fluid intelligence as a predictor of learning: A longitudinal multilevel approach applied to math. Learning and Individual Differences, 20(5), 446-451. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1041608010000592.
Primi, R., Santos, A. A., & Vendramini, C. M. M (2002). Habilidades básicas e desempenho acadêmico em universitários ingressantes. Estudos de Psicologia, 7, 47-55. Em www.scielo.br/pdf/epsic/v7n1/10953.pdf.
Rindermann, H. & Neubauer, A. C. (2004) Processing speed intelligence, creativity, and school performance: Testing of causal hypotheses using structural equation models. Intelligence, 32(6), 573-589. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160289604000479.
Rohde, T. E. & Thompson, L. A. (2007) Predicting academic achievement with cognitive ability. Intelligence, 35(1), 83-92. Em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160289606000535.
Silvares, E. F. D. M. (2006). Atendimento psicológico em clínicas-escola. Campinas: Alínea.
Siquara, G. M. (2014) A influência da memória operacional no desempenho acadêmico em crianças de 7 a 12 anos de idade. Dissertação (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Instituto de Psicologia).
Siqueira, C. M. & Gurgel-Giannetti, J. (2011). Mau desempenho escolar: uma visão atual. Revista da Associação Médica Brasileira, 57(1), 78-87. Em http://www.scielo.br/pdf/ramb/v57n1/v57n1a21.pdf.
Stein, L. M. (1994). Teste de Desempenho Escolar: manual para aplicação e interpretação. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.
Sternberg, R. J., Grigorenko, E. L., & Bundy, D. A. (2001). The predictive value of IQ. Merrill-Palmer Quarterly, 47(1), 1-41.
Stock, P., Desoete, A., & Roeyers, H. (2009). Predicting Arithmetic Abilities: The Role of Preparatory Arithmetic Markers and Intelligence. Journal of Psychoeducational Assessment, 27(3), 237-251. Em http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/0734282908330587.
Valentini, F., & Laros, J. A. (2014). Inteligência e desempenho acadêmico: revisão de literatura. Temas em Psicologia, 22(2), 1-15. Em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v22n2/v22n2a03.pdf.
Publicado
2018-04-26