Edições anteriores

  • Produção Literária de Autoria Feminina II
    v. 23 n. 2 (2019)

    A edição da Revista IPOTESI, volume 23, número 2, de jul./dez. 2019, do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Minas Gerais, reúne contribuições acadêmicas originais que priorizam as reflexões sobre a produção literária de autoria feminina, como continuação do número 1 do volume 23 de janeiro a junho de 2019. O debate sobre essa escrita, mais do que descentralizar a literatura canônica, tenciona ir além das questões de gênero e perpassar as discussões sobre alteridade, etnia, corpo, identidade, exclusão, opressão, subalternidade, subversão. Consequentemente, oferece uma inevitável resistência diante do controle social que problematiza a representação da sua identidade e da sua subjetividade, tanto na construção da escrita de si quanto na construção múltipla do seu papel feminino no tempo e espaço social. Apresentamos pesquisas que trazem à discussão a representação e a ressignificação da mulher como escritora desde o final do século XIX.

    Editoras deste número: Nícea Helena de Almeida Nogueira e Patrícia de Paula Aniceto

    Capa de Felipe Monteiro de Oliveira

    Apoio Editorial: Grupo de Pesquisa “Travessias e Feminismo(s): estudos identitários de autoria feminina” (CNPq) do PPG Letras: Estudos Literários, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). 

  • Capa de Felipe Monteiro de Oliveira Produção Literária de Autoria Feminina I
    v. 23 n. 1 (2019)

    A edição da Revista IPOTESI, volume 23, número 1, de jan./jun. 2019, do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Minas Gerais, reúne contribuições acadêmicas originais que priorizam as reflexões sobre a produção literária de autoria feminina. O debate sobre essa escrita, mais do que descentralizar a literatura canônica, tenciona ir além das questões de gênero e perpassar as discussões sobre alteridade, etnia, corpo, identidade, exclusão, opressão, subalternidade, subversão. Consequentemente, oferece uma inevitável resistência diante do controle social que problematiza a representação da sua identidade e da sua subjetividade, tanto na construção da escrita de si quanto na construção múltipla do seu papel feminino no tempo e espaço social. Apresentamos pesquisas que trazem à discussão a representação e a ressignificação da mulher, como escritora, desde o século XIX até os dias atuais .

    Editoras deste número: Nícea Helena de Almeida Nogueira e Patrícia de Paula Aniceto

    Capa de Felipe Monteiro de Oliveira

    Apoio Editorial: Grupo de Pesquisa “Travessias e Feminismo(s): estudos identitários de autoria feminina” (CNPq) do PPG Letras: Estudos Literários, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). 

  • Polissistemas
    v. 22 n. 2 (2018)
  • Literatura e Mundo
    v. 22 n. 1 (2018)
  • LITERATURA E MÚSICA
    v. 20 n. 1 (2016)
  • Literatura e Sagrado
    v. 16 n. 2 (2012)
  • Trabalho e Migração
    v. 16 n. 1 (2012)
  • Literatura Marginal
    v. 15 n. 2 (2011)
  • José Saramago
    v. 15 n. 1 (2011)
  • Literaturas Africanas
    v. 14 n. 2 (2010)
1-25 de 34