Políticas curriculares e subalternização do trabalho docente

  • Sandra Escovedo Selles
  • Everardo Paiva Andrade
Palavras-chave: Autonomia docente. Formação de professores. Regulação. Políticas curriculares.

Resumo

O artigo examina sentidos de autonomia docente, buscando apoio nas reflexões de autores que, em movimentos ora convergentes, ora divergentes, vão delineando uma problemática acerca do tema. Apoia-se na ideia de que diferentes estratégias buscam regular o trabalho docente, e que, no âmbito de suas práticas, os professores implementam táticas que modulam tais projetos de regulação. Argumenta que a regulação pela política, em especial, que as políticas curriculares subalternizam a prática docente e o trabalho do professor. Para fundamentar o argumento, busca evidências em textos de políticas curriculares que circulam no contexto educacional. A análise percorre a exploração não exaustiva de sentidos de autonomia na literatura e examina, sobretudo, as contribuições teóricas de Claude Lessard e António Nóvoa, procurando problematizar o conceito. Conclui, por uma compreensão contingente da autonomia de professores que os considere como sujeitos capazes de construir sua própria concepção no contexto de culturas docentes valorizadas e fortalecidas.

Biografia do Autor

Sandra Escovedo Selles
Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense. Licenciada em Ciências Biológicas pela UERJ e Doutora em Educação em Ciências pela University of East Anglia, Inglaterra, trabalha e investiga a formação de professores e a história do currículo. Atua no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense. É Bolsista de Produtividade 1-D do CNPq, Cientista de Nosso Estado pela FAPERJ. Coordena o CDC – Grupo de Pesquisa Currículo, Docência & Cultura – nessa universidade.
Everardo Paiva Andrade
Professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense. Licenciado em História e doutor em Educação pela mesma Universidade, trabalha com a formação de professores e atua no Programa de PósGraduação em Educação da FEUFF. Seus interesses de pesquisa voltam-se para a docência – profissão e forma- ção – e para o ensino de História. É vice coordenador do CDC – Grupo de Pesquisa Currículo, Docência & Cultura e pesquisador do LEH – Laboratório de Ensino de História, ambos da FEUFF.
Publicado
2016-06-17
Seção
Artigos