O dialético e a <i>tekhné</i> no <i>Crátilo</i> de Platão

Dialetic and tékhnē in Plato’s Cratylus

  • Daniela Brinati Furtado Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Fábio da Silva Fortes
Palavras-chave: ´Platão, Crátilo, tékhne, dialético

Resumo

Neste artigo, avaliamos a noção de tékhnē em três contextos do Crátilo, que nos permitem identificar três nuances associadas ao termo: 1. como um “saber fazer” por intermédio de um instrumento (388e-389a); 2. como posse de um saber noético, no âmbito da análise etimológica dessa palavra (414b-c) e 3. como a arte de representação das coisas através dos nomes (428a-440e). Nosso ponto é mostrar que tais sentidos não são estanques e fragmentários, mas decorrem do próprio movimento dialético deste diálogo.

Referências

BRANDWOOD, Leonard. Word index to Plato. Leeds W. S. Maney and son, 1976.

CASERTANO, Giovanni. Paradigmas da verdade em Platão. Tradução de Maria da Graça Gomes de Pina. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

HUSSEY, Edward. Heráclito. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2008. Separata de: LONG, A.A. (Org.). Primórdios da filosofia grega.

LIDDELL, Henry George; SCOTT, Robert. A Greek-English Lexicon. 9. ed. rev. e amp. New York: Oxford University Press, 1996.

MONTENEGRO, Maria Aparecida de Paiva. Linguagem e conhecimento no Crátilo de Platão. In: Kriterion, nº 116. Belo Horizonte, 2007, p. 367-377.

PLATÃO. Crátilo. Diálogos: Teeteto e Crátilo. Trad. C. A. Nunes. Belém: Editora da UFPA, 1988.

SEDLEY, David. Plato`s Cratylus. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

Publicado
2019-10-05
Seção
Dossiê: XXV Semana de Estudos Clássicos da UFJF