Elegias de Sexto Propércio: Uma nova leitura em português.

The Elegies of Sextus Propertius: A New Portuguese Reading

Autores

  • Jessica Romanin Mattus Unesp - Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara

Palavras-chave:

poesia clássica, elegia, tradução, Sexto Propércio

Resumo

Analisar o livro Elegias de Sexto Propércio, traduzido por Guilherme Gontijo Flores e lançado pela Autêntica Editora em 2014 (528 p.), conta com um facilitador, que é a discussão acerca da teoria da tradução presente no posfácio da obra, na qual o tradutor também expõe suas próprias escolhas tradutórias. Apesar de não ser tão conhecido entre nós quanto são outros poetas latinos, como Horácio ou Ovídio, Propércio já havia chamado a atenção, por exemplo, de Ezra Pound, que propôs uma tradução criativa de alguns poemas selecionados desse elegíaco em Homage to Sextus Propertius (1916). A existência agora de uma tradução integral em português de suas elegias contribui para a permanência do texto latino e sua divulgação, sendo um ganho tanto para a poesia em língua portuguesa quanto para a recepção dos clássicos no Brasil.

Abstract

The analysis of the book Elegias de Sexto Propércio, translated by Guilherme Gontijo Flores and published by Autêntica Editora in 2014 (528 p.), is facilitated by the discussion about translation theories found in the afterword of the book, in which the translator also exposes his own translational choices. Although not as well known among us as other Latin poets, as Horace or Ovid, Propertius had already drawn the attention, for example, of Ezra Pound, who proposed a creative translation of some his poems in Homage to Sextus Propertius (1916). Now, the full translation into Portuguese of Propertius’ elegies contributes to the permanence and dissemination of the Latin text, being an important contribution for both Portuguese language poetry and the reception of the classics in Brazil.

Keywords: classical poetry; elegy; translation; Sextus Propertius

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

PROPÉRCIO, S. Elegias de Sexto Propércio. Organização, tradução, introdução e notas Guilherme Gontijo Flores. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014. 528 p. ISBN: 978-85-8217-395-4.

BENJAMIN, W. A tarefa do tradutor. Tradução de João Barrento. In: BRANCO, L. C (org.). A Tarefa do Tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções para o português.
Belo Horizonte. Fale/UFMG, 2008. p. 82-98

DERRIDA, J. Torres de Babel. Tradução de Junia Barreto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

FLORES, G. G. Posfácio: A diversão tradutória. In: PROPÉRCIO, S. Elegias de Sexto Propércio. Organização, tradução, introdução e notas Guilherme Gontijo Flores. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014. p. 441-513.

JAKOBSON, R. Aspectos linguísticos da tradução. In: ______. Linguística e comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. 15ª ed. São Paulo: Cultrix, 1995. p. 63-72.

SCHLEIERMACHER, F. Sobre os diferentes métodos de tradução. In: Heidermann (Org.). Clássicos da teoria da tradução. Vol. I, 2ª ed, Alemão-Português. Florianópolis: Editora UFSC, 2010. p. 38-101

Downloads

Publicado

2016-09-09

Como Citar

MATTUS, J. R. Elegias de Sexto Propércio: Uma nova leitura em português.: The Elegies of Sextus Propertius: A New Portuguese Reading. Rónai – Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 65–68, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ronai/article/view/23158. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Resenhas