O <i>aidós</i> de Clitemnestra: política e poder no <i>Agamêmnon</i> de Ésquilo

  • Tiago Irigaray Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: tragédia, Ésquilo, Oresteia, relações de poder, política.

Resumo

Esse artigo analisa como Clitemnestra, na Oresteia, reivindica o poder político para si e seu relativo sucesso ante uma cultura que lhe nega tal aspecto a ponto de ela nunca o exercer autonomamente. Há necessidade de uma autoridade masculina: Agamêmnon ou Egisto. Ao eliminar o marido a quem é subordinada, ela subverte a ordem e contesta a tradicional visão das relações de poder e dos laços de sangue. Em Eumênides, a visão tradicional é reestabelecida, contudo, não responde satisfatoriamente às questões que Clitemnestra suscita.

Biografia do Autor

Tiago Irigaray, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Graduando em Filosofia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

CAIRNS, D.L. Aidos – the psychology and ethics of honor and shame in Ancient Greek literature. New York: Oxford University Press, 1993.

CHESI, G.M. The play of words – blood ties and power relations on Aeschylus’ Oresteia. Berlim: DeGruyter, 2014.

ÉSQUILO. Agamêmnon. Tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2004.

FOLEY, H. P. Female acts in Greek tragedy. New Jersey: Princeton University Press, 2001.

HERÓDOTO. História. Trad. Mário da Gama Kury. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1988.

HOMERO. Odisseia. Trad. Christian Werner. São Paulo: Cosac&Naify, 2014.

POMEROY, S. B. Goddesses, whores, wives and slaves – women in Classical Antiquity. New York: Shocken Books, 1995.

ROSENFIELD, K.H. Representações da inteligência feminina na Grécia Clássica: Clitemnestra, Jocasta e Antígona. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 17. n.1, p. 187-214, jan./abril, 2014.
Publicado
2018-12-17
Seção
Artigos