Frequência do consumo de alimentos in natura ou minimamente processados em lactentes

  • Gleice Dalvas Cypriano Santos Universidade Federal de Juiz de Fora, Instituto de Ciências Biológias, Departamento de Nutrição
  • Jéssica Almeida Silva da Costa Universidade Federal de Juiz de Fora, Instituto de Ciências Biológias, Departamento de Nutrição
  • Michele Pereira Netto Universidade Federal de Juiz de Fora, Instituto de Ciências Biológias, Departamento de Nutrição
Palavras-chave: Alimentação complementar. Consumo alimentar. Lactente. Nutrição do lactente.

Resumo

Objetivou-se avaliar o consumo de alimentos in natura ou minimamente processados na dieta de crianças de 0 a 24 meses, que estejam em alimentação complementar. Tratando-se de um estudo transversal realizado durante o período de maio a julho de 2016, com os responsáveis por lactentes de 0 a 24 meses, frequentadores de 5 UAPS das regiões central e oeste do município de Juiz de Fora- MG. Foram coletados dados socioeconômicos e dados referente ao consumo alimentar, através de um questionário semiestruturado de frequência alimentar que contemplava questões sobre o consumo de alimentos in natura ou minimamente processados usualmente ingeridos pelo público alvo.  Utilizou-se o programa SPSS 19.0 para proceder as análises estatísticas. O nível de significância adotado foi de 5%. A amostra foi constituída por 112 indivíduos, cuja mediana de idade era de 13 (1-24) meses, desses, 50% eram do sexo feminino. As famílias apresentaram renda mediana de 2 (1-5) salários mínimos. Foi constatado que 42% e 20% dos lactentes não consomem carnes e verduras diariamente. As crianças que não consomem verduras diariamente, apresentaram mediana de idade maior do que aquelas que consomem diariamente. Também foi encontrado uma variação do consumo de acordo com a renda familiar, e as crianças que consomem frutas, legumes e verduras diariamente, apresentam mediana de renda maior do que aquelas que não consomem tais alimentos diariamente.  Os resultados encontrados reforçam a necessidade de ações efetivas para estimular o consumo de alimentos in natura ou minimamente processados, entre os lactentes.

Biografia do Autor

Gleice Dalvas Cypriano Santos, Universidade Federal de Juiz de Fora, Instituto de Ciências Biológias, Departamento de Nutrição
Departamento de Nutrição
Jéssica Almeida Silva da Costa, Universidade Federal de Juiz de Fora, Instituto de Ciências Biológias, Departamento de Nutrição
Departamento de Nutrição
Michele Pereira Netto, Universidade Federal de Juiz de Fora, Instituto de Ciências Biológias, Departamento de Nutrição
Departamento de Nutrição

Referências

AQUINO, R.C; PHILIPPI, S.T. Consumo infantil de alimentos industrializados e renda familiar na cidade de São Paulo. Revista de Saúde Pública, v. 36, n.6, p. 655-600, ago. 2002.

ARAÚJO, N.L et al. Alimentação dos lactentes e fatores relacionados ao aleitamento materno. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 14, p. 1064-1072, dez. 2013.

BERCINIL, O. et al. Alimentação da criança no primeiro ano de vida, em Maringá, PR. Ciência Cuidado e Saúde, v.6, n.2, p.404-410, 2007.

Brasil - Ministério da Saúde. Saúde da criança: nutrição infantil. Aleitamento materno e alimentação complementar. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_nutricao_aleitamento_alimentacao.pdf>. Acesso em: out., 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para crianças menores de dois anos. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2002. Serie A. Normas e manuais técnicos. Disponível em: <http://www.redeblh.fiocruz.br/media/guiaaliment.pdf>. Acesso em: ago, 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. II pesquisa de prevalência de aleitamento materno nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas; 2009. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pesquisa_prevalencia_aleitamento_materno.pdf>. Acesso em: out, 2017.

CAVALCANTE, I.S; GUBERT, M.B. Frequência de consumo de alimentos marcadores de alimentação saudável e não saudável entre crianças de 1 a 5 anos em uma população de baixa renda no Distrito Federal. Monografia (Bacharelado em Nutrição). Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

CORRÊA, E.M et al. Alimentação complementar e características maternas de crianças menores de dois anos de idade em Florianópolis (SC). Revista Paulista de Pediatria, v.27, n.3, p.258-264, fev. 2009.

DEWEY, K.G. et al. Effects of exclusive breastfeeding for 4 versus 6 months on maternal nutritional status and infant motor development: results of two randomized trials in Honduras. Jornal de Nutrição, v. 131, n.2, p. 262-267, fev. 2001.

GIUGLIANI, E.R.J.; VICTORA, C.G. Alimentação complementar. Jornal de Pediatria, v.76, n.3, p.253-262, 2000.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares no Brasil (POF)2002-2003. Rio de Janeiro: IBGE; 2004 [citado2008 nov. 17]. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: out. 2017

MONTE, C.M; GIUGLIANI, E.R. Recomendações para a alimentação complementar da criança em aleitamento materno. Jornal de Pediatria, v.80, n.5, p. 131-141, nov. 2004.

MONTRONE, V.G; ARANTES, C.I. Prevalência do aleitamento materno na cidade de São Carlos, São Paulo. Jornal de Pediatria, v.76, n.2, p.138-142, 2000.

OLIVEIRA, B.B; PARREIRA, B.D.M; SILVA, S.R. Introdução da alimentação complementar em crianças menores de um ano: vivência e prática das mães. Revista de Enfermagem e Atenção Saúde, v.3, n.1, p. 2-13, 2014.

OLIVEIRA, L.P.M. et al. Alimentação complementar nos primeiros dois anos de vida. Revista de Nutrição, v.18, n.4, p.459-469, jul. 2005.

Pan American Health Organization. Guiding principles for complementary feeding of the breastfed child. Washington (DC): PAHO; 2003. Disponível em: <http://www.who.int/nutrition/publications/guiding_principles_compfeeding_breastfed.pdf>. Acesso em: out, 2017.

SCHINCAGLIA, R.M et al. Práticas alimentares e fatores associados à introdução precoce da alimentação complementar entre crianças menores de seis meses na região noroeste de Goiânia. Epidemiologia e Serviço de Saúde, v.24, n.3, p.465-474, set. 2015.

SOTERO, A.M; CABRAL, P.C; SILVA, G.A.P. Fatores socioeconômicos, culturais e demográficos maternos associados ao padrão alimentar de lactentes. Revista Paulista de Pediatria, v.33, p.445-452, 2015.

TOLONI, M.H.A et al. Introdução de alimentos industrializados e de alimentos de uso tradicional na dieta de crianças de creches públicas no município de São Paulo. Revista de Nutrição, v.24, p.61-70, jan. 2011.

VIEIRA G.O et al. Hábitos alimentares de crianças menores de um ano amamentadas e não amamentadas. Jornal de Pediatria, v.80, n.5, p.411-416, jul. 2004.

World Health Organization. Complementary feeding: report of the global consultation, and summary of guiding principles for complementary feeding of the breastfed child. Geneva, Switzerland: WHO; 2002. Disponível em: <http://www.who.int/nutrition/publications/infantfeeding/924154614X/en/>. Acesso em: set., 2017.

Publicado
2018-10-15
Como Citar
1.
Santos GDC, Costa JAS da, Netto MP. Frequência do consumo de alimentos in natura ou minimamente processados em lactentes. hu rev [Internet]. 15º de outubro de 2018 [citado 15º de agosto de 2020];43(3):233 -28. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2820
Seção
Artigos Originais