A bagagem profissional de estudiosos da tradução: relatório de uma pesquisa

Autores

  • Esther Torres-Simón Universitat Rovira i Virgili
  • Anthony Pym Universitat Rovira i Virgili

Palavras-chave:

estudiosos da tradução, relação entre pesquisa-atuação prática, tradução profissional, sociologia de pesquisa

Resumo

Uma pesquisa com 305 estudiosos da tradução mostra que 96% deles já traduziram ou interpretaram “regularmente”, com tradução/interpretação sendo ou tendo sido a atividade principal ou secundária de 43% deles. Eles também parecem mudar-se com frequência (71% passaram mais de um ano em outro país sem ser o seu) e trazem bagagens acadêmicas e profissionais diversas (33% não estavam engajados na tradução ou interpretação quando tinham vinte e poucos anos). Esses dados indicam que estudiosos da tradução não apenas têm experiências consideráveis na prática de tradução, mas também apresentam uma vasta gama de bagagens profissionais e culturais. Perguntados sobre as relações desejáveis entre trabalhos acadêmicos e prática profissional, os entrevistados indicaram benefícios para ambos os lados (apesar de uma pequena maioria salientar uma relação unidirecional em que o trabalho acadêmico se beneficia da prática profissional), sendo o ensino frequentemente indicado como a ligação entre os dois. No entanto, aproximadamente um quarto dos estudiosos indicaram que não precisa haver uma relação entre estudos acadêmicos e prática profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BROWN, Sally. 2002. Do interpreters translate? Results of an e-mail survey of AIIC members to determine if interpreters also work as translators. Consortium for Training Translation Teachers. http://goo.gl/kIinas. Acessado em outubro de 2015.

CAMINADE, Monique; PYM, Anthony. 1998. “Translator-training institutions.” In Encyclopedia of Translation Studies, ed. by Mona Baker, 280-285. London & New York: Routledge.

CHESTERMAN, Andrew; WAGNER, Emma. 2002. Can Theory Help Translators? A Dialogue Between the Ivory Tower and the Wordface. Manchester: St. Jerome.

DURBAN, Chris. 2011. Translation. Getting it Right, A Guide to Buying Translation. Alexandria VA: American Translators Association. http://goo.gl/gQNvXr. Acessado em
outubro de 2015.

EST (European Society for Translation Studies). 2015. Translator Training Observatory. http://goo.gl/ZjAPYQ. Acessado em outubro de 2015.

EUROPEAN COMMISSION. 2010. Study on mobility patterns and career paths of EU researchers. Final Report. http://goo.gl/d2IV0D. Acessado em outubro de 2015.

FOCK, Holger; HAAN, Martin de; LHOTOVÁ, Alena. 2008. Comparative Income of Literary Translators in Europe. Brussels: Conseil Européen des Associations de Traducteurs Littéraires. http://goo.gl/7LRLtM. Acessado em outubro de 2015.


GILE, Daniel. 1994. “Opening up in interpretation studies.” In Translation Studies: An Interdiscipline, ed. by Mary Snell-Hornby, Franz Pöchhacker, and Klaus Kaindl, 149-158. Amsterdam and Philadelphia: John Benjamins.

NEWMARK, Peter. 1988. Approaches to Translation. Oxford: Pergamon Press.

PYM, Anthony, GRIN, François; SFREDDO, Claudio; CHAN, Andy L. J. 2012. The status of the translation profession in the European Union. Luxembourg: EUROPEAN COMMISSION.

SFT (Société Française des Traducteurs). 2010. Enquête tarifs traducteurs 2009. http://goo.gl/p7b2Mt. Acessado em outubro de 2015. Translation of "The professional backgrounds of translation scholars. Report on a survey". In Target 28/1, 2016. Reprinted with kind permission from John Benjamins Publishing Company, Amsterdam/Philadelphia. [www.benjamins.com]

Downloads

Publicado

2016-09-09

Como Citar

TORRES-SIMÓN, E.; PYM, A. A bagagem profissional de estudiosos da tradução: relatório de uma pesquisa. Rónai – Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 16–34, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ronai/article/view/23162. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos