Supervisão e intervisão na psicologia das organizações e dos recursos humanos

  • Catarina Brandão FPCEUP
  • Edite Saraiva Unidade de Psicologia das Organizações e dos Recursos Humanos, FPCEUP, Psic.ON
  • Rita Silva Unidade de Psicologia das Organizações e dos Recursos Humanos, FPCEUP, Psic.ON
  • Rosa Mário Unidade de Psicologia das Organizações e dos Recursos Humanos, FPCEUP, Psic.ON
  • Bruno Fraga Unidade de Psicologia das Organizações e dos Recursos Humanos, FPCEUP, Psic.ON
Palavras-chave: Psicologia das Organizações e dos Recursos Humanos, Supervisão, Supervisado, Intervisão, Pares

Resumo

A Supervisão e a Intervisão são práticas amplamente utilizadas e reconhecidas no desempenho profissional de áreas como a Psicologia e o Ensino. Os estudos científicos existentes centram-se, sobretudo, na prática utilizada em contexto escolar e em contexto de Psicologia Clínica. Este artigo  pretende, a partir de experiências profissionais concretas, substantificar o uso e os desafios destas práticas na área da Psicologia das Organizações, do Trabalho e dos Recursos Humanos. Partindo de experiências profissionais distintas e diversificadas, procura-se refletir e explicitar como as práticas de supervisão e intervisão estão presentes nesta especialidade da Psicologia em Portugal. Percebe-se para uma escassez de literatura, diretrizes e práticas de supervisão e intervisão nesta área, apesar do se perceber o recurso à supervisão e intervisão com alguma regularidade e formalidade. O texto avança ainda com algumas dimensões que devem ser consideradas para o desenvolvimento de boas práticas de supervisão e intervisão.

Biografia do Autor

Catarina Brandão, FPCEUP

Interesses a nível da investigação:
Desafios da liderança.
Relações interpessoais em contexto organizacional, principalmente entre supervisores e subordinados.
Mudança e desenvolvimento organizacional.
Vivência dos sistemas de gestão e avaliação do desempenho.
Software de análise de dados qualitativos - QDA.
Informação sobre projectos:
https://sites.google.com/g.uporto.pt/tinw2018/home?authuser=1

Referências

AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION (APA). APA Guidelines for clinical supervision in health service psychology. Disponível em: http://apa.org/about/policy/guidelines-supervision.pdf. Acesso em: 26 mai. 2020.

FALENDER, Carol A., CORNISH, Jennifer A. Erickson, GOODYEAR, Rodney, HATCHER, Robert, KASLOW, Nadine J., LEVENTHAL, Gerald, SHAFRANSKE, Edward, SIGMON, Sandra T., STOLTENBERG, Cal, GRUS, Catherine. Defining competencies in psychology supervision: A consensus statement. Journal of Clinical Psychology, v. 60, n.7, p 695-800, 2004. Disponível em: www.interscience.wiley.com. DOI: 10.1002/jclp.20013. Acesso em: 30 mai.2020.

BARLEY, Bechky, Milliken, 2017.

MOYES, Barbara. Literature review of coaching supervision. International Coaching Psychology Review Vol. 4 No. 2 September, 2009, The British Psychological Society.

FRANZENBURG, G. Educational Intervision: Theory and Practice. 2009. Problems of Education in the 21st Century, 13, 37-43.

HOLLOWAY, E., WOLLEAT, P. L. Supervision: The pragmatics of empowerment. 1994. Journal of Educational and Psychological Consultation, 5(1), 23-43.

PASSMORE, Jonathan, McGOLDRICK, Susan. Super-vision, extra-vision or blind faith? A grounded theory study of the efficacy of coaching supervision. 2009. International Coaching Psychology Review Vol. 4 No. 2 September, The British Psychological Society.

KENDRA L. Smith. A brief Summary of supervision Models. 2009.

ZIMMERMAN, B. J., E SCHUNK, D. S. (Eds.). Educational psychology: A century of contributions. 2003. hwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

KENNEDY, Emma-Kate, KEANEY, Caroline, SHALDON, Chris, CANAGARATNAM, Myooran. A relational model of supervision for applied psychology practice: professional growth through relating and reflecting. Educational Psychology in Practice, v. 34, n. 3, p. 282–299, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1080/02667363.2018.1456407. Acesso em: 30 mai. 2020.

SCHEIN, Edgar. Psicologia Organizacional (3ª edição). 1982. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil.

RobeRt LeveRing and MaRcus eRb. Emerging trends in people management. 2011. SWISS BUSINESS. January/February 2011, p. 30-33.

Stephen R. Barley, Beth A. Bechky, Frances J. Milliken. The Changing Nature of Work: Careers, Identities, and Work Lives in the 21st Century. 2017. Academy of Management Discoveries. Vol. 3, No. 2, 111–115. https://doi.org/10.5465/amd.2017.0034

Ordem dos Psicólogos Portugueses. Comissão Temporária para a Supervisão e Intervisão. https://www.ordemdospsicologos.pt/pt/comissoes/comissao/index/comissao-temporaria-para-a-supervisao-e-intervisao. Acesso em: 28 de maio de 2020.

Ordem dos Psicólogos Portugueses. Manual do Psicólogo Júnior. https://www.ordemdospsicologos.pt/ficheiros/documentos/manual_do_psicaologo_jaonior_2.pdf Acesso em: 30 de maio de 2020.

Ordem dos Psicólogos Portugueses. Parecer Particular 1/CEOPP/2015 sobre Avaliação Psicológica no Contexto Organizacional. https://www.ordemdospsicologos.pt/ficheiros/documentos/parecer_11_.pdf. Acesso em: 29 de maio de 2020.

Clement Leems. Move! Organizational Learning. https://organisatieleren.be/intervision#intervisie5. Acesso em: 25 de abril de 2020.
Publicado
2020-06-30