Da janela lateral

Considerações sobre infância e territórios de brincar em tempos pandêmicos em um condomínio no subúrbio do Rio de Janeiro

Autores

  • Tânia de Vasconcellos Universidade Federal Fluminense/UFF

Palavras-chave:

Infância. Territórios de Brincar. Tempos pandêmicos

Resumo

Os playgrounds de condomínios residenciais costumam ser espaços pensados para uso prioritário do coletivo de crianças. Ainda que apresentem uma intencionalidade na disposição de seus equipamentos, são as crianças que na ocupação e uso destes espaços os reconfiguram segundo seus desejos, edificando seus territórios de brincar. A pandemia provocada pelo Covid19 tornou todos esses espaços inacessíveis. Durante quase dois anos as crianças e adultos estiveram confinados em seus apartamentos. Recentemente o distanciamento social tem sido abrandado e tais espaços voltam a ser ocupados. A inserção do pesquisador nesse universo permitiu a observação do fenômeno e a partir da tradição de pesquisa do Núcleo de Estudos de Infância e Cultura o presente trabalho se propõe tecer considerações sobre esse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia de Vasconcellos, Universidade Federal Fluminense/UFF

Pedagoga formada pela UERJ, Mestre em Educação pela PUC-Rio e Doutora em Educação pela UFF. Na Universidade Federal Fluminense é professora da Faculdade de Educação lotada no Departamento de Sociedade, Conhecimento e Educação atuando na área de Educação Infantil. No Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE está vinculada ao campo de confluência "Linguagem, Cultura e Processos Formativos". Dedica-se à pesquisa das relações entre Infância e Cultura, particularmente quanto a produção da infância e a produção do lugar; quanto ao jogo, brinquedo e brincadeira na perspectiva do patrimônio e quanto ao diálogo entre a infância e a filosofia.

Referências

ABRAMOWICZ, Anete. Espelho, plantas e pandemia. In: ABRAMOWICZ, Anete; PARK, Margareth Brandini (Orgs.). Mulheres na pandemia. São Carlos, SP: Pedro e João, 2020.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitário, 2010.

BÁRCENA, Fernando; MÈLICH, Joan-Carles. La educación como acontecimento ético. Barcelona, ES: Paidós Ibérica, 2000.

BAUZER, Riva. Crescer numa cidade grande. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

BENJAMIN, Walter. A hora das crianças: narrativas radiofônicas. Rio de Janeiro: NAU, 2015.

CORRÊA, Jacinto Fabio. O futuro, em perspectiva. Rio de Janeiro, 22 de out. de 2021 Facebook: Jacinto Fabio Corrêa. Disponível em: https://www.facebook.com/story.php?story_fbid=1764039747140362&id=100006030602770 . acesso em 17 de mar. De 2020.

G1.GLOBO.COM. O segundo caso no Brasil, em São Paulo, foi confirmado. Rio de Janeiro: 29 de fev. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/02/29/ultimas-noticias-de-coronavirus-de-29-de-fevereiro.ghtml . Acesso em: 20 mar. 2022.

G1.GLOBO.COM. Em uma semana, Brasil registra mais casos que o total da Espanha. Rio de Janeiro: 28 de jun. de 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/06/28/casos-e-mortes-por-coronavirus-no-brasil-28-de-junho-segundo-consorcio-de-veiculos-de-imprensa.ghtml. Acesso em: 20 mar. 2022.

G1.GLOBO.COM. Brasil tem 30.484 mortes por Covid-19 em fevereiro, 2º maior número em toda a pandemia. Rio de Janeiro: 01 de mar. de 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2021/03/01/brasil-tem-30484-mortes-por-covid-19-em-fevereiro-2o-maior-numero-em-toda-a-pandemia.ghtml. Acesso em: 20 mar. 2022.

G1.GLOBO.COM. O Brasil registrou neste domingo (21) 97 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, com o total de óbitos chegando a 612.722 desde o início da pandemia. Rio de Janeiro: 21 de nov. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/saude/coronavirus/noticia/2021/11/21/brasil-registra-97-mortes-por-covid-media-movel-volta-a-ficar-em-estabilidade.ghtml. Acesso em: 20 mar. 2022.

G1.GLOBO.COM. Fevereiro chega ao fim como pior mês de contágio por Covid no país. Brasil tem 649.443 óbitos e 28.786.072 casos registrados do novo coronavírus. Rio de Janeiro: 28 de fev. de 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/saude/coronavirus/noticia/2022/02/28/fevereiro-chega-ao-fim-como-pior-mes-de-contagio-por-covid-no-pais.ghtml. Acesso em: 20 mar. 2022.

PORTAL.FIOCRUZ.BR. Nesta sexta-feira (11/3), data em que se completam dois anos que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a pandemia do novo coronavírus, o novo Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19 chama atenção para a necessidade do avanço na vacinação e para o relaxamento prematuro das medidas protetivas. Rio de Janeiro: 11 de mar. 2022. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/observatorio-covid-19-aponta-relaxamento-prematuro-de-medidas-protetivas. Acesso em: 20 mar. 2022.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

MORICONI, Ítalo. Torquato Neto: essencial. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2020.

RIBES, Rita. Combo. In: RIBES; VENAS (Org.). Infância crônica. Rio de Janeiro: NAU, 2019.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EdUSP, 2014.

Downloads

Publicado

2022-07-29