Comognição e Materacia: enlaces teóricos para a promoção do discurso matemático escolar

Autores

Palavras-chave:

Educação Matemática Crítica; materacia; matemacia; discurso matemático; comognição.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo examinar os usos do termo materacia no contexto das discussões teóricas propostas por Ubiratan D’Ambrósio e Ole Skovsmose e busca fazer aproximações com a perspectiva comognitiva de Anna Sfard sobre o Discurso Matemático Escolar. A pesquisa de cunho bibliográfico fez uma análise dos neologismos D’Ambrosianos e do binômio de Skovsmose e concluiu que ambos os autores possuem visões muito parecidas quando falam de materacia. D’Ambrosio discute a materacia sempre relacionada com a literacia e tecnoracia, já Skovsmose, embora não tenha um termo específico para referir-se a tecnologia, também acredita que às habilidades ligadas a materacia são desenvolvidas a partir das habilidades tecnológicas e comunicativas. Por fim, as aproximações com os estudos de Sfard mostraram que a perspectiva comognitiva pode contribuir para o desenvolvimento da materacia, por ambas darem importância para a comunicação no processo de ensino e aprendizagem de matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

D’AMBRÓSIO, Ubiratam. Educação numa era de transição. Revista Matemática e Ciência, ano 1, n. 1, p. 8-18, abr. 2008.

D’AMBRÓSIO, Ubiratam. Educação por uma sociedade em transição – 2 ed. – Natal: EDUFRN,2011.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis, CARDOSO, Cleusa de Abreu. Educação Matemática e letramento: textos para ensinar matemática, matemática para ler o texto. Belo Horizonte, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25 ed. São Paulo: Paz e Terra,1996.

Kant, Immanuel. Crítica da razão pura. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

MACHADO, Nilson José; Matemática e língua materna: análise de uma impregnação mútua. 4.ed. São Paulo: Cortez,1998. 169 p.

MARCUSCHI, L. A. Análise da conversação. (5° ed). São Paulo. Editora Ática. 2008.

PEINADO, M.R.S. de S. O ensino do trivium e do quadrivium, a linguagem e a história na proposta de educação agostiniana,Universidade Federal do Oeste do Paraná, Imagens da Educação, v. 2, n. 1, p. 1 - 10, 2012.

RIPARDO, R. B. Escrever bem aprendendo matemática: tecendo fios para uma aprendizagem matemática escolar. Tese (Doutorado – Programa de Pós- Graduação em Educação) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

SFARD, A. Thinking as communicating: human development, the growth of discourses, and mathematzing. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

SKOVSMOSE, O. Educação crítica: a questão da democracia. Campinas – SP, 2001.

SKOVSMOSE, O. Educação crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. Tradução de Maria Aparecida Viggiani Bicudo. – São Paulo: Cortez, 2007.

SKOVSMOSE, Ole. Educação matemática crítica: a questão da democracia. 4. ed. Campinas: Papirus, 2008.

SOARES, Magda B. Letramento e escolarização. In: RIBEIRO, Vera M. Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF 2001. São Paulo: global, 2003.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Websterdictionary,2022. Disponível em: https://www.merriam-webster.com Acesso em: 15.05.2022.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

GRAFF, B. R.; RIPARDO, R. B. Comognição e Materacia: enlaces teóricos para a promoção do discurso matemático escolar. Revista de Investigação e Divulgação em Educação Matemática , [S. l.], v. 7, n. 1, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ridema/article/view/41593. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos