Avaliação da qualidade na educação infantil

impasses e perspectivas no Brasil

  • Maria Malta Campos Fundação Carlos Chagas
Palavras-chave: Educação Infantil, Avaliação da qualidade de programas, Avaliação do Desenvolvimento Infantil

Resumo

Este artigo busca levantar algumas questões sobre o tema da avaliação das políticas de educação infantil no Brasil. Parte do contexto atual sobre esse debate, no país e no exterior, mostrando como princípios e consensos estabelecidos a partir da década de 90 estão hoje sendo questionados por diversos motivos e por diferentes atores sociais. A partir dessa conjuntura, este texto aponta alguns fatores que tencionam as propostas de avaliação da qualidade do atendimento nessa etapa da educação básica, examinando os diversos argumentos que são utilizados para discutir as interfaces entre as avaliações das condições de oferta e as avaliações do desenvolvimento infantil.

Referências

BARROS, Ricardo P. et al. Uma avaliação do impacto da qualidade da creche no desenvolvimento infantil. Pesquisa e Planejamento Econômico. Brasília, v.41, n. 2, ago. 2011, p. 2013 – 232.

BERTRAM, A. D.; PASCAL, C. Effective Early Learning (EEL): A handbook for evaluating, assuring and improving quality in settings for Three to Five Year Olds. Birmingham: Amber Publishing, 2004.

BERTRAM, A. D.; PASCAL, C. Baby Effective Early Learning (BEEL): A handbook for evaluating, assuring and improving quality in settings for Birth to Three Year Olds. Birmingham: Amber Publishing, 2006.

BHERING, Eliana et al. Educação infantil: políticas internacionais para crianças de 0 a 3 anos. (no prelo).

BONDIOLI, Anna M. Avaliação e cultura de qualidade nos serviços italianos para a infância: orientações e experiências dos anos 1990 aos dias de hoje. Pro-Posições. Campinas, v. 29, n. 2, mai./ago. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília: Senado Federal, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2016a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 20 nov. 2019.

______. Ministério da Educação. INEP. Avaliação Nacional da Educação Infantil (ANEI). Brasília: MEC/INEP, 2016b. Disponível em: anei@inep.gov.br. Acesso em: março 2019.

_____. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/CNE, 2009a.

_____. Ministério da Educação. Indicadores da qualidade na educação infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009b.

_____. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Ministério da Educação. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília: MEC, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Monitoramento do uso dos Indicadores da qualidade na educação infantil. Brasília: MEC/SEB, s./d. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 08 mai. 2016.

BRASIL. Marco Legal da Primeira Infância. Lei no. 13.257 de 8 de março de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em 17 out. 2018.

CAMPOS, Maria M. Avaliação na primeira infância: contribuições para o debate. In: Utilização de métodos e instrumentos padronizados de avaliação na primeira infância: convergências e divergências. Fortaleza: SESC, 2016, p. 33–45.

______. Entre as políticas de qualidade e a qualidade das práticas. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 43, n. 148, jan./abr. 2013, p. 22 – 43.

______. Políticas educativas e avaliação para as primeiras idades no Brasil. In: Cardona, M. J.; Guimarães, Célia M. (coord.). Avaliação na educação de infância. Viseu, Portugal: Psicosoma, 2012, p. 61–76.

______. A questão da creche: história de sua construção na cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 71, n. 169, set./dez. 1990, p. 212 – 231.

CAMPOS, Maria M. et al. A qualidade da educação infantil: um estudo em seis capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 41, n. 142, jan./abr. 2011, p. 20 – 54.

CAMPOS, Maria M.; RIBEIRO, Bruna. Autoavaliação institucional participativa em unidades de educação infantil da rede municipal de São Paulo. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2016. (Textos FCC: relatórios técnicos, v. 48).

______. Autoavaliação institucional participativa em unidades de educação infantil da rede municipal de São Paulo – II. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2017. (Textos FCC: relatórios técnicos, v. 51).

CENPEC. (org.) Razões e desafios do gestor da Educação. Dez entrevistas sobre a prática da gestão educacional. São Paulo: Fundação Santillana/Moderna, 2018.

FOLQUE, Maria A. Desenvolver a qualidade em parcerias (DQP) – Um referencial com potencialidades múltiplas. Cadernos de Educação de Infância, n 95, 2012, p. 14–19. Disponível em: http://dspace.uevora.pt/rdpc/ . Acesso em: dia. nov. 2019.

FORMOSINHO, Júlia et al. Ethical principles for holistic pedagogic evaluation. In: Formosinho, Júlia; Pascal, Christine. Assessment and evaluation for transformation in Early Childhood. Londres: EECERA/Routledge, 2016, p. 131-141.

GARIBOLDI, Antonio; MASELLI, Marina. Construindo a avaliação em conjunto: a experimentação de uma abordagem participativa para avaliação na região italiana da Emília Romanha. Pro-Posições. Campinas, v. 29, n 2, mai./ago. 2018. http://scielo.br. Acesso em 24/09/2019.

HARMS, Thelma; CLIFFORD, Richard M; CRYER, Debby. The early childhood enviroment rating scale: revised edition (ECERS – R). Nova York: Teachers College Press, 2005.

HARMS, Thelma; CRYER, Debby; CLIFFORD, Richard M. Infant-Toddler environment rating scale: revised edition (ITERS - R). Nova York: Teachers College Press, 2006.

LAEVERS, Ferre. Fundamentos da educação experiencial: bem-estar e envolvimento na educação infantil. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v.25, n. 58, mai./ago. 2014, p. 152 – 185.

LESEMAN, Paul P. M. L’impact d’une offre d’éducation et d’accueil de qualité sur le développement des jeunes enfants. Synthèse de la recherche. In: EACEA. L’éducation et l’accueil des jeunes enfants en Europe: réduire les inégalités sociales et culturelles. Bruxelas: EACEA – Eurydice, Commission Européenne, 2009, p. 17–49.

MELHUISH, Edward. Efeitos de longo prazo da educação infantil: evidências e política. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 43, n. 148, jan./abr. 2013, p. 124 – 149.

MORO, Catarina. Avaliação de contexto e políticas públicas para a educação infantil. Laplage em Revista. Sorocaba, vol. 3, n. 1, jan./abr. 2017, p. 44 – 56.

MORO, Catarina; SOUZA, Sandra Z. Produção acadêmica brasileira sobre avaliação em educação infantil: primeiras aproximações. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v.25, n. 58, mai./ago. 2014, p. 100 – 125.

NCPI. Núcleo Ciência pela Infância. Comitê Científico. O impacto do desenvolvimento na primeira infância sobre a aprendizagem. São Paulo: NCPI, 2014.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. A avaliação da qualidade como garantia do impacto da provisão na educação de infância. In: Ministério da Educação. Manual DQP - Desenvolvendo a Qualidade em Parcerias. Portugal: Ministério da Educação, s./d., p. 9–14. Disponível em: dge.mec.pt. Acesso em: 01 Nov. 2019.

OECD. Organisation for Economic Co-operation and Development. Starting Strong IV: Monitoring quality in early childhood education and care. Paris: OECD Publishing, 2015.

______. Organisation for Economic Co-operation and Development. Starting Strong III: A quality toolbox for early childhood education and care. Paris: OECD Publishing, 2011.

______. Organisation for Economic Co-operation and Development. Starting Strong II: Early childhood education and care. Paris: OECD Publishing, 2006.

PASCAL, Christine; BERTRAM, Tony. Participatory methods for assessment and evaluation. In: Formosinho, Júlia; Pascal, Christine. (ed.) Assessment and evaluation for transformation in Early Childhood. Londres: EECERA/Routledge, 2016, p. 74 – 92.

PIMENTA, Claudia O. Avaliações municipais da educação infantil: contribuições para a garantia do direito à educação das crianças brasileiras?. 2017 Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 2017.

PORTUGAL, Gabriela; LAEVERS, Ferre. Avaliação em Educação Pré-escolar. Sistema de acompanhamento de crianças. Porto: Porto Editora, 2010.

RIBEIRO, Bruna. Avaliação da aprendizagem na educação infantil: um estudo exploratório em 125 municípios brasileiros. Revista Linhas. Florianópolis, v. 19, n. 40, , mai./ago. 2018, p. 218 – 245.

ROSEMBERG, Fúlvia. Políticas de educação infantil e avaliação. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v.43, n. 148, jan./abr. 2013, p. 44 – 75.

SAVIO, Donatella. “Promover a partir de dentro”: uma abordagem reflexiva e participativa da avaliação de contextos educativos. Pro–Posições. Campinas, v. 29, n. 2, mai./ago. 2018. (Dossiê: Desafios para a avaliação de contexto na educação infantil: Itália e Brasil).

SOUZA, Gizele de; MORO, Catarina; COUTINHO, Angela S. (orgs.) Formação da rede em educação infantil: avaliação de contexto. Curitiba: Appris, 2015.

SOUZA, Sandra Z.; PIMENTA, Claudia O. Avaliação e gestão da educação infantil em municípios brasileiros. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 43, n. 4, out./dez. 2018, p. 1277–1300.

SYLVA, Kathy et al. Early Childhood Matters. Evidence from the Effective Pre-school and Primary Education Project. Londres: Routledge, 2010.

TAYLER, Collette. Avaliação da qualidade da educação infantil na Austrália. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v.25, n. 58, mai./ago. 2014, p. 126 – 150.

TODOS pela Educação. Anuário Brasileiro de Educação Básica 2019. São Paulo: Moderna, 2019.

YOSHIKAWA, Hirokazu et al. Investing in our future: the evidence base on preschool education. Society for Research in Child Development/Foundation for children development, Out. 2013.

Publicado
2020-06-30
Como Citar
Campos, M. M. (2020). Avaliação da qualidade na educação infantil: impasses e perspectivas no Brasil. Revista Pesquisa E Debate Em Educação, 10(1), 891 - 916. https://doi.org/10.34019/2237-9444.2020.v10.32009