Nunca me sonharam

os Programas de Pós-Graduação Profissional da Área de Ensino e seus Produtos e Processos Educacionais

  • Marcus Vinicius Pereira Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)
  • Giselle Rôças Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)
Palavras-chave: Pós-graduação, Avaliação, Mestrado e Doutorado Profissional, Produtos Educacionais, Processos Educacionais

Resumo

A modalidade profissional da pós-graduação no Brasil nunca foi “sonhada” por muitos e nem mesmo pela CAPES. Ao congregarmos Áreas afins, educação e saúde, entendidas como prioritárias, respondem por 28,5% dos cursos profissionais recomendados, e a Área de Ensino representa quase 39,3% desses. Apesar de cumprirem a formação de recursos humanos, transferência de tecnologias e soluções de baixo custo para a educação e saúde, elas dispõem de pouco ou nenhum recurso financeiro ou apoio e nenhum fomento da CAPES, apesar da Portaria Nº 17/2009 permitir. Nas últimas avaliações, as Áreas possuíam autonomia para estabelecer pesos e critérios para a diversidade de produção intelectual. Na contramão, orientações mais atuais da CAPES buscam padronizar todas as Áreas, ignorando suas histórias e especificidades. Para nós, essa situação se agrava ao pensarmos os cursos profissionais e seus produtos e processos educacionais, uma vez que a Área de Ensino demonstrou maturidade após discussão acumulada e propor e implementar um Qualis Educacional para estratificá-los. Nesse sentido, apresentamos elementos de que, após 20 anos de existência, a Área de Ensino possui expertise para propor processos avaliativos para a principal exigência de um programa da modalidade profissional: elaborar um processo ou produto educacional que represente uma solução possível para atender a questões e problemas do cotidiano dos profissionais. Reforçamos que o principal “produto” é o profissional, que passou por momentos de reflexão, foi incubado pela academia, mergulhou no referencial teórico, vivenciou as etapas metodológicas de uma pesquisa, viveu tudo isso e, por conseguinte, é praticamente incapaz de retornar a seu ambiente de trabalho e não reviver esse processo reflexivo sempre que se deparar com um problema relacionado a sua prática. Recurso humano crítico e reflexivo é, portanto, o principal produto de um curso de pós-graduação da modalidade profissional. Afirmamos, portanto: sim, podemos nos sonhar!

Referências

ANJOS, M. B. dos; PEREIRA, M. V.; RÔÇAS, G. . “Nós que aqui estamos por vós esperamos”: a desejada aproximação entre educação básica e pesquisadores em ensino de ciências. Revista Espaço Pedagógico, v. 25, n. 2, 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
BOMFIM. A. M. do; VIEIRA, V.; DECCACHE-MAIA, E. . A crítica da crítica dos mestrados profissionais: uma reflexão sobre quais seriam as contradições mais relevantes. Ciência & Educação, v. 24, n. 1, 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
BRASIL. Lei Nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. CAPES. Portaria No 80, de 16 de dezembro de 1998. Dispõe sobre o reconhecimento dos mestrados profissionais e dá outras providências. Brasília, 1998. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
______. Portaria No 17, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Brasília, 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
_____. Relatório de Avaliação – Ensino. Avaliação Quadrienal 2017. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
_____. Relatório do Seminário de Meio Termo – Área de Ensino. Brasília, 2019. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
FARIAS, M. S. F. de; MENDONÇA, A. P. . Concepção de produtos educacionais para um mestrado profissional. [recurso eletrônico]. Manaus, 2019. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
MOTA, L. . A avaliação da implementação da política de pesquisa da Rede Federal: analisando a questão do financiamento. In: PEREIRA, M. V.; RÔÇAS, G. (Org.). As nuances e o papel social dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: lugares a ocupar. João Pessoa: IFPB, 2018. Cap. 2, p. 49-88. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
MOREIRA, M. C. do A.; RÔÇAS, G.; PEREIRA, M. V.; ANJOS, M. B. . Produtos educacionais de um curso de mestrado profissional em ensino de ciências. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 3, p. 344-363, 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
PEREIRA, M. V.; RÔÇAS, G. . “Rebobine, por favor”: como avaliamos as pesquisas na área de ensino de ciências? Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 2, 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
REZENDE, F.; OSTERMANN, F. . O protagonismo controverso dos mestrados profissionais em ensino de ciências. Ciência & Educação, v. 21, n. 3, p. 543-558. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
RÔÇAS, G.; ANJOS, M. B. dos; PEREIRA, M. V. . “Quanto vale ou é por quilo”: o peso da produção acadêmica na área de ensino. Ensino e Tecnologia em Revista, v. 1, n. 1, p. 46-66, 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
RÔÇAS, G.; MOREIRA, M. C. do A.; PEREIRA, M. V. . “Esquece tudo o que te disse”: os mestrados profissionais da área de ensino e o que esperar de um doutorado profissional. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista, v. 8, n. 1, p. 59-74, 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.
RODRÍGUEZ, V. G. . O ensaio como tese: estética e narrativa na composição do texto científico. São Paulo: WMF, 2012.
Publicado
2020-08-05
Seção
Programas Profissionais