Dimensões Teórico-Metodológicas do Cálculo Diferencial e Integral: perspectivas histórica e de ensino e aprendizagem

  • Marco Antônio Escher Departamento de Matemática, Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil
  • Rosana Giaretta Sguerra Miskulin Departamento de Educação Matemática, UNESP, campus de Rio Claro, Brasil
Palavras-chave: Cálculo Diferencial e Integral, Paradigma Indiciário, História, Tecnologias de Informação e Comunicação

Resumo

Este artigo se baseia numa pesquisa de doutorado em Educação Matemática que descreve um Cenário de Investigação criado por algumas dimensões teórico-metodológicas, as quais apresentam, em duas perspectivas inter-relacionadas, as influências, limites e potencialidades do uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Cálculo Diferencial e Integral: (1) em uma perspectiva histórica, e (2) em uma perspectiva de ensino e de aprendizagem. O objetivo deste trabalho consiste em investigar as dimensões teórico-metodológicas presentes nas inter-relações do Cálculo Diferencial e Integral e as Tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC). A pesquisa foi desenvolvida lançando mão de uma metodologia qualitativa, com a qual o pesquisador insere-se no contexto pesquisado e no desenvolvimento da coleta dos dados da pesquisa e, aos poucos, constrói o Cenário de Investigação, tendo, como pano de fundo, o Paradigma Indiciário de Carlo Ginzburg. Desta forma, delineamos uma Coda a qual nos fornece uma síntese conceitual das perspectivas (1) e (2), viabilizando-nos a percorrer um caminho teórico-metodológico em busca dos indícios que influenciam os processos de ensinar e aprender Cálculo no contexto das Tecnologias de Informação e Comunicação. Para tanto, delineamos possíveis respostas para a questão investigativa: Quais são as dimensões teórico-metodológicas presentes nas inter-relações do Cálculo Diferencial e as Tecnologias Informacionais e Comunicacionais no contexto de ensino e aprendizagem da matemática? Dimensões como: epistemológicas, da linguagem, formalista, sócio-cultural, metodológica, entre outras, emergem da revisão da literatura relativa ao uso das tecnologias no ensino e aprendizagem do Cálculo, da análise preliminar dos livros selecionados, das Entrevistas efetuadas com professores que lecionaram, ou que ainda lecionam Cálculo e da prática em sala de aula. As conclusões mostram-nos que as TIC adquirem uma característica forte o bastante para alterar todas as dimensões, assumindo, logo, seu caráter epidêmico, justificando assim sua característica revolucionária.

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os Aparelhos Ideológicos de Estado (AIE). 4a. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BALDINO, R. R. A ideologia da melhora do ensino da matemática. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 4, 1992, Blumenau. Anais.. Blumenau, 1992.

BEAN, D. W. Aprendizagem pessoal e aprendizagem afastada. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: Pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004.

BLOCH, M. Introdução à História. Lisboa: Publicações Europa-América, 1997.

CASTELLS, M. A Teoria Marxista das Transformações Econômicas e as Transformações do Capitalismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

_______. A Sociedade em Rede – A Era da Informação: economia, sociedade e cultura, volume 1. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

D’AMBRÓSIO, U. Da realidade à ação – reflexões sobre educação e matemática. São Paulo, SUMMUS/UNICAMP, 1986.

GINZBURG, C. Mitos, Emblemas, Sinais: Morfologia e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

_______. O Fio e os Rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LOPES, S. Ideologia e prática social. In: Análise Social, v. X (4.º), n. 40, 1973, p. 656-678.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. In: Cadernos Desafio. n. 1, p. 46, 1995.

MIGUEL, A. O Projeto de Disciplinarização da Prática Social em Educação Matemática. In: Educação Matemática: Uma Área de Conhecimento em consolidação. O papel da Constituição de um Grupo de Trabalho dessa Área na ANPED. Núcleo de Estudos e Pesquisa, 2004.

OLIMPIO JR., A. Compreensões de conceito de Cálculo Diferencial no primeiro ano de Matemática – uma abordagem integrando oralidade, escrita e informática. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 2006.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PROST, A. Doze Lições sobre a História. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

RICŒUR, P. A História, a Memória, o Esquecimento. Campinas: Ed. Unicamp, 2007.

SANTAELLA, L. Cultura das Mídias. São Paulo: Experimento, 2001.

_______. Cultura e artes pós-humano: da cultura das mídias a cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.
SUASSUNA, L. Pesquisa qualitativa em Educação e Linguagem: histórico e validação do paradigma indiciário. Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 341-377, jan./jun. 2008.
Publicado
2019-08-30
Seção
Artigos