Direitos de Aprendizagem em Ciências Naturais no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa

  • Cristhiane Cunha Flôr
  • Guilherme Trópia Barreto Andrade
Palavras-chave: Direitos de Aprendizagem. Ensino de Ciências. PNAIC.

Resumo

No presente trabalho temos o objetivo de discutir o fundamento formativo de professores denominado “Direitos de Aprendizagem” desenvolvido no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Iniciamos pela discussão das possibilidades de representação do termo Direito que podem ser produzidas no campo educacional, como a dualidade direito-dever, a perspectiva legalista ou o direito como possibilidade de trabalho nas articulações entre as diferentes componentes curriculares. Em seguida exploramos a questão “que ciências temos o direito de aprender nas escolas?” a partir de concepções que apropriam ou deslocam a questão da neutralidade da ciência e suas implicações no ensino de ciências. Por fim, apresentamos uma possível articulação entre os Direitos de Aprendizagem e as ciências que temos o direito de aprender a partir de uma situação exemplar. Defendemos o direito de aprender ciências numa perpectiva em que exploramos a vida e experimentamos o mundo em novos pensamentos e conhecimentos, em detrimento às ciências em que os conhecimentos já estão prontos para serem apenas desvelados por alunos e professores.

Biografia do Autor

Cristhiane Cunha Flôr
Professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), orienta no Programa de Pós Graduação em Educação da UFJF. Licenciada em Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mestre e doutora em Educação Científica e Tecnológica pela UFSC.
Guilherme Trópia Barreto Andrade
Guilherme Trópia Barreto de Andrade: Professor do Departamento de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Licenciado em Ciências Biológicas (UFMG), mestre em Educação Científica e Tecnológica (UFSC) e doutorando em Ensino de Ciências e Matemática (UNICAMP).
Publicado
2015-02-24
Seção
Artigos