Geografia da Infância

reflexões sobre um teatro com bebês e crianças e outras territorialidades

Autores

Palavras-chave:

Teatro com Bebês e Crianças Pequenas, Geografia da Infância, Kòtèba

Resumo

Na elaboração deste artigo, reunimos duas pesquisas distintas que dialogaram com o teatro e a Geografia da Infância, cada uma em sua cronotopia. As reflexões sobre um teatro com bebês e crianças percorreram uma vasta revisão bibliográfica que sinalizou outras possibilidades de refletir sobre como estamos pensando a relação com os bebês e as crianças na sociedade, principalmente, no espaço institucional da creche. A teoria histórico-cultural e as inspirações da Geografia da Infância foram a base para pensarmos a espacialização da vida a partir do teatro. Paralelamente, dialogamos com o Kòtèba, o teatro tradicional dos Bámànàn (África Ocidental), um povo conhecido por brincar com seus problemas e seus mitos, cujas encenações, danças, cantos e música pontuam todos os aspectos de sua vida social. Seguimos as pegadas de Sotigui Kouyaté, que afirmava que, através do Kòtèba, a jovem África podia acessar todo o mundo e toda a experiência ancestral bámànàn. Além das palavras do djeli Sotigui Kouyaté, estruturam a presente pesquisa os trabalhos de Sada Sissoko e Osita Okagbue

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Miguel Pereira, Professor Substituto do Departamento de Geografia da Universidade Federal Fluminense/UFF

Doutor e Mestre em Educação pelo Programa de Pós Graduação em educação da Universidade Federal Fluminense e licenciado em Geografia na mesma instituição. Com experiências nas áreas de Educação e Artes Cênicas. Atuação nos seguintes temas: Geografia - Ensino/aprendizagem; Geografia da Infância; Pesquisa com infâncias, crianças e bebês; Educação Infantil; Teatro para bebês; Teatro com bebês; Iluminação cênica. Pesquisador do GRUPEGI-CNPq/UFF-UFJF - Grupo de Pesquisas e Estudos em Geografia da Infância.

Angela Monteiro Pereira, Universidade Federal Fluminense/UFF

Mestra em Educação pela Universidade Federal Fluminense - Linha de Pesquisa: Linguagem, Cultura e Processos Formativos. Graduada em Comunicação Social e em Teatro. Pesquisadora do Grupo de Pesquisas e Estudos em Geografias da Infância (GRUPEGI - CNPq/UFF-UFJF). Áreas de interesse: as tradições ancestrais próprias das culturas da África Tradicional, pautadas na oralidade e no papel dos mestres das tradições orais, arcabouços para a compreensão dos conceitos de educação e de infãncia, de cultura, arte e filosofia estruturados por essas sociedades.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da mitologia: (a idade da fábula), histórias de deuses e heróis. Tradução de David Jardim Júnior. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações S/A, 2002.

BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

GUTTMAN, Cynthia. Sotigui Kouyaté: the wise man of the stage. In: The UNESCO courier, 2001. p. 47-51.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

HANDFEST, Alexandre. Documentário: Sotigui Kouyaté, um griot no Brasil. São Paulo: Sesc TV, 2014. Documentário (57’). Disponível em: https://youtu.be/sJd1te_3pjI. Acesso em: 10 ago. 2020.

HAROUN, Mahamat-Saleh. Sotigui Kouyaté, um griot moderno. França: Les Productions de La Lanterne, 1996. Documentário, 58min, (57’).

Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LZ_6G9XCkHg. Acesso em: 15 out. 2020.

JEREBTSOV, Serguei. Gomel - a cidade de L.S. Vigotski. Pesquisas cientificas contemporâneas sobre instrução no âmbito da teoria histórico-cultural de L. S. Vigotski. VERESK – cadernos acadêmicos internacionais: estudos sobre a perspectiva histórico-cultural de Vigotski. Brasília: UniCEUB, 2014.

KOUYATÉ, Sotigui. Palestra: Encontro com Sotigui Kouyaté. SESC Consolação (SP), 11 a 14 de dezembro de 2006.

LOPES, Jader Janer Moreira. Terreno Baldio. Um livro sobre balbuciar e criançar os espaços para desacostumar Geografias. Por uma teoria sobre a espacialização da vida. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021.

MASSEY, Doreen B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Trad. Hilda Pareto Maciele Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

OKAGBUE, Osita. African theatres and performances. London: Routledge, 2007. p. 1-17, 136-174.

PEREIRA, Luiz M. Teatro com bebês, enunciações e vivências: encontros da arte com a vida. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

PEREIRA, Angela Monteiro. “Rodas e fogueiras aos pés das grandes rochas” onde a escuta precede a fala: um exercício de escuta de múltiplas tradições orais do oeste Africano. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2021.

PLATÃO. Diálogos: O Banquete - Fédon - Sofista - Político. Tradução: José Cavalcante de Souza, Jorge Paleikat e João Cruz Costa. São Paulo: Abril Cultural, 1972.

SISSOKO Sada - Le Kotèba et l'évolution du théâtre moderne au Mali. Bamako, 1995

SAGAN, Carl. Cosmos. Tradução Paul Geiger. São Paulo: Cia das Letras, 2017.

VIGOTSKI, Lev. S. Manuscrito de 1929. Tradução: Alexandra Marenitch; assistente de tradução: Luís Carlos de Freitas; revisão técnica: Angel Pino. Educação & Sociedade, ano XXI, nº 71, julho/00.

VIGOTSKI, Lev S. Sete aulas de L.S. Vigotski sobre os fundamentos da pedologia. Organização e tradução: Zoia Prestes, Elizabeth Tunes; tradução Claudia da Costa Guimaraes Santana. - 1. ed. - Rio de Janeiro. EPapers, 2018.

VIGOTSKI, Lev S. Imaginação e criação na infância. Trad. Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2010.

Downloads

Publicado

2022-07-29