Com que passado se constrói um “Future-se”

a política de editais como um projeto conformador

  • Renata Lucia Baptista Flores Universidade Federal do Rio de Janeiro e Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Política de Editais, Políticas Educacionais, Formação de Professores

Resumo

O programa Future-se é uma das mais recentes iniciativas do governo federal para a educação pública de nível superior. Diante de audíveis contestações que vêm sendo acompanhadas, a questão que mobiliza esse artigo é a necessária percepção do histórico que contextualiza a existência dessa proposta, intentando identificar elementos do projeto que não nasceram com ele. Nos dedicamos a construir relações entre o programa Future-se e um modus operandi que vem tomando parte no trabalho dos que atuam nas instituições de ensino superior federais, qual seja, a política de editais. Um esforço de sistematizar rastros que, historicizados, revelam a pavimentação construída para que um projeto como tal tivesse espaço para ser elaborado e apresentado ao público.

Referências

ALVES DOS SANTOS, Silvia. Mudanças na Graduação na Universidade Pública: a nova prática da Iniciação Científica. 2013. 124p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

ANHAIA, Edson Marcos de. Formação de Professores: realidade, contradições e possibilidade do Curso de Licenciatura em Educação do Campo/UFFS – Campus de Laranjeiras do Sul – 2012 – 2017. 2018. 224p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

BARATA, Jade Prata Bueno. Educação entre alienação e emancipação: um estudo de caso do Quilombo Campinho da Independência, Parati, RJ. 2013. 102f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: Obras escolhidas I: Magia e técnica, arte e política. 7ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994, p. 222-232.

BRASIL. CAPES. CAPES: Uma síntese sobre Programas de Formação de Professores da Educação Básica. Brasília: s.d. [mimeo]

BRASIL. Ministério da Educação. Minuta do Projeto de Lei Future-se. Institui o Programa Institutos e Universidades Empreendedoras e Inovadoras – FUTURE-SE, e dá outras providências. 2019a. Disponível em: http://estaticog1.globo.com/2019/07/19/programa_futurese_consultapublica.pdf Acesso em: 26 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portal do MEC – Consulta pública future-se. 2019b. Disponível em: https://isurvey.cgee.org.br/future-se/ Acesso em: 26 ago. 2019.

DINIZ, Flávio Pereira. A extensão universitária como instrumento de política pública. 2012. 140 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2012.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida O. A nova Pedagogia da Hegemonia no Brasil: Entrevista com Lúcia Neves. Perspectiva. Florianópolis: v. 29, n. 1, p. 229-242, jan./jun. 2011.

EVANGELISTA, Olinda. Políticas Públicas educacionais contemporâneas, formação docente e impactos na escola. In: Anais do XVI ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Campinas: Junqueira e Marin Editores, 2012. Livro 1, p.39-51.
EVANGELISTA, Olinda; SEKI, Allan Kenji; SOUZA, Artur Gomes de. Apêndice. In: Desventuras dos Professores na formação para o capital. Campinas: Mercado de Letras, 2019. p. 171-179.

KATO, Fabíola Bouth Grello. A nova política de financiamento de pesquisas: reforma no Estado e no novo papel do CNPQ. Tese (Doutorado em Educação). São Carlos: UFSCAR, 2013. 179p.

LEHER, Roberto. 25 Anos de Educação Pública: notas para um balanço do período. In: Guimarães, Cátia (Org.) Trabalho, Educação e Saúde: 25 anos de Formação Politécnica no SUS. Rio de Janeiro: EPSJV, 2010, p.29-72.

LEHER, Roberto. Análise preliminar do “Future-se” indica a refuncionalização das Universidades e Institutos Federais. In: Dossiê sobre o programa Future-se do governo/MEC e as implicações para a universidade e a sociedade. Salvador, ago 2019. p. 187-197. Disponível em: file:///C:/Users/renat/Downloads/Dossie%CC%82%20FUTURE-SE.pdf Acesso em: 29 ago 2019.

OROFINO LUCIO, Elizabeth. A palavra conta, o discurso desvela: saberes docentes na formação continuada de professores de leitura e escrita. 2016. 220 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

MEDEIROS, Hugo Augusto Vasconcelos. A Universidade Federal de Pernambuco e a “Política de Editais”: uma análise a partir do ciclo de políticas públicas. Revista Educação Unisinos. s.l.: volume 20, número 2, p.215-223, maio-agosto 2016.

NASCIMENTO, Alásia Santos Ramos do. As tecnologias digitais como dispositivo de poder: da Universidade Aberta do Brasil ao Sistema Virtual de Aprendizagem do Brasil – Moodle. 2015. 364 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

PENIDO, Yvaga. KAPLAN, Leonardo e LOUREIRO, Frederico. Políticas Públicas instituídas pelo Ministério do Meio Ambiente: análise da documentação e implementação do Programa de Formação de Educadores/as Ambientais (ProFEA). Revista VITAS – Visões Transdisciplinares sobre Ambiente e Sociedade. Niterói: UFF, Ano IV, Nº 8, setembro de 2014. [online]

SILVA, Simone Maria da. Pesquisa científica, editais de financiamento e a heteronomia acadêmica. 2012. 130 f. Dissertação (Mestrado em Educação). – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

SILVA, Simone Maria da. As políticas de ciência e tecnologia a partir da criação do Ministério de Ciência e tecnologia: um novo padrão de pesquisa e as implicações para as universidades públicas. 2018. 229 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

VALE, Andréa. Future-se e financeirização. In: Future-se: por que o projeto do governo ameaça a universidade pública no Brasil? 2019, ADUFF, Niterói. Disponível em: https://www.facebook.com/aduff.ssind/videos/tv-aduff-ao-vivo-semin%C3%A1rio-future-se-por-que-o-projeto-do-governo-amea%C3%A7a-a-unive/2956647071227892/ Acesso em: 29 ago 2019.
Publicado
2019-12-21