ATIVIDADES DE PREVENÇÃO PARA PEDICULOSE E PARASITOSES INTESTINAIS EM ESCOLARES

Palavras-chave: Educação, Parasitoses intestinais, Pediculose, Prevenção

Resumo

A pediculose constitui um dos principais problemas de saúde pública no Brasil, assim como as principais parasitoses intestinais, principalmente em crianças em idade escolar. Por consequência, as comunidades escolares têm de lidar com ambos os problemas. Dessa forma, o objetivo do presente estudo é trabalhar estratégias lúdicas eficazes de prevenção contra pediculose e parasitoses intestinais dentro do contexto escolar. O projeto foi desenvolvido na Escola Municipal Francisco Borges da Fonseca, localizada na região metropolitana de Belo Horizonte, em três turmas do 2º ano do Ensino Fundamental I. Nas atividades de prevenção relacionadas à pediculose inicialmente os alunos participaram de uma roda de conversa e logo após foi ministrada uma pequena palestra. Por fim, os alunos foram convidados a participar de um jogo didático de tabuleiro. Nas atividades de prevenção relacionadas às parasitoses intestinais os alunos assistiram a um desenho educativo e em seguida foram desafiados a encontrar as palavras corretas para completar uma cruzadinha. Na última etapa do projeto foram elaborados dois panfletos informativos, um relativo à pediculose e outro relativo às parasitoses intestinais para a conscientização dos pais e da comunidade escolar. Os questionamentos dos alunos durante a realização das atividades ressaltaram a necessidade do uso de práticas pedagógicas mais eficazes. Nesse sentido, as atividades lúdicas mostram-se extremamente importantes, pois estimulam o aprendizado de forma natural e prazerosa, além de proporcionarem uma nova perspectiva em relação ao conteúdo, a fim de que os alunos sejam capazes de cuidar da própria saúde e dos que estão ao redor.

 

Biografia do Autor

Natasha Noeme Miranda Lobo, Universidade Federal de Juiz de Fora

Especialista em Ciências Biológicas (Ensino de Biologia) pela Universidade Federal de Juiz de Fora.

Ana Cristina Alves, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Ecologia e Biologia da Conservação pela Universidade Federal de Juiz de Fora

Danielle Amaral, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Ciências Biológicas com ênfase em genética e Biotecnologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora

Clarice Abramo, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Bioquímica e Imunologia pela Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

ALVES, S. N.; OLIVEIRA, T. R.; SOUZA, G. C.; SILVA, A. F. Ações de educação e saúde relacionadas à pediculose na educação infantil. Em Extensão, v. 14, n. 1, p. 126-133, 2015.
ANDRADE, E. J. S. S. Formação continuada em pediculose: quando o piolho invade a aula e o professor afasta o aluno. 2006. 125 f. Dissertação (Mestrado em Ensino em Biociências e Saúde) – Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2006.
ASOLU, S.O.; OFOEZIE, I.E. The role of health education and sanitation in the control of helminth infections. Acta Tropica, v.86, n.2, p. 283-94, 2003.
BARBOSA, J. V. Infestação e Doenças Causadas por Ectoparasitas. In: COURA, J. R. (Org.). Dinâmica das Doenças Infeciosas e Parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. v.1, p. 461-464.
BARBOSA, J. V.; PINTO, Z. T. Pediculose no Brasil. Entomologia y Vectores, v. 10, n. 4, p. 579-586, 2003.
CARDOSO, G. S.; SANTANA A. D. C.; AGUIAR, C. P. Prevalência e aspectos epidemiológicos da giardíase em creches no município de Aracaju, SE, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 28, n. 1, p. 25-31, 1995.
CATALÁ, S.; CARRIZO, L.; CÓRDOBA, M.; KHAIRALLAH, R.; MOSCHELLA, F.; BOCCA, J. N.; CALVO, A. N.; TORRES, J.; TUTINO, R. Prevalência e intensidade da infestação por Pediculus humanus capitis em escolares de seis a onze anos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 37, n. 6, p. 499-501, 2004.
FRANCESCHI, A. T.; FRANCO, B. B.; STEIGER, C. M. P.; PADILHA, D. Z.; IRIGARAY, J. E.; SCHARDOSIM, J. M.; WITT, R. R. Desenvolvendo estratégias para o controle da pediculose na rede escolar. Revista APS, Juiz De Fora, v. 10, n. 2, p. 217-220, 2007.
GOMES, P. D. M. F.; NUNES, V. L. B.; KNECHTEL, D. S.; BRILHANTE, A. F. Enteroparasitos em escolares do distrito Águas do Miranda, município de Bonito, Mato Grosso do Sul. Revista de Patologia Tropical, v. 39, n. 4, p. 299-307, 2010.
GRÜBEL, J. M.; BEZ, M. R. Jogos Educativos. Novas Tecnologias na Educação, v. 4, n. 2, p. 1-7, 2006.
LUDWIG, K. M.; FREI, F.; FILHO, F. A.; RIBEIRO-PAES, J. T. Correlação entre condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, Estado de São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 32, n. 5, p. 547-555, 1999.
MAIA, A. K. H. L.; MOTA, C. A. X.; SILVA, J. M.; ALMEIDA, K. F. C.; SENA, N. P. S.; FERREIRA, T. G. A. Educação e saúde: um relato de experiência de extensão universitária do projeto “Prevenção das doenças infecciosas bacterianas e parasitoses”. Revista Ciência Saúde Nova Esperança, v. 13, n. 2, p. 83-87, 2015.
MARQUES, P. B.; MYLIUS, L. C.; PONTES, C. I. R. V. Prevalência de parasitoses intestinais em crianças dos Núcleos da FEBEM de vilas periféricas de Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 33, n. 1, p. 31-33, 2001.
MELO, M. C. B.; KLEM, V. G. Q.; MOTA, J. A. C.; PENNA, F. J. Parasitoses intestinais. Revista de Medicina de Minas Gerais, v. 14, 1 Supl. 1, p. S3-S12, 2004.
MENEZES, A. L.; LIMA, V. M. P.; FREITAS, M. T. S.; ROCHA, M. O.; SILVA, E. F.; DOLABELLA, S. S. Brief communication prevalence of intestinal parasites in children from public daycare centers in the city of Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 50, n. 1, p. 57-59, 2008.
NUNES, S. C. B. Fatores epidemiológicos associados à prevalência da pediculose da cabeça em Manaus – Amazonas. 2014. 55 f. Dissertação (Mestrado em Imunologia Básica e Aplicada) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2014.
PINHEIRO, F. G. M. S.; MADI, R. R.; VAEZ, A. C.; PEREIRA, J. B.; MELO, C. M. Determinantes sociocomportamentais e vulnerabilidade de crianças da educação infantil à pediculose. Cogitare Enfermagem, v. 20, n. 3, p. 504-511, 2015.
PHIRI, K.; WHITTY, C.J.; GRAHAM S.M.; SSEMBATYA-LULE G. Urban/rural differences in prevalence and risk factors for intestinal helminth infection in southern Malawi. Annals of Tropical Medicine Parasitology, v. 94, n. 4, p. 381-387, 2000.
SANTOS, A. S. Educação em saúde: reflexão e aplicabilidade em atenção primária á saúde. Online Brazilian Journal of Nursing, v. 5, n. 2, 2006. Online. Disponível em . Acesso em: 16 Jun. 2017.
SIQUEIRA, R. V.; FIORINI, J. E. Conhecimentos e procedimentos de crianças em idade escolar frente a parasitoses intestinais. Revista da Universidade de Alfenas, v. 5, p. 215-220, 1999.
SOUZA, P. A. T.; MATOS, F. D. C.; ARAKAKI, E. S.; DOMINGUES, E. G.; MADEIRA, N. G. Pediculose na Escola, uma Abordagem Didática. Departamento de Parasitologia IB-UNESP, - Botucatu, p. 528-535, 2001. Online. Disponível em: . Acesso em: 14 Jun. 2017.
SUPER-SABÃO contra as parasitoses. Produção: StudioOpz-Escritório de Design e Studio Nomad. Realização: Universidade Estadual de Londrina, PIIO-Parasitas Intestinais Inimigos Ocultos, Projeto de Extensão PIIO: Parasitas Intestinais Inimigos Ocultos e Laboratório de Protozoologia Experimental Depto de Ciências Patológicas. São Paulo: DUBLAVIDEO, 2012. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=H1NO1VPRsEM>. Acesso em: 03 Jun. 2018.
VASCONCELOS, I. A. B.; OLIVEIRA, J. W.; CABRAL, F. R. F.; COUTINHO, H. D. M.; MENEZES, I. R. A. Prevalência de parasitoses intestinais entre crianças de 4-12 anos no Crato, Estado do Ceará: um problema recorrente de saúde pública. Acta Scientiarum Health Sciences, v. 33, n. 1, p. 35-41, 2011.
Publicado
2020-08-04
Como Citar
Lobo, N. N. M., Alves, A. C., Amaral, D., & Abramo, C. (2020). ATIVIDADES DE PREVENÇÃO PARA PEDICULOSE E PARASITOSES INTESTINAIS EM ESCOLARES. Lynx, 1(1). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/lynx/article/view/31239